Recebemos por esses dias a seguinte pergunta, à qual queremos dar especial atenção agora, porque, além de ser uma dúvida compartilhada por muitas pessoas, envolve o evangelho da Transfiguração do Senhor, proclamado pela Igreja neste domingo:

Padre, sou católico e totalmente contrário ao espiritismo. Tenho notado que muita gente por ignorância está cada vez mais acreditando nesta doutrina. Sempre digo que, se a pessoa acredita no espiritismo, deve jogar a Bíblia fora, porque não encontrei nenhuma passagem onde Jesus menciona coisas do tipo “morrer e se reencarnar para a evolução” (muito mencionado pelos espíritas).

Mas tem uma passagem na Bíblia com a qual eu não gostaria de ser pego “de surpresa” por um espírita, que é a passagem em que Jesus, no monte Tabor, conversa com Moisés e Elias (cf. Mt 17, 3; Mc 9, 4; Lc 9, 30). Como posso me defender de um espírita e argumentar que este momento não tem nada a ver com espiritismo?

Para responder a esta questão, partamos, em primeiro lugar, de um fato já reconhecido por nosso interlocutor: em nenhuma passagem contida nos Evangelhos Jesus ensina a reencarnação. Muito pelo contrário, são vários os lugares em que encontraremos ensinamentos destoando dessa que é a principal crença do espiritismo. Veja-se, por exemplo, o que diz Hb 9, 27: que “está determinado que os homens morram uma só vez, e depois vem o julgamento”; ou ainda, o que o próprio Senhor ensina na parábola do pobre Lázaro e do rico banqueteador (cf. Lc 16, 19-31), a saber, que as pessoas morrem e vão ou para o Céu ou para o Inferno, sem “novas vidas” nem mudança de destino.

O episódio da Transfiguração, no entanto, seria interpretado pelos espíritas de modo a defender não tanto a reencarnação, mas a comunicação com os mortos. Falando com o patriarca Moisés, falecido há muitíssimo tempo, e com o profeta Elias, arrebatado aos céus sem notícia de morte (cf. 2Rs 2, 1-12), Nosso Senhor talvez estivesse querendo ensinar seus discípulos a estabelecerem contato com as almas do além.

O primeiro modo de rebater essa distorção dos Evangelhos seria apelar para a unidade das Sagradas Escrituras, já que em diversos trechos bíblicos Deus condena expressamente a evocação dos mortos e, sendo Jesus Cristo seu Filho, em tudo obediente à sua vontade, não poderia Ele ensinar uma coisa tão explicitamente contrária à Lei.

A Transfiguração, por Carl Bloch.

Na verdade, como explica Santo Tomás de Aquino em seu comentário à Transfiguração [1], a própria aparição de Moisés no monte Tabor tinha como finalidade confirmar, para os discípulos, o fato de que Cristo não tinha vindo para abolir a Lei de Moisés, mas para levá-la à perfeição, como ele próprio já havia defendido em seu Sermão da Montanha (cf. Mt 5, 17).

Porém, como os espíritas não compartilham com os cristãos a fé na inerrância das Escrituras, esse argumento seria de pouca ou nenhuma valia. Mesmo aceitando, de qualquer modo, que o Antigo e também o Novo Testamento condenem o contato com os mortos, um espírita poderia muito bem dizer: “Tudo bem, mas, se é proibido, por que Jesus está falando com Moisés e Elias?

Simplesmente porque existe uma grande diferença entre uma aparição do além por iniciativa divina e uma tentativa humana de provocá-la, por meio da evocação das almas de pessoas falecidas. De fato, não consta nos Evangelhos que Jesus, Pedro, Tiago e João tenham se reunido para fazer “baixar” no monte os espíritos de Elias e Moisés, como sói acontecer em sessões espíritas. Moisés e Elias “apareceram-lhes”, como está escrito, por pura vontade de Deus, que operou aquele milagre diante dos três apóstolos para confirmar-lhes a fé na divindade de Jesus (outra verdade, a propósito, na qual os espíritas não acreditam).

Lembremo-nos, neste sentido, de uma orientação oportuníssima do Frei Boaventura Kloppenburg, grande estudioso do assunto:

A Bíblia menciona várias vezes aparições perceptíveis de espíritos do além. Assim o evangelista Lucas nos relata que “o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, a uma virgem desposada com um varão chamado José, da casa de Davi; e o nome da virgem era Maria. Entrando na casa onde ela estava, disse-lhe: Alegra-te, cheia de graça, o Senhor é contigo” (Lc 1, 26-28). Jesus ressuscitado apareceu a Saulo a caminho de Damasco e falou com ele (cf. At 9). A Igreja aprovou aparições de Nossa Senhora em Lourdes e em Fátima.

Trata-se, nestes casos, evidentemente, de comunicações perceptíveis vindas do além. A fé cristã, por conseguinte, admite não somente a mera possibilidade de comunicações sensíveis, mas afirma fatos reais deste tipo de trato entre o além e o aquém.

Não devemos, porém, esquecer que Lucas nos informa que o Anjo “foi enviado por Deus”. Quem negará a Deus todo-poderoso a capacidade de enviar-nos seus mensageiros? Quando Deus manda, a iniciativa é sua; e a conseqüente manifestação do além toma para nós um caráter espontâneo. Bem outra é a situação quando a iniciativa é nossa, querendo nós provocar alguma conversação com entidade do além. [2]

Esse esclarecimento aos católicos é muitíssimo importante para afastar a ideia, muito difundida em nosso país, de que qualquer coisa que seja espiritual tenha algo a ver com espiritismo. Quem nunca ouviu, por exemplo, pessoas tratarem o tema da “vida após a morte” — praticamente onipresente nos Evangelhos — como se fosse uma “novidade” trazida pelo espiritismo ou um “tabu” para a Igreja Católica?

Não, ainda que o principal expoente do espiritismo, no Brasil e no mundo, tenha escrito um “Evangelho segundo o Espiritismo”, a doutrina espiritual de Cristo não tem nada a ver com isso. Basta examinar um pouco os Evangelhos, os ensinamentos de sempre do Magistério da Igreja, para ver a tremenda discrepância entre o que pregava Cristo e o que escreveu Allan Kardec; entre o que revelou, de um lado, o próprio Verbo de Deus encarnado e o que “revelou”, de outro, uma legião de espíritos pretensamente desencarnados.