CNP
Christo Nihil Praeponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo 2, 13-22)

Estava próxima a Páscoa dos judeus e Jesus subiu a Jerusalém. No Templo, encontrou os vendedores de bois, ovelhas e pombas e os cambistas que estavam aí sentados. Fez então um chicote de cordas e expulsou todos do Templo, junto com as ovelhas e os bois; espalhou as moedas e derrubou as mesas dos cambistas. E disse aos que vendiam pombas: “Tirai isto daqui! Não façais da casa de meu Pai uma casa de comércio!” Seus discípulos lembraram-se, mais tarde, que a Escritura diz: “O zelo por tua casa me consumirá”. Então os judeus perguntaram a Jesus: “Que sinal nos mostras para agir assim?” Ele respondeu: “Destruí este Templo, e em três dias o levantarei”. Os judeus disseram: “Quarenta e seis anos foram precisos para a construção deste santuário e tu o levantarás em três dias?” Mas Jesus estava falando do Templo do seu corpo. Quando Jesus ressuscitou, os discípulos lembraram-se do que ele tinha dito e acreditaram na Escritura e na palavra dele.

Celebramos hoje a festa da dedicação da Basílica de São João de Latrão, fundada na época de Constantino pouco tempo após o término das últimas perseguições ao cristianismo. No lugar que hoje ocupa a Arquibasílica havia antigamente uma típica basílica pagã, um amplo espaço aberto ladeado de altas colunas em que o povo romano se reunía para realizar as mais distintas atividades, desde a celebração de contratos até a resolução de conflitos judiciais. Uma vez convertido à fé, o imperador Constantino cedeu o espaço ao então bispo de Roma, o papa S. Silvestre, para que ele ali residisse e celebrasse o culto católico. O que antes era um espaço público e aberto converteu-se em um templo fechado, cuja configuração se tornaria canônica para a construção de outras basílicas, com uma grande nave central e o transepto, formando com ela a imagem de uma cruz. Os cristãos santificaram assim o que antes era profano e mundano e, ao erguerem as paredes da que seria a mãe de todas as igrejas, significaram que o verdadeiro culto a Deus nasce do interior e da intimidade do coração: se devemos adorá-lo publicamente, devemos também servi-lo e amá-lo em nossa própria vida privada, a fim de que o culto público que lhe rendemos seja expressão de uma vivência sincera da fé. Que o papa S. Silvestre e todos os mártires de Roma intercedam por nós e nos ajudem a viver a nossa vocação a sermos templos vivos de Deus, que habita como em seu palácio naqueles que, tendo recebido o dom da sua graça, permanecem no seu amor e na sua amizade.

Download do Material
Texto do episódioDownload do áudio e textoComentários

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.