CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc 9, 22-25)

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “O Filho do Homem deve sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e doutores da Lei, deve ser morto e ressuscitar no terceiro dia”.

Depois Jesus disse a todos: “Se alguém me quer seguir, renuncie a si mesmo, tome sua cruz cada dia e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida, vai perdê-la; e quem perder a sua vida por causa de mim, esse a salvará. Com efeito, de que adianta a um homem ganhar o mundo inteiro, se se perde e se destrói a si mesmo?”

Demos ontem início a mais um caminho quaresmal, e faz hoje o Senhor o primeiro anúncio do seu caminho até o Calvário. “O Filho do Homem”, diz, “deve sofrer muito”, para concluir em seguida: “Se alguém me quer seguir, renuncie a si mesmo, tome sua cruz cada dia e siga-me”. E para que O possamos seguir como Ele deseja, hemos de recordar já neste começo de caminhada que todos nesta vida têm suas cruzes, tanto os que seguem o mundo como os que seguem a Cristo. É por isso que diz: “Tome sua cruz”, porque os que O seguem a Ele, ainda que não estejam livres de cruz, a trazem sobre os ombros, não como um fardo apertado e estreito, mas leve e suave, ao passo que os que seguem o mundo, por não quererem cruz alguma, acabam tendo de sofrê-la muito pior, pois não a tomam nem carregam como os outros até o Calvário, mas são nela tomados e carregados aonde não querem ir. Quem segue a Cristo, ainda que tenha muito que suportar, tem na cruz um motivo mais de alívio que de tormento, porque é cruz para ser levada em companhia: “Tome sua cruz e siga-me”, e não para estar nela pregado a sós. Mas quem segue o mundo, não podendo evitar a cruz, a descobre mais terrível, porque não a toma, mas é pregado nela, e não a sofre com Cristo, mas sozinho. Aos que O seguem lhes põe o Senhor a cruz às costas, mas também lhes alivia o peso dela pela causa e pela companhia. Pela causa, porque lhes recompensa o trabalho, não só com o prêmio futuro, mas ainda com grandes consolos durante os mesmos sofrimentos; pela companhia, porque não os deixa sozinhos, pois os acompanha à frente, nem sobrecarregados, pois com sua graça os faz pôr à cruz só um ombro, enquanto Ele se encarrega de a levar com o outro. Não assim o mundo. Aos que o seguem torna o mundo mais pesado o peso da cruz, porque nem os faz tomá-la, mas crucificar-se nela; nem lhes alivia o caminho, pois lhes põe a cruz às costas e os deixa desamparados; nem os leva até o Calvário, onde a morte é triunfo e esperança, mas ao inferno, onde o estar vivo é derrota e eterno desespero. E se não há passar esta vida sem cruz, e sendo estes dois os gêneros de cruz que nos é dado escolher, saibamos muito bem a quem iremos seguir nesta Quaresma: se ao mundo, que nos faz levar dobrada a cruz que não temos vontade de levar, se a Cristo, que a corta tão pela metade que tira todo o peso à cruz de quem O segue. Seja a nossa cruz, não como a do Cireneu, que a teve de levar muito contra a sua vontade, mas como a de quem parte após de Cristo desde o pretório, sem medo de perder-se para ganhar-se de volta em Cristo e por Cristo [1].

Referências

  1. O texto desta homilia foi inspirado no Sermão da Exaltação da Santa Cruz, do Pe. Antônio Vieira, pregado no convento da Anunciada, em Lisboa, no ano de 1645. Costuma aparecer como o nono do tomo VIII nas edições de seus sermões completos.
Material para Download
Texto do episódio
Material para download
Comentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.