CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

1126. Será que conhecemos mesmo a Deus?

Precisamos dar o braço a torcer e reconhecer que não conhecemos a Deus, porque a ideia que dele nos formamos, na maioria das vezes, não passa de um ídolo, uma falsificação grosseira com que pretendemos limitá-lo às nossas expectativas e desejos mais chãos.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo 7, 1-2.10.25-30)

Naquele tempo, Jesus andava percorrendo a Galileia. Evitava andar pela Judeia, porque os judeus procuravam matá-lo. Entretanto, aproximava-se a festa judaica das Tendas. Quando seus irmãos já tinham subido, então também ele subiu para a festa, não publicamente mas sim como que às escondidas. Alguns habitantes de Jerusalém disseram então: “Não é este a quem procuram matar? Eis que fala em público e nada lhe dizem. Será que, na verdade, as autoridades reconheceram que ele é o Messias? Mas este, nós sabemos donde é. O Cristo, quando vier, ninguém saberá donde ele é”.

Em alta voz, Jesus ensinava no Templo, dizendo: “Vós me conheceis e sabeis de onde sou; eu não vim por mim mesmo, mas o que me enviou é fidedigno. A esse, não o conheceis, mas eu o conheço, porque venho da parte dele, e ele foi quem me enviou”. Então, queriam prendê-lo, mas ninguém pôs a mão nele, porque ainda não tinha chegado a sua hora.

No Evangelho de hoje, Jesus entra em controvérsia com alguns judeus, entre os quais havia parentes seus de Nazaré, a respeito de sua identidade messiânica, pois muitos afirmavam conhecê-lo, por saberem de onde Ele era; e se sabem a sua origem — concluem entre si —, segue-se que Ele não pode ser o Messias, pois “o Cristo, quando vier, ninguém saberá donde ele é”. Portanto, Jesus dá todos os sinais de não corresponder à imagem de Messias que muitos em Israel se haviam formado: esperavam um Cristo forte, e Jesus se apresenta fraco; queriam um Cristo rico, e o Senhor não passa de um carpinteiro pobre; aspiravam a Cristo político, e Jesus insiste em que o seu Reino não é deste mundo. Mas que não reconheçam em Jesus o Cristo enviado por Deus se deve não apenas aos preconceitos que se tinham imposto, por interpretarem mal e parcialmente as Escrituras, mas também a uma falta de fé que se mascara de “conhecimento” e “piedade”: “O que me enviou é fidedigno. A esse, não o conheceis; mas eu, sim, o conheço”. Porque, com efeito, são muitos que dizem crer em Deus, mas o que têm na verdade é um ídolo, modelado à imagem e semelhança de cada qual: para um, que faz pouco caso do pecado, é um Senhor que perdoa sempre e a ninguém jamais castiga; para outro, que se compraz em remoer os próprios escrúpulos, é um Rei implacável que a ninguém salva e a todos condena; para este, é espécie de gênio mágico cuja razão de ser é fazer nossas vontades; para aquele, enfim, é uma simples ideia, que não tem outro interesse além de ser objeto de estudo e especulação. No entanto, “vós não conheceis a Deus”, diz Jesus, “mas eu, sim, o conheço, porque venho da parte dele, e Ele foi quem me enviou”. E, por não o conhecermos, pretendemos limitá-lo aos nossos conceitos e esperamos que Ele atue segundo a nossa medida, sem admitir que Ele tem todo o direito de nos desconcertar, fazendo a sua, e não a nossa vontade; visitando-nos, não pela fortuna e a saúde, mas pela penúria e a doença; mostrando-nos que o que lhe agrada não são os triunfos e glórias humanas, mas a humildade e a simplicidade de coração. Que este tempo de Quaresma seja para nós um tempo de verdadeira conversão. Abandonemos de uma vez para sempre os falsos ídolos que nos formamos e aos que temos servido como se fôram o Deus verdadeiro, e deixemos que este, que se quis revelar em e por meio de Jesus Cristo, ocupe o reinado que lhe é devido por direito em nossa vida: “Vós não conheceis a Deus; mas eu, sim, o conheço, porque venho da parte dele, e Ele foi quem me enviou”.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.