Evangelizar sem respeito humano!
CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc 5,1-11)

Naquele tempo, Jesus estava na margem do lago de Genesaré, e a multidão apertava-se a seu redor para ouvir a palavra de Deus. Jesus viu duas barcas paradas na margem do lago. Os pescadores haviam desembarcado e lavavam as redes. Subindo numa das barcas, que era de Simão, pediu que se afastasse um pouco da margem. Depois sentou-se e, da barca, ensinava as multidões.

Quando acabou de falar, disse a Simão: “Avança para águas mais profundas, e lançai vossas redes para a pesca”. Simão respondeu: “Mestre, nós trabalhamos a noite inteira e nada pescamos. Mas, em atenção à tua palavra, vou lançar as redes”. Assim fizeram, e apanharam tamanha quantidade de peixes que as redes se rompiam. Então fizeram sinal aos companheiros da outra barca, para que viessem ajudá-los. Eles vieram, e encheram as duas barcas, a ponto de quase afundarem.

Ao ver aquilo, Simão Pedro atirou-se aos pés de Jesus, dizendo: “Senhor, afasta-te de mim, porque sou um pecador!” É que o espanto se apoderara de Simão e de todos os seus companheiros, por causa da pesca que acabavam de fazer. Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram sócios de Simão, também ficaram espantados. Jesus, porém, disse a Simão: “Não tenhas medo! De hoje em diante tu serás pescador de homens”. Então levaram as barcas para a margem, deixaram tudo e seguiram a Jesus.

I. Reflexão

No Evangelho de hoje, vemos a vocação dos primeiros discípulos e, em particular, do primeiro dos Apóstolos: Simão Pedro. No Evangelho de ontem, vimos a cura da sogra de Pedro, mas é interessante notar que, até agora, São Lucas não falara sobre ele, ao menos de forma direta. De repente, como que do nada, o evangelista começa a falar de Pedro, supondo tratar-se de um personagem já conhecido de todos (de fato, Pedro tornou-se famoso na Igreja já nos primeiros tempos, ainda durante a pregação dos Apóstolos). Hoje, São Lucas apresenta com detalhes a vocação de Simão. Nos outros evangelhos, Jesus passa à margem do lago e diz: “Vem e segue-me”, então os discípulos deixam tudo para o seguir. São Lucas dá as circunstâncias deste chamado.

Tudo começa com uma multidão. Havia gente demais querendo ouvir a Palavra de Deus, por isso Jesus sobe a uma das barcas, que era a de Simão Pedro, e, sentado, começa a pregar dali. (A razão desse procedimento, como todos sabem, é o fenômeno de concha acústica que se forma no lago de Genesaré, cujas margens estão um pouco acima do nível da água. É por isso que os pescadores, ainda ao largo, podem gritar aos que estão na margem e ser ouvidos sem dificuldade.) Pois bem, Jesus, sentado na barca, usa desse recurso acústico como uma espécie de alto-falante natural para se fazer ouvir pela multidão. Terminada a pregação, ouvimos no versículo 4 a famosa frase de Jesus a São Pedro: Ascende superius, ou seja, “Vai para alto-mar e joga as redes para pescar”. João Paulo II referiu-se uma vez a estas palavras — um convite de Cristo a que Pedro fosse pescar em águas mais profundas — para expressar o nosso dever de ir mais longe na evangelização, isto é, de nos aventurar em pescarias maiores, sem nunca nos contentarmos com o rebanho que já está no redil.

Mas essa pesca de São Pedro é interessante, além disso, por nos dar um sinal claro da intervenção divina que assiste e torna eficaz o apostolado cristão. Pescador experiente, São Pedro diz a Jesus mais ou menos o seguinte: “O Senhor é um bom pregador, mas quem entende de pesca aqui somos nós. Passamos a noite toda no mar, quando o tempo é mais propício, e não apanhamos nada. Não será agora, em plena luz do dia, com o tumulto dessa gente toda a espantar os peixes, que iremos apanhar algo”; mas, como que mordendo a língua, ele corrige-se: “No entanto, em atenção à tua palavra [τῷ ῥήματί σου, isto é, ao teu falar, à tua ordem], laçarei as redes”, como se dissesse: “Mas quem sou eu para desobedecer a uma palavra tua!” Pedro obedece a uma ordem de Cristo que, na sua mentalidade humana e de pescador, lhe parecia irracional. No entanto, Jesus mostra como a graça opera, e então acontece a pesca milagrosa.

Isso serve para nós ainda hoje. Quantas pessoas deixam de lançar as redes, isto é, de pregar o Evangelho para converter os outros porque já se sentem derrotadas e vencidas diante das dificuldades de converter o homem moderno. Têm medo de ser tachadas de medievais, obscurantistas, irracionais, supersticiosas etc., por isso preferem deixar de lado os assuntos mais incômodos — e também os mais importantes —, para falar de amenidades, como se o mundo fosse converter-se, sim ou sim, daqui quem sabe 500 anos, vendo cristãos tão “normais” e mundanos como qualquer um… É preciso superar essa tentação de covardia e respeito humano para se abrir à experiência da graça, que é o que converte realmente os corações. Por causa de nossa prudência carnal, preferimos evitar o que diz respeito aos ensinamentos de fé e moral da Igreja. Temos medo de ser rejeitados, e assim não damos espaço para que Deus, o verdadeiro protagonista, faça acontecer o inopinado, o fantástico, o que parece fugir à lógica dos homens. “Não, não vou falar de tal ou qual assunto”, pensamos, “senão o pessoal vai me rejeitar. Há certos temas intocáveis. Vou dizer o que às pessoas? Que tenham muitos filhos? Que usar camisinha é pecado? Misericórdia! Se disser isso, vão me fuzilar!”

Mas quando nos atrevemos a dizê-lo, apesar do medo, não é tão incomum que vejamos o fruto do que Deus mesmo plantou: “Padre, foi uma libertação! Obrigado, padre, por ter pregado o Evangelho da vida. Padre, nós deixamos os anticoncepcionais. Padre, minha mulher desfez a laqueadura” etc. etc. Eu mesmo, no início do meu sacerdócio, cedi muitas vezes à prudência humana, pensando comigo que não deveria tocar em certos assuntos; mas depois, quando a passei a falar deles sem receios, constatei no confessionário e em atendimentos que, no fundo, a “provocação” dá fruto: a graça age e converte os corações que ajudamos a despertar do pecado. Só quem se arrisca, obedecendo à palavra de Cristo, ainda que ela não pareça fazer muito sentido, vê acontecer o milagre da graça. O Evangelho de hoje nos motiva a lançar a rede em águas mais profundas. Confiemos na ação da graça, e não em nossos talentos retóricos ou argumentativos. Somos simples instrumentos, frágeis e inúteis, dos quais porém Deus quer servir-se para realizar sua obra. Não se trata aqui de criar briga com todo o mundo nem de enfrentar os outros de forma irracional e imprudente. Trata-se de ter coragem, de ser ousado. Para isso, é necessário pedir força e luzes ao Espírito Santo. Que o Paráclito nos faça ouvir e atender à palavra que o Senhor nos dirige hoje: Avança para águas mais profundas, e lançai vossas redes para a pesca.

II. Comentário exegético

Argumento. — Descrito em termos gerais o ministério galilaico, Mt. e Mc. narram logo em seguida a vocação dos quatro primeiros discípulos. Jesus os encontra a pescar no lago e convida-os dois a dois a que o sigam; os chamados obedecem prontamente. 

Explicação do texto. — V. 1ss. Um dia, comprimindo-se as turbas em volta de Jesus para ouvir a palavra de Deus, estava ele junto do lago de Genesaré. Como estivessem estacionadas à borda do lago duas barcas de pescadores, que, após trabalhar, lavavam e recolhiam as redes na praia (cf. Mt 4,21; Mc 1,19), entrando Jesus numa delas, que era a de Simão, rogou-lhe que se afastasse um pouco da terra para, como de costume, ensinar dali as multidões.

V. 4-7. Quando acabou de falar, querendo com um milagre converter em discípulos a Pedro e seus companheiros [1], disse a Simão: Faz-te ao largo do mar, ou mais longe da terra, onde os peixes costumam habitar, e lançai as vossas redes para pescar. Simão Pedro, embora soubesse ser melhor para a pesca o período noturno e não tivesse capturado nada na noite anterior, confiando porém na palavra do Senhor, i.e. para fazer a vontade de Cristo, lançou a rede, e apanharam uma multidão copiosa de peixes, de modo que as redes se rompiam (διερρήσσετο, imperfeito incoativo) e as duas barcas, repletas de peixes até a boca, começavam já a afundar (βυθίζεσθαι, infinitivo incoativo).

V. 8-11. Os discípulos espantaram-se tanto com a grandeza do milagre, que Pedro, lançando-se aos pés de Jesus, exclamou: Retira-te de mim (i.e. afasta-te), pois eu sou um homem pecador. São palavras, não de quem receia algum mal da parte de Cristo, como quer Eutímio, mas de quem reconhece espontaneamente a própria indignidade. Por isso o Senhor o animou prevendo-lhe seu futuro ofício: Não tenhas medo (μὴ φοβοῦ = lit., depõe o medo); desta hora em diante serás pescador (lt. capiens, gr. ζωγρῶν) de homens. O verbo em gr., composto de ζῶς (vivo) e ἀγρέω (capturar, tomar) sugere aqui a ideia de capturar os homens para conservá-los vivos, i.e. na graça para a vida eterna.

Pedro e seus companheiros, obedecendo à palavra de Cristo, trazidas as barcas para terra, deixando tudo, seguiram-no. Mt. e Mc. notam que os dois Zebedeus, para seguir Jesus, deixaram o pai na barca com os jornaleiros (cf. Mc 1,20).

ESCÓLIO. I. Natureza e finalidade do milagre. — É improvável, como opinam alguns, que os peixes tenham sido criados por Deus naquele momento, apenas para a pesca milagrosa; basta dizer que foram conduzidos até ali pela virtude divina, ou simplesmente que Cristo mandou lançar as redes onde sabia, por ciência sobrenatural, haver algum cardume. — Seja como for, a finalidade é dupla: uma apologética (manifestar a divindade de Cristo), outra simbólica (descrever de modo figurado o múnus apostólico). “Ao mesmo gênero de ofício, mas de forma mais excelente, são chamados [os Apóstolos]; mudam-se as redes em doutrina, o desejo de lucro em amor à salvação das almas. O mar torna-se terra; a barca, Igreja; os peixes, homens bons e maus, que erram dispersos na terra quais peixes em vasto e confuso mar. De tais pescadores disse Jeremias (16,16): Eis que mandarei muitos pescadores, diz o Senhor, e eles os pescarão” (de Bruges).

II. “As palavras de Cristo eu vos farei pescadores de homens foram representadas de múltiplas maneiras na antiguidade cristã, tanto em igrejas e batistérios como em vasos sagrados. Daí que o peixe tenha-se tornado símbolo dos fiéis, que, pescados pelos Apóstolos, foram salvos do mar da malícia mundana e regenerados pelas ondas do batismo. Já Tertuliano dizia: “Nós, peixinhos conformes ao nosso ἰχθύν, Jesus Cristo, nascemos na água, e não podemos ser salvos de outro modo que permanecendo na água” (de bapt. 1). “No hino que se lê ao final do Pedagogo de Clemente de Alexandria, o próprio Salvador é chamado pescador de homens, que com a vara da docilidade captura peixes do mar da malícia, das ondas hostis etc. Eis por que a pregação do Evangelho é frequentemente representada pelo símbolo da pescaria” (Knabenbauer, in Matth. I 218).

III. Daqui também nasceu entre os Santos Padres, escritores e antigos cultores da arte cristã o costume de designar a Igreja pela metáfora da barca (de Pedro, em particular).

IV. É evidente por todo o teor das narrações que a vocação dos discípulos nos sinóticos não é a mesma que se lê em Jo 1,35ss. Mas não se pode dizer, como não raro afirmam católicos mais liberais, que se trataria de uma retratação ou reelaboração do mesmo acontecimento feita pela tradição ou pelos próprios evangelistas. Com efeito, que Jesus já conhecesse antes aqueles que chamou, conclui-se do fato de que, ao primeiro chamado dele, os futuros discípulos deixaram sem qualquer relutância tudo para o seguir, o que ninguém, a não ser um insensato, faria ao chamado de um completo desconhecido. A razão da segunda vocação é exposta assim por Santo Agostinho: “Deve-se compreender que eles não se encontraram com o Senhor àquela altura [i.e. no primeiro chamado], junto do Jordão, para dali em diante o seguirem inseparavelmente, senão que apenas ficaram sabendo quem ele era e, tendo-o admirado, voltaram aos próprios assuntos” (De cons. Evv. ii 37: M 34,1095).

Referências

  1. Os termos aqui empregados por Lc. (κοινωνοί, μέτοχοι) provariam que Pedro, André, Tiago e João formavam uma verdadeira sociedade de pescadores, cujo chefe era Pedro. De fato, papiros egípcios mostram claramente que já havia na época verdadeiras sociedades de trabalhadores. Cf. William, La vida de Jesús…, p. 167ss.
Texto do episódioComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.