CNP
Christo Nihil Praeponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo 21, 15-19)

Jesus manifestou-se aos seus discípulos e, depois de comerem, perguntou a Simão Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas mais do que estes?” Pedro respondeu: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”. Jesus disse: “Apascenta os meus cordeiros”.

E disse de novo a Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas?” Pedro disse: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”. Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas”. Pela terceira vez, perguntou a Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas?” Pedro ficou triste, porque Jesus perguntou três vezes se ele o amava. Respondeu: “Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo”. Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas. Em verdade, em verdade te digo: quando eras jovem, tu te cingias e ias para onde querias. Quando fores velho, estenderás as mãos e outro te cingirá e te levará para onde não queres ir”.

Jesus disse isso, significando com que morte Pedro iria glorificar a Deus. E acrescentou: “Segue-me”.

No Evangelho de hoje, Jesus pergunta três vezes a S. Pedro, que três vezes, por medo e fraqueza, o tinha negado: “Simão, filho de João, tu me amas?” A insistência dessa pergunta, dirigida também a nós, deve levar-nos a considerar sempre a nossa indigência, a nossa incapacidade de amar, se nos fiarmos apenas de nossas próprias forças, de nossa vontade tão inconstante e pronta para abandonar até os mais firmes propósitos. De fato, sem a intervenção da graça, derramada em nossos corações pelo Espírito Santo, cuja vinda auguramos ansiosamente, não podemos amar nem a Deus nem ao próximo com aquele amor realmente digno desse nome, isto é, com verdadeira caridade cristã. Isso nos pode soar duro e talvez “exagerado”, mas se trata de uma verdade clara e transparente, se nos dispormos a enxergá-la nos movimentos mais íntimos de nossa alma. Se formos sinceros com nós mesmos, iremos constatar que tudo o que fazemos de bom, inclusive os atos mais discretos da virtude mais “insignificante”, encontram sua raiz naquele que opera em nós tanto o querer como o fazer (cf. Fp 2, 13). Mesmo o simples desejo de amar a Cristo depende de uma moção prévia da graça, de um sopro, leve e gratuito, do Espírito Santo. Que Deus, por sua misericordiosa liberalidade, se digne conceder-nos todas as graças de que necessitamos para amá-lo sobre todas as coisas, com um puro e sobrenatural amor, que só Ele, fonte de todo bem, pode fazer brotar dentro de nós. — Dá-nos, Senhor, o amor com que queres que te amemos!

Download do Material
Texto do episódioDownload do áudio e textoComentários

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.