CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

Memória de São Pio de Pietrelcina, Presbítero

Por meio do Padre Pio, em cujas chagas vemos participada a Paixão de Cristo, Deus quis lembrar à Igreja, poucos antes de rebentar a maior crise de identidade do clero, em que consiste ser sacerdote: oferente e vítima, celebrante e hóstia.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc 9, 1-6)

Naquele tempo, Jesus convocou os Doze, deu-lhes poder e autoridade sobre todos os demônios e para curar doenças, e enviou-os a proclamar o Reino de Deus e a curar os enfermos. E disse-lhes: “Não leveis nada para o caminho: nem cajado nem sacola nem pão nem dinheiro nem mesmo duas túnicas. Em qualquer casa onde entrardes, ficai aí; e daí é que partireis de novo. Todos aqueles que não vos acolherem, ao sairdes daquela cidade, sacudi a poeira dos vossos pés, como protesto contra eles”. 6Os discípulos partiram e percorriam os povoados, anunciando a Boa Nova e fazendo curas em todos os lugares.

Celebramos hoje a memória do S. Padre Pio de Pietrelcina, o único sacerdote da história da Igreja que recebeu os estigmas de Nosso Senhor. Esse detalhe, que pode parecer de somenos, tem no entanto um importante significado: por meio do Padre Pio, Deus quis lembrar à Igreja, poucos anos antes de rebentar uma das maiores crises de identidade do clero, em que consiste o sacerdócio católico. Nas chagas do Padre Pio, com efeito, vemos encarnada a vocação a que todo padre é chamado: ser, por e com Jesus Cristo, não só oferente, mas vítima; não só celebrante, mas hóstia. Um padre não é nem deve ser “animador de festa” ou simples “dirigente da comunidade”, mas um homem, escolhido dentre muitos, para configurar-se ao Senhor, isto é, para realizar em si mesmo, pelo cumprimento dos encargos próprios do seu estado, o mistério pascal de Cristo. É a vida do Padre Pio uma prova cabal disso, já que em seus mais de 50 anos de padre ele não fez outra coisa senão as que todo sacerdote tem de fazer, por serem as notas constitutivas da sua identidade: por um lado, oferecer-se a Deus, unido à Paixão de Cristo, por toda sorte de sacrifícios espirituais e corporais (Missa, oração, jejuns, penitência etc.); por outro, sentar-se longamente no tribunal da Penitência, para que o maior número possível de almas tenha a chance de receber o perdão de Nosso Senhor. É em torno a esses dois eixos que a vida de todo sacerdote, se não quer perder sentido, deve girar: sem eles, a sua vocação se esvazia e se tornarão ineficazes os seus melhores esforços apostólicos. — Que, pela intercessão do Padre Pio, possa a Igreja superar, vitoriosa, a crise moral e espiritual que se abate hoje sobre o clero, e nós, como povo fiel, não deixemos de rezar e nos sacrificar para que os pastores a quem Deus nos confiou se santifiquem continuamente e se tornem, como devem ser, valentes defensores da fé, zelosos custódios da moral, vítimas de agradável odor ao Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, a quem seja dada honra e glória pelos séculos dos séculos. Amém.

Recomendações

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.