CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo 6, 52-59)

Naquele tempo: Começaram, então, os judeus a discutir entre si: “Como é que ele nos pode dar de comer sua carne?” Jesus insistiu: “Eu vos afirmo e esta é a verdade: se não comerdes a carne do Filho do homem e não beberdes seu sangue, não tereis a vida em vós. Quem come minha carne e bebe meu sangue tem a vida eterna e eu o ressuscitarei no último dia. Porque minha carne é verdadeira comida, e o meu sangue é verdadeira bebida. Quem come minha carne e bebe meu sangue permanece em mim e eu nele. Como o Pai, que vive, me enviou e eu vivo para ele, assim quem come a minha carne viverá para mim. Este é o pão descido do céu. Não é igual ao que comeram vossos pais e apesar disso morreram. Quem come deste pão vive para sempre”. Disse isto, ensinando na Sinagoga de Cafarnaum.

Jesus, concluindo hoje o seu sermão eucarístico, diz aos judeus que “se não comerdes a carne do Filho do homem e não beberdes seu sangue, não tereis a vida em vós”. A presença dos termos “carne” e “sangue” na fala de Nosso Senhor é um indício claro e expressivo da natureza sacrificial da Eucaristia. Cristo é verdadeiramente vítima de expiação: de sua carne, macerada até a morte, será separado o sangue da nossa redenção. Isto, por sua vez, nos coloca diante de uma aparente contradição: a vida se adquire perdendo-se. Na cruz, Ele cumpriu até o fim a vontade do Pai, entregando a própria vida para que nós dela participássemos. Cristo, vaso sagrado e repleto até a boca do mais suave perfume, deixou-se quebrar para que o bálsamo de sua graça se espalhasse por todo o mundo. É pois pela morte do Deus feito homem que nós nos tornamos deuses em sua vida imortal. “Minha carne é verdadeira comida, e o meu sangue é verdadeira bebida”, porque o seu sacrifício na cruz é fonte de vida e de alimento: perdendo sua vida biológica em meios às piores dores, Cristo infunde nos que nele crêem a sua própria vida divina, ou seja, a mesma vida que Ele tem com o Pai: “Como o Pai, que vive, me enviou e eu vivo para Ele, assim quem come a minha carne viverá para mim”. Que em nossas comunhões possamos lembrar-nos sempre de que nela nos é comunicada a vida de Nosso Senhor, que não recusou morrer para que os que tanto amou vivessem eternamente.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.