CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

A radicalidade do cristão

A fidelidade a Cristo, ao Evangelho e à Igreja, exige um preço a pagar: a rejeição do mundo. Os que queremos corresponder ao amor de Jesus temos de estar sempre cientes de que a divisão, ainda que não a desejemos, será inevitável.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc
12, 49-53)

Naquele tempo disse Jesus aos seus discípulos: "Eu vim para lançar fogo sobre a terra, e como gostaria que já estivesse aceso! Devo receber um batismo, e como estou ansioso até que isto se cumpra! Vós pensais que eu vim trazer a paz sobre a terra? Pelo contrário, eu vos digo, vim trazer divisão. Pois, daqui em diante, numa família de cinco pessoas, três ficarão divididas contra duas e duas contra três; ficarão divididos: o pai contra o filho e o filho contra o pai; a mãe contra a filha e a filha contra a mãe; a sogra contra a nora e a nora contra a sogra".

No dia em que a Igreja celebra a memória de São João Paulo II, Papa, o Evangelho que nos é proposto ensina a todos os fiéis a radicalidade típica do cristão: diante de Jesus, Nosso Senhor e Salvador, não se pode ficar indiferente. É o próprio Cristo, de resto, quem revela a divisão de que Ele mesmo é sinal; o seu santo nome exige um posicionamento claro e inconfundível de quem quer que Lhe cruze o caminho. O cristão, com efeito, tem de estar disposto a abraçar com toda intensidade a verdade do Evangelho, mesmo que isso signifique desagradar a pai e mãe, a irmãos e irmãs. Seguir a Cristo requer que renunciemos de modo resoluto às vaidades humanas. Esta morte para mundo, reapresentada aqui pelo batismo de fogo que Nosso Senhor afirma ter trazido à terra, é o caminho seguro para o Reino dos Céus, cujas portas, em forma de cruz, Jesus nos abriu com o preço do seu preciosíssimo sangue.

A fidelidade a Cristo, ao Evangelho e à Igreja, por outro lado, exige também um preço a pagar: a rejeição do mundo. Os que queremos corresponder ao amor de Jesus temos de estar sempre cientes de que a divisão, ainda que não a desejemos, será inevitável. Pois os valores e a renúncia que Cristo nos veio pregar e pedir dividem o povo cristão do resto mundo. Eles convidam todo fiel a ser generoso, enquanto o mundo alimenta o egoísmo; ensinam a desprezar as fugacidades e prazeres da terra, ao posso que o mundo se afoga em destemperanças e preocupações; indicam que a nossa estadia aqui é passageira, enquanto o mundo, ao mesmo tempo que se vai desfazendo, deseja fazer as vezes do Paraíso.

Que o bem-aventurado Papa João Paulo II, de feliz memória, interceda por nós. Ele, que no seu luminoso pontificado soube manter-se fiel à Tradição da Igreja e aos imperativos morais do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, é para nós, ainda nestes nossos dias de grande confusão e relativização dos costumes, modelo de renúncia à mundanidade e às pressões dos que desejam criar uma igreja à imagem e semelhança do homem decaído. Que Deus, Justo e Bom, nos conceda a graça de permanecermos fiéis à vocação do Batismo com que Ele nos regenerou e, pelo poder do Espírito Santo, dê-nos força e coragem para proclamarmos nos telhados e à luz do dia o Evangelho perene e imutável de seu Filho Unigênito, crucificado por causa dos nossos delitos.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.