CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
(Mc 16, 1-7)

Quando passou o sábado, Maria Madalena e Maria, a mãe de Tiago, e Salomé, compraram perfumes para ungir o corpo de Jesus. E bem cedo, no primeiro dia da semana, ao nascer do sol, elas foram ao túmulo.

E diziam entre si: “Quem rolará para nós a pedra da entrada do túmulo?”

Era uma pedra muito grande. Mas, quando olharam, viram que a pedra já tinha sido retirada. Entraram, então, no túmulo e viram um jovem, sentado ao lado direito, vestido de branco.

Mas o jovem lhes disse: “Não vos assusteis! Vós procurais Jesus de Nazaré, que foi crucificado? Ele ressuscitou. Não está aqui. Vede o lugar onde o puseram. Ide, dizei a seus discípulos e a Pedro que ele irá à vossa frente, na Galileia. Lá vós o vereis, como ele mesmo tinha dito”.

Os anjos anunciam a Ressurreição [1].Ponto 1. — “Como estivessem amedrontadas e voltassem o rosto para o chão, disseram-lhes eles: ‘Por que buscais entre os mortos aquele que está vivo?’” (Lc 24, 5). São dignas de ser repreendidas, por não crerem no testemunho dos anjos. É por isso que, embora alegres, correm amedrontadas, isto é, felizes por tudo o que tinham visto, mas com medo de que talvez não seja verdade. É a mesma contradição que experimentam aqueles que, movidos embora por piedosos afetos de credulidade, não chegam a dar o passo da fé, por pensarem ser demasiado bom para ser verdade que Deus, feito homem, morra e ressuscite, só para que nós, criaturas dignas de morte, vivamos para sempre e com Ele ressuscitemos. E no entanto é verdade: “Alegrai-vos! Não tenhais medo”. É verdadeira a nossa fé, são fundadas as nossas esperanças, é certa a nossa vitória, se crermos profundamente em quem por nós tanto trabalhou e sofreu, só para nos alegrar com a boa-nova desta noite: “Lá vós o verei”  (Mc 16, 7).

Ponto 2. — “Ele ressuscitou. Não está aqui” (Mc 16, 6). Antes de saírem às pressas, deram-lhes os anjos um sinal inequívoco da ressurreição: “Não está aqui”. Com este argumento se prova também a nossa ressurreição espiritual. É como se nossa própria concupiscência, não um anjo veraz, fora forçada a dizer-nos hoje: “Não estais mais sepultados aqui nesta imperfeição, neste mau afeto, nesta imperfeição, nesta frouxidão de espírito”. Alegra-te, se é esta a tua condição; do contrário, esforça-te para que seja, pois não te faltam as graças daquele que, para não morreres, desceu aos infernos, e, para viveres, tornou glorioso à vida: “Não está aqui, mas ressuscitou” (Lc 24, 6).

Ponto 3. — “Ide depressa e dizei aos discípulos que Ele ressuscitou dos mortos” (Mt 28, 7). Em nome de Cristo dão os anjos esta ordem às mulheres. Não mereciam os Apóstolos, contudo, receber tão grata notícia, já que o tinham abandonado covardemente. Cristo porém olha mais para os extremos do seu próprio amor que para as exigências do nosso mérito, amando até os que o não merecem. Que isto nos sirva hoje também de consolo, a nós, que somos tão indignos do amor de Nosso Senhor: “Não entreis em juízo com o vosso servo” (Sl 142, 2), mas “tende piedade de mim, Senhor, segundo a vossa bondade” (Sl 50, 3).

Referências

  1. Tradução adaptada de Nicolaus von Avancini, Vita et doctrina Jesu Christi, apud Joannem Blaeu, & viduam Alex. Harttung, 1673, p. 188. O ponto n. 1, totalmente adaptado, é de autoria da equipe CNP.
Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.