CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

1124. “Eu não posso fazer nada por mim mesmo”

Tanto para Cristo, enquanto homem, quanto para nós, que não passamos de simples homens, tudo o que se pode fazer é devido à graça de Deus. É ela que precede, excita e ajuda; é ela que auxilia, acompanha e termina; é por ela que tudo fazemos do que fazemos de bom, e é por ela que são boas aos olhos de Deus as obras que Ele nos...

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo 5, 17-30)

Naquele tempo, Jesus respondeu aos judeus: “Meu Pai trabalha sempre, portanto também eu trabalho”. Então, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque, além de violar o sábado, chamava Deus o seu Pai, fazendo-se, assim, igual a Deus.

Tomando a palavra, Jesus disse aos judeus: “Em verdade, em verdade vos digo, o Filho não pode fazer nada por si mesmo; ele faz apenas o que vê o Pai fazer. O que o Pai faz, o Filho o faz também. O Pai ama o Filho e lhe mostra tudo o que ele mesmo faz. E lhe mostrará obras maiores ainda, de modo que ficareis admirados.

Assim como o Pai ressuscita os mortos e lhes dá a vida, o Filho também dá a vida a quem ele quer. De fato, o Pai não julga ninguém, mas ele deu ao Filho o poder de julgar, para que todos honrem o Filho, assim como honram o Pai. Quem não honra o Filho, também não honra o Pai que o enviou.

Em verdade, em verdade vos digo, quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou, possui a vida eterna. Não será condenado, pois já passou da morte para a vida. Em verdade, em verdade, eu vos digo: está chegando a hora, e já chegou, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus e os que a ouvirem viverão. Porque, assim como o Pai possui a vida em si mesmo, do mesmo modo concedeu ao Filho possuir a vida em si mesmo. Além disso, deu-lhe o poder de julgar, pois ele é o Filho do Homem. Não fiqueis admirados com isso, porque vai chegar a hora em que todos os que estão nos túmulos ouvirão a voz do Filho e sairão: aqueles que fizeram o bem, ressuscitarão para a vida; e aqueles que praticaram o mal, para a condenação.

Eu não posso fazer nada por mim mesmo. Eu julgo conforme o que escuto, e meu julgamento é justo, porque não procuro fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou.

Ontem, Jesus curou um paralítico; em seguida, os fariseus começaram a repreendê-lo por tê-lo feito em dia de sábado; hoje, o Senhor lhes responde, dizendo: “Meu Pai trabalha sempre, portanto também eu trabalho”. Ontem, víamos a necessidade de sairmos da inação e pormos mãos à obra a fim de sermos salvos; hoje, Jesus nos mostra que espírito deve animar os nossos esforços, ao dizer de si mesmo, enquanto homem: “Eu não posso fazer nada por mim mesmo […], porque não procuro fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou”. E se a humanidade de Cristo nada podia sem Deus, que poderemos nós? Porque, como Ele dirá na Última Ceia, “quem permanecer em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer” (Jo 15, 5). Que querem dizer esses dois nadas, o nada de Cristo com respeito ao Pai, e o nosso nada com respeito a Cristo? São dois nadas, mas uma é a resposta: tanto para Cristo, enquanto homem, quanto para nós, que não passamos de simples homens, tudo o que se pode fazer é devido à graça de Deus. É ela que precede, excita e ajuda; é ela que auxilia, acompanha e termina; é por ela que tudo fazemos do que fazemos de bom, e é por ela que são boas aos olhos de Deus as obras que Ele nos concede realizar. A diferença é que Cristo recebeu tal cúmulo de graça, que se tornou Ele mesmo fonte da graça, ao passo que nós recebemos dele, e somente dele, graça sobre graça (cf. Jo 1, 16), segundo a medida que ao Espírito Santo aprouve distribuir-nos. Disto se segue que, por sua abundância de graça, Cristo não poderia estar mais unido a Deus: a sua plenitude era e é infinita em toda linha, incapaz de ser aperfeiçoada; nós, ao contrário, podemos sempre ser mais agraciados e estar cada vez mais unidos a Deus, através da humanidade de Nosso Senhor. Com efeito, deu o Pai ao seu Unigênito uma humanidade sacrossanta, que nada poderia fazer sem a graça, para que nós, que já nada podemos sem Deus, em tudo passássemos a depender desta humanidade, já que é por meio dela, cheia de graça e de verdade (cf. Jo 1, 14), que de agora em diante nos desce do céu “toda dádiva boa e todo dom perfeito” (Tg 1, 17). Que saibamos cultivar uma intensa devoção à divina-humanidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, instrumento de nossa redenção, meio de união com Deus e penhor da nossa glorificação futura.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.