CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

A tristeza dos Apóstolos e a nossa

Assim como os Apóstolos se entristeceram profundamente ao ouvirem o anúncio da morte de Cristo, assim também nós muitas vezes nos deixamos abater pela tristeza e pela preguiça quando consideramos as cruzes e renúncias da vida cristã. Como superar essa tentação?

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
(Mt 17, 22-27)

Naquele tempo, quando Jesus e os seus discípulos estavam reunidos na Galileia, ele lhes disse: “O Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos homens. Eles o matarão, mas no terceiro dia ele ressuscitará”. E os discípulos ficaram muito tristes. Quando chegaram a Cafarnaum, os cobradores do imposto do Templo aproximaram-se de Pedro e perguntaram: “O vosso mestre não paga o imposto do Templo?”

Pedro respondeu: “Sim, paga”. Ao entrar em casa, Jesus adiantou-se, e perguntou: “Simão, que te parece: Os reis da terra cobram impostos ou taxas de quem: dos filhos ou dos estranhos?” Pedro respondeu: “Dos estranhos!” Então Jesus disse: “Logo os filhos são livres. Mas, para não escandalizar essa gente, vai ao mar, lança o anzol, e abre a boca do primeiro peixe que pescares. Ali encontrarás uma moeda; pega então a moeda e vai entregá-la a eles, por mim e por ti”.

a) “Naquele tempo, quando Jesus e os seus discípulos estavam reunidos na Galileia, Ele lhes disse: ‘O Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos homens”. Reitera Cristo a profecia, já declarada em Cesaréia de Filipe (cf. Mt 16, 21), sobre a sua paixão e morte de cruz, para que os discípulos, ao verem-na cumprir-se dali a poucos dias, não se surpreendam ou escandalizem nem percam a fé nele, por julgarem que o Messias não poderia sofrer uma morte tão infame. A cruz, no entanto, foi para os Apóstolos motivo de escândalo, a ponto de todos eles fugirem amedrontados, deixando o Senhor a sós no Calvário. Eis por que Jesus lhes quis pregar uma e outra vez o mistério da cruz, para que soubessem que Cristo quis ser morto e crucificado, não à revelia nem coagido, mas livremente, a fim de obedecer à vontade do Pai e redimir a humanidade. Além disso, quis o Senhor reiterar, pela segunda vez, esta profecia na Galileia, ou seja, após a sua Transfiguração no monte Tabor, depois de ter curado o menino epilético, deixando todos pasmados ante o seu poder (cf. Lc 9, 43), com o fim de moderar o entusiasmo das multidões e evitar que, depois da tão grande milagre, os discípulos insistissem na falsa ideia que tinham do reino temporal do Messias.

b) “‘Eles o matarão, mas no terceiro dia Ele ressuscitará’. E os discípulos ficaram muito tristes”, devido ao anúncio da morte de Cristo, já que não queriam que Ele morresse nem que pela morte lhes fosse arrebatado o seu Senhor. É por isso que, como forma de aliviar a tristeza que já previra nos discípulos, Jesus acrescenta: “mas no terceiro dia Ele ressuscitará”. Os Apóstolos, porém, não entenderam estas palavras nem a promessa de Cristo, pois ainda não eram capazes de as compreender. Eis por que duvidaram por algum tempo da Ressurreição, e foi para lhes dissipar todas as dúvidas que Cristo teve de aparecer a eles várias vezes e mostrar por inúmeros sinais que havia verdadeiramente ressuscitado dos mortos [1].

c) A tristeza dos Apóstolos pode ser vista também como um símbolo da acídia, isto é, da tristeza espiritual que às vezes se abate sobre os fiéis, quando consideram as dificuldades e renúncias que exige a vida cristã: “vai ser entregue”, “o matarão” etc.  Essa tristeza, que leva muita vez ao abandono da oração e afasta dos sacramentos, quando não conduz, em casos extremos, à perda da fé, pode ser remediada de muitas maneiras, mas a de maior efeito é meditar frequentemente sobre o amor de Cristo, que por nós tanto padeceu a fim de nos abrir as portas do céu, e o exemplo dos mesmos Apóstolos, que, de abatidos e tímidos, foram pela graça divina transformados em santos de primeira grandeza. Animados pela caridade de Cristo e edificados pelo testemunho dos santos, poderemos dizer com S. Paulo: “À medida que em nós crescem os sofrimentos de Cristo, crescem também por Cristo as nossas consolações” (2Cor 7, 4), seguros de que “a nossa presente tribulação, momentânea e ligeira, nos proporciona um peso eterno de glória incomensurável” (2Cor 4, 17).

Referências

  1. O texto desta homilia é uma tradução levemente adaptada de Cornélio a Lapide, Commentaria in S. Scripturam. Neapoli, 1857, vol. 8, p. 270.
Material para Download
Texto do episódio
Material para download
Comentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.