CNP
Christo Nihil Praeponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

639. Festa da Exaltação da Santa Cruz

Vemos na Cruz duas realidades contrastantes. De um lado, o crime nefando do deicídio; de outro, a caridade infinita com que o Pai, entregando-nos o seu Filho unigênito, quis libertar-nos do pecado. E é este último mistério o que veneramos hoje.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo
3, 13-17)

Naquele tempo, disse Jesus a Nicodemos: "Ninguém subiu ao céu, a não ser aquele que desceu do céu, o Filho do Homem. Do mesmo modo como Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que o Filho do Homem seja levantado, para que todos os que nele crerem tenham a vida eterna.

Pois Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que não morra todo o que nele crer, mas tenha a vida eterna. De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele".

Celebramos hoje a Festa da Exaltação da Santa Cruz. Por isso, precisamos ter em mente, antes de tudo, que na Cruz de Cristo estão presentes duas realidades, das quais só uma constitui o objeto próprio dessa comemoração. Por um lado, o que vemos na Cruz do Senhor é um crime terrível, o crime do deicídio, perpetrado por aqueles judeus furiosos — e com eles toda a humanidade pecadora — que há dois mil anos fizeram de tudo para calar a Palavra encarnada. Este mistério tremendo, é claro, não é nem poderia ser o que a Igreja hoje venera e festeja. Sucede, porém, que Deus dispôs em sua sapientíssima Providência que do maior pecado que poderíamos cometer, o ignominioso assassinato de seu Filho bem-amado, viria a maior de todas as bênçãos: a salvação e as graças superabundantes que escorrem, como seiva de vida, das chagas gloriosas do Redentor. Daí, pois, que na Cruz de Cristo tenhamos, por outro lado, a expressão de um amor infinito.

É nas palavras da consagração eucarística, pronunciadas pelo Senhor na ceia de sua última Páscoa, que o mistério da Cruz é expresso com clareza: "Tomai e comei, isto é o meu corpo [...] Bebei dele", do cálice da Nova e eterna Aliança, "porque isto é o meu sangue [...], derramado por muitos homens em remissão dos pecados" (Mt 26, 27s). Com efeito, Deus "amou tanto o mundo", diz-nos hoje o evangelista São João, "que deu o seu Filho unigênito, para que não morra todo o que nele crer, mas tenha a vida eterna". Ora, se é o amor de Cristo, presente agora de forma incruenta na Missa, o que veneramos e exaltamos ao, prostrados em adoração, festejarmos sua Santa Cruz, então é claro que não podemos voltar criminosamente a crucificá-lO em nosso coração, fazendo-nos escravos do pecado, do qual Ele nos veio libertar. Com a alma transbordante de alegria por nos sabermos amados com tão grande amor, façamos o firme propósito de evitar por todos os meios o pecado, que levou Nosso amantíssimo Senhor a pregar-se num madeiro, a fim de que, entre dores lancinantes, brotassem de suas chagas as delícias de caridade que gozaremos em plenitude no Reino que Ele mesmo nos franqueou.

Download do Material
Texto do episódioDownload do áudio e textoComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.