CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

Memória de São Tomás Becket

Martirizado por sua fidelidade aos direitos da Igreja, São Tomás Becket testemunhou até o derramamento do sangue que o bem das almas não pode, em hipótese alguma, capitular diante dos interesses temporais dos poderosos deste mundo.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc 2, 22-35)

Quando se completaram os dias para a purificação da mãe e do filho, conforme a Lei de Moisés, Maria e José levaram Jesus a Jerusalém, a fim de apresentá-lo ao Senhor. Conforme está escrito na Lei do Senhor: “Todo primogênito do sexo masculino deve ser consagrado ao Senhor”. Foram também oferecer o sacrifício – um par de rolas ou dois pombinhos – como está ordenado na Lei do Senhor. Em Jerusalém, havia um homem chamado Simeão, o qual era justo e piedoso, e esperava a consolação do povo de Israel. O Espírito Santo estava com ele e lhe havia anunciado que não morreria antes de ver o Messias que vem do Senhor.

Movido pelo Espírito, Simeão veio ao Templo. Quando os pais trouxeram o menino Jesus para cumprir o que a Lei ordenava, Simeão tomou o menino nos braços e bendisse a Deus: “Agora, Senhor, conforme a tua promessa, podes deixar teu servo partir em paz; porque meus olhos viram a tua salvação, que preparaste diante de todos os povos: luz para iluminar as nações e glória do teu povo Israel”.

O pai e a mãe de Jesus estavam admirados com o que diziam a respeito dele. Simeão os abençoou e disse a Maria, a mãe de Jesus: “Este menino vai ser causa tanto de queda como de reerguimento para muitos em Israel. Ele será um sinal de contradição. Assim serão revelados os pensamentos de muitos corações. Quanto a ti, uma espada te traspassará a alma”.

No dia de hoje, há 850 anos, era martirizado o grande arcebispo S. Tomás Becket. Becket fora um rapaz extraordinário, de grande virtude e inteligência. Desde a tenra infância foi educado como bom católico. Era, já em menino, de uma pureza extrema e de inteligência e talento extraordinários. O então arcebispo de Cantuária, Teobaldo, viu os potenciais do menino e o estimulou a dedicar-se aos estudos. Becket estudou filosofia, teologia, direito, e todo esse talento acabou chegando aos ouvidos do rei, Henrique II, que o nomeou chanceler (isto é, o braço direito do rei no governo da Inglaterra), embora Becket fosse apenas diácono com o título de arcediago. Becket, assim, começou a participar da vida da corte, mantendo-se contudo na prática das virtudes, que tantos obstáculos encontram em ambientes ligados a interesses de poder, rodeados de glórias, honrarias, faustos e externalidades.

Acontece, porém, que veio a falecer o arcebispo da Cantuária, e o rei Henrique II, propôs o nome de Tomás para o cargo de arcebispo. Becket não hesitou e disse ao monarca: “Senhor rei, até agora, nos negócios de Estado, nós agimos em plena comunhão” — a ponto de o povo dizer que o rei e o seu chanceler eram um só coração e uma só mente —, “mas se vós me nomeardes arcebispo, vosso amor logo se transformará em ódio”. O santo estava alertando que, uma vez no cargo de arcebispo, seria responsável por defender os direitos da Igreja, direitos que eram muitas vezes pisados por Henrique II. O rei fez pouco caso, e Tomás Becket foi sagrado arcebispo de Cantuária, primaz da Inglaterra, sucessor do grande S. Anselmo, e assim começou uma vida de grande ascese. Externamente, ele usava todas as vestes episcopais suntuosas, como convém à dignidade do cargo; mas, interiormente, andava de cilício, levava uma vida austera e de penitência. Ele também começou a lutar pelos direitos da Igreja, a ajudar os pobres, a fazer a Igreja progredir no seu caminho de evangelização, o que foi acendendo a ira do rei. A perseguição do monarca, que até então fora amigo do novo arcebispo, tornou-se tão aguda que Becket teve de fugir para a França, onde ficou exilado por seis anos. Por isso, Henrique II entrou em conflito com o rei da França e até mesmo com o papa, insistindo em que deveriam destituir aquele arcebispo. Tomás Becket, no entanto, continuou em sua posição. Depois de longas tratativas, confusões e conversas, resolveu-se que Tomás Becket poderia enfim voltar para a Inglaterra a fim de cumprir sua missão de arcebispo.

De volta porém à Inglaterra, encontrou o rei ainda indisposto, persistente em seu mal-querer, num clima que era tudo menos agradável. Certa feita, durante um banquete, o rei, talvez já meio embriagado, desabafou aos comensais, dizendo: “Como é possível que sejais meus cortesãos e não me livreis desse padre importuno?” Ora, quatro membros da corte viram nas palavras do rei um “pedido” e resolveram matar S. Tomás Becket. No dia 29 de dezembro, 850 anos atrás, entraram na catedral, e Becket foi gloriosamente martirizado, atestando sua fidelidade ao rei nos seguintes termos: “Sou arcebispo, não um traidor”, ao mesmo tempo que rezava por seus algozes e entregava a própria alma por amor a Jesus Cristo. O mártir foi logo aclamado pelo povo inglês e pela Igreja no mundo inteiro. Sim, trata-se de um mártir maravilhoso, cheio de amor a Cristo, fidelíssimo à Igreja, que começou a operar milagres, o primeiro dos quais foi a conversão do mesmo rei, Henrique II, que, vestido de penitente, se flagelou em público, pediu perdão por aquela morte, de algum modo causada por ele. Mais tarde, o santuário em que foram depostas as relíquias de S. Tomás Becket tornou-se objeto de peregrinação da Europa inteira. Milagres e grandes curas aconteceram, curas que vêm de um coração de verdadeiro arcebispo, que soube defender os direitos da Igreja contra os poderes mundanos que pretendiam escravizá-la.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.