CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

Que Deus nos “desamarre”!

Necessitamos do toque de Cristo e da virtude interior de sua graça, porque, abandonados às nossas próprias forças, não passamos de corpos encurvados e almas amarradas por Satanás.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc 13,10-17)

Naquele tempo, Jesus estava ensinando numa sinagoga, em dia de sábado. Havia aí uma mulher que, fazia dezoito anos, estava com um espírito que a tornava doente. Era encurvada e incapaz de se endireitar. Vendo-a, Jesus chamou-a e lhe disse: “Mulher, estás livre da tua doença”. Jesus pôs as mãos sobre ela, e imediatamente a mulher se endireitou, e começou a louvar a Deus.

O chefe da sinagoga ficou furioso, porque Jesus tinha feito uma cura em dia de sábado. E, tomando a palavra, começou a dizer à multidão: “Existem seis dias para trabalhar. Vinde, então, nesses dias para serdes curados, não em dia de sábado”.

O Senhor lhe respondeu: “Hipócritas! Cada um de vós não solta do curral o boi ou o jumento, para dar-lhe de beber, mesmo que seja dia de sábado? Esta filha de Abraão, que Satanás amarrou durante dezoito anos, não deveria ser libertada dessa prisão, em dia de sábado?” Esta resposta envergonhou todos os inimigos de Jesus. E a multidão inteira se alegrava com as maravilhas que ele fazia.

No Evangelho de hoje, Jesus cura em dia de sábado uma mulher encurvada. Jesus fez o milagre, um bem para aquela mulher, mostrando que, mesmo em dia de sábado, a lei da caridade é maior do que todas as outras leis e que era necessário desamarrar essa mulher que havia dezoito anos estava ali encurvada por tanto tempo nessa prisão.

Mas esta cura nos leva também a pensar em nós. Sim, porque, quando Jesus faz uma cura, Ele a faz para o bem daquela mulher, mas o faz também para o nosso bem. As ações de Jesus tem essa validade universal. Quando olhou para aquela mulher encurvada, Ele viu a cada um de nós, encurvados, desalentados, tristes, querendo desistir, amarrados naquela tendência de acídia.

Sim, o que é a acídia, mal que acomete a tantos de nós nesses dias? É uma mistura de preguiça com tristeza: nós olhamos para o que Deus quer, e no entanto o consideramos um peso, um fardo. O que Deus quer de mim parece ser “demais”, então sou tomado de tristeza e de preguiça. Quantas pessoas estão amarradas pela acídia como a mulher encurvada, incapaz de olhar para o alto! Jesus quer hoje dirigir a você, meu irmão, minha irmã, uma palavra: “Corações ao alto!”

Vamos lá! Não fique encurvado! Ponha o seu coração para o alto, pense nas coisas do alto, peça a Deus a graça de um impulso de devoção que o leve para a santidade e para as coisas do alto. A tristeza que vem da acídia é causada por colocarmos nossa esperança em coisas caducas, em coisas passageiras. Quem é incapaz de olhar para o alto, fica fixado nas coisas da terra e termina assim, encurvado, capenga, preguiçoso, incapaz de agir. Mas se nós pensarmos nas coisas de Deus, se nós entendermos que precisamos deixar este mundo um dia, pois estamos aqui de passagem, e que existe uma felicidade eterna para nós. Que alegria! Que impulso! Que felicidade! Os santos, para nós, são grandes modelos disso.

Os santos são para nós exemplos de almas que, se um dia foram encurvadas, Deus fez delas almas empertigadas, retas, voltadas para o alto, lépidas, rápidas e devotas, prontas para servir a Deus! A cura da acídia, ou seja, dessa mistura de tristeza e preguiça, é a verdadeira devoção, a virtude da prontidão para servir e amar a Deus.

Peçamos a Deus nosso Senhor que nos desamarre como desamarrou essa mulher. Jesus diz: “Vós, hipócritas, desamarrais o boi ou o jumento em dia de sábado para ele poder se alimentar”. Não deveria Jesus, o Filho de Deus, desamarrar essa mulher em pleno dia de sábado? Não irá Jesus desamarrar as nossas almas, se nós lho pedirmos confiantes? “Senhor, olhai para a minha preguiça e tristeza. Dai-me a verdadeira devoção”, aquela prontidão, aquele coração voltado para o alto, a fim de amar e servir a Deus.

* * *

1. A cura da mulher encurvada. — As circunstâncias de lugar e tempo em que ocorreu este episódio são indicadas pelo evangelista S. Lucas em termos genéricos (v. 10): Erat autem docens in synagoga eorum sabbatis, “Estava Jesus ensinando na sinagoga”, provavelmente em alguma cidade perto de Jerusalém (cf. Lc 9, 51), “em dia de sábado”. Em seguida, acrescenta (v. 11) que “havia ali uma mulher que […] estava com um espírito que a tornava doente”: Et ecce mulier quæ habebat spiritum infirmitatis (gr. πνεῦμα ἀσθενείας), isto é, que era possessa de um espírito de fraqueza, que a tornava encurvada e absolutamente incapaz (lt. nec omnino poterat) de erguer-se. No fim da narrativa (v. 16), o Senhor revela aos judeus que era por obra de Satanás que esta mulher — filha de Abraão, mais valiosa para Deus do que um boi ou um jumento (v. 15; cf. Mt 12, 12) — se encontrava paralisada havia já dezoito anos. Por isso, era conveniente que, mesmo em dia de descanso, ela fosse liberta dessa prisão: Non oportuit solvi a vinculo isto die sabbati?

2. A doutrina espiritual contida no Evangelho de hoje, por sua vez, divide-se em duas partes. — a) De um lado, Jesus ensina claramente, como se depreende das circunstâncias do milagre, que não há hora nem lugar para as obras de caridade. O Filho do Homem, que está acima da Lei por ser o próprio autor da Lei, veio trazer-nos o auxílio interior da graça, pela qual já não somos escravos de preceitos e tradições humanas, mas filhos adotivos de Deus, chamados a expandir generosamente o seu Reino de amor. — b) De outro lado, os milagres de Jesus tinham por finalidade não apenas dar testemunho de sua missão como enviado do Pai e manifestar a grandeza do seu amorosíssimo Coração, mas também simbolizar alguma realidade espiritual.

No caso da mulher encurvada, vemos que, sem o toque da graça de Cristo, estamos amarrados por Satanás. Paralisados para as obras de amor, encontramo-nos absolutamente incapazes de erguer-nos por nós mesmos, isto é, de olhar para Deus e chamá-lo verdadeiramente de Pai. A graça de Cristo, nesse sentido, produz em nós dois efeitos: α) primeiro, confere-nos a filiação divina (pela graça de adoção), pela qual passamos a fazer parte da família de Deus e nos tornamos herdeiros do céu; β) segundo, concede-nos a força interior necessária (por copiosas graças atuais e eficazes) para, livres das cadeias do pecado, pormos em prática os ensinamentos de Cristo. Sem o toque dele, estamos encurvados, espiritualmente astênicos, com os olhos postos na terra, onde temos fixadas nossas vãs esperanças, e o coração entibiado, incapaz de erguer-ser sozinho ao céu: nec omnino poterat sursum respicere (v. 11). — Que o Senhor venha, pois, em nosso socorro, tire-nos da nossa prostração e tibieza e nos lembre sempre que temos um tesouro no Céu: Buscai as coisas lá do alto, onde Cristo está sentado à direita de Deus. Afeiçoai-vos às coisas lá de cima, e não às da terra. 3.Porque estais mortos e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus (Col 3, 1ss).

Texto do episódio
Comentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.