CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

Aproveite a nossa maior promoção do ano!

Descontos regressivos:
quanto antes você assinar, maior o desconto. A partir de 45% na assinatura anual.

  • Descontos diminuem com o tempo;
  • Quanto antes você assinar, maior o desconto;
  • Mais de 40 cursos à sua disposição;
  • Acesso a transmissões exclusivas para alunos;
  • Participação nos sorteios de assinaturas vitalícias (de 14 a 21 de novembro);
Assine agora
  • 38
  • 39
  • 40
  • 41
  • 42
  • 43
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
(Mt 1,18-23)

A origem de Jesus Cristo foi assim: Maria, sua mãe, estava prometida em casamento a José, e, antes de viverem juntos, ela ficou grávida pela ação do Espírito Santo.

José, seu marido, era justo e, não querendo denunciá-la, resolveu abandonar Maria em segredo. Enquanto José pensava nisso, eis que o anjo do Senhor apareceu-lhe, em sonho, e lhe disse: “José, Filho de Davi, não tenhas medo de receber Maria como tua esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, e tu lhe darás o nome de Jesus, pois ele vai salvar o seu povo dos seus pecados”.

Tudo isso aconteceu para se cumprir o que o Senhor havia dito pelo profeta: “Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho. Ele será chamado pelo nome de Emanuel, que significa: Deus está conosco”.

Com alegria celebramos a Festa da Natividade da Bem-aventurada Virgem Maria. Todo filho se alegra e faz festa no aniversário de sua mãe, e nós temos muito mais razão para nos alegrar. Por quê? O da Virgem Maria não é um mero aniversário. Nós, quando nascemos, nascemos escravos e pagãos; a Virgem Maria já nasceu — mais do que isso, já foi concebida — livre e cristã. A graça de Cristo, sim, ante previsa merita, “tendo em vista os méritos da paixão de Jesus”, foi derramada superabundantemente em nossa Mãe Santíssima no momento da sua concepção.

Por isso, a festa maior é a solenidade de 8 de dezembro, a Imaculada Conceição da Virgem Maria. Nós estamos nove meses depois de 8 de dezembro, é o Nascimento de Nossa Senhora, uma festa marcada em função daquela festa maior, que é a Imaculada Conceição. Nossa Mãe foi concebida intacta, ou seja, Satanás jamais pôs suas mãos sobre ela, que nasceu livre; ao passo que nós nascemos escravos. Nossa Mãe, concebida na graça de Cristo, nasceu cristã; nós nascemos pagãos. Por isso, para nós, celebrar o nosso aniversário é coisa de pouca monta — como dizem sarcasticamente os poloneses, aniversários até as vacas têm —, mas aniversário de batismo, isso somente os cristãos.

No entanto, a recordação do nascimento da Virgem Maria não é um aniversário qualquer, não é simplesmente um vir ao mundo. O aniversário da Virgem Maria é o resplandecer de um tesouro que Sant’Ana manteve escondido em seu ventre durante nove meses. Aquela menina foi escolhida e pensada por Deus. Quando Deus pensou e decidiu em sua misericórdia infinita que o Filho eterno iria se encarnar, no mesmo ato de vontade divina, decidiu que Ele viria ao mundo por nossa Mãe, Maria. Nossa Senhora foi escolhida no mesmo ato de vontade que determinou toda a obra salvífica de Cristo; portanto, ela é verdadeiramente a Aurora ou, como se costuma chamá-la, a “Estrela da Manhã”, aquela estrela que surge e desponta no horizonte e anuncia que o Sol já está perto, que o sol da salvação está por vir.

Sim, hoje é festa porque nasce no horizonte a estrela, nossa esperança: “Ave maris stella”, “Ave, estrela do mar”, que é uma das interpretações para o nome de Maria. “Ave, estrela”, estrela da aurora, estrela que diz: “Deus teve misericórdia deste mundo e nos traz o Salvador”. É festa pela estrela que desponta e se manifesta! Nossa salvação veio nos visitar!

Texto do episódio
Comentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.