CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo 14, 27-31a)

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; mas não a dou como o mundo. Não se perturbe nem se intimide o vosso coração. Ouvistes que eu vos disse: ‘Vou, mas voltarei a vós’. Se me amásseis, ficaríeis alegres porque vou para o Pai, pois o Pai é maior do que eu. Disse-vos isto, agora, antes que aconteça, para que, quando acontecer, vós acrediteis.  Já não falarei muito convosco, pois o chefe deste mundo vem. Ele não tem poder sobre mim, mas, para que o mundo reconheça que eu amo o Pai, eu procedo conforme o Pai me ordenou”.

Duas coisas nota Cristo no coração dos Apóstolos: de um lado, a perturbação que sentem por tudo o que ouvem e sabem que hão de sofrer dali a poucas horas; de outro, a paz que Ele mesmo lhes deixa, paz verdadeira e profunda, que nada tem a ver com a paz do mundo. Mas como é possível que em tais circunstâncias convivam na alma dos Apóstolos perturbação e paz: “Deixo-vos a paz”, inquietação e sossego: “Não se perturbe”, tristeza e alegria: “Se me amásseis, ficaríeis alegres”? A razão, lembra S. Tomás de Aquino, é que tanto a paz quanto a alegria são efeitos da caridade, de maneira que, onde há um coração em graça e amizade com Deus, nele também há paz e alegria, por mais agitadas que se encontrem as paixões. Chama-se propriamente alegria, com efeito, o prazer ou deleite que se experimenta pela apreensão interior de um bem (cf. II-II 35, 2 c.), em razão da presença do objeto amado (cf. II-II 28, 1 c.). Ora, uma vez que o estado de graça traz consigo a graça de inabitação, em virtude da qual o fiel tem presente em sua alma não só o sumo Bem, mas o poder de desfrutá-lo quando quiser, não há dúvida de que todo justo, pelo só fato de sê-lo, tem dentro de si a maior alegria que é dada ao homem nesta vida. Pela mesma razão se deve afirmar que em toda alma em graça há paz verdadeira: “A minha paz vos dou”, conquanto imperfeita: “Não se perturbe o vosso coração”: verdadeira, porque a paz implica concórdia, e a graça santificante, reordenando-o a Deus, faz o homem ter com Ele um só coração (cf. II-II. 29, 3 c.); mas imperfeita, porque neste mundo se experimentam ainda muitas paixões e desejos discordantes, apesar de o movimento principal de nossa alma já repousar em Deus (cf. II-II 29, 2 ad 4). Por isso, nada impede que os Apóstolos e os outros justos tenham, como um tesouro em suas almas, alegria profunda e paz verdadeira, mas experimentem ainda, na superfície das emoções e preocupações humanas, o medo, a inquietação e o desassossego conaturais ao nosso estado de viadores neste vale de lágrimas. Não deixemos que esses “entulhos” nos enturbem a vista, a ponto de já não enxergarmos os dons preciosíssimos que nos deu Cristo, como consolo em meio à prova e um lembrete de que, superada a nossa peregrinação terrena, entraremos por fim no gozo e na paz que não conhecem ocaso: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; mas não a dou como o mundo”.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.