CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc 24, 35-48)

Naquele tempo, os discípulos contaram o que tinha acontecido no caminho, e como tinham reconhecido Jesus ao partir o pão. Ainda estavam falando, quando o próprio Jesus apareceu no meio deles e lhes disse: “A paz esteja convosco!”

Eles ficaram assustados e cheios de medo, pensando que estavam vendo um fantasma. Mas Jesus disse: “Por que estais preocupados, e por que tendes dúvidas no coração? Vede minhas mãos e meus pés: sou eu mesmo! Tocai em mim e vede! Um fantasma não tem carne, nem ossos, como estais vendo que eu tenho”.

E dizendo isso, Jesus mostrou-lhes as mãos e os pés. Mas eles ainda não podiam acreditar, porque estavam muito alegres e surpresos. Então Jesus disse: “Tendes aqui alguma coisa para comer?” Deram-lhe um pedaço de peixe assado. Ele o tomou e comeu diante deles. Depois disse-lhes: “São estas as coisas que vos falei quando ainda estava convosco: era preciso que se cumprisse tudo o que está escrito sobre mim na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos”.

Então Jesus abriu a inteligência dos discípulos para entenderem as Escrituras e lhes disse: “Assim está escrito: o Cristo sofrerá e ressuscitará dos mortos ao terceiro dia e no seu nome serão anunciados a conversão e o perdão dos pecados a todas as nações, começando por Jerusalém. Vós sereis testemunhas de tudo isso”.

As aparições do Senhor ressuscitado aos Apóstolos, segundo o relato de S. Lucas, revestem-se de algumas características que, por um motivo ou outro, nem sempre são notadas pelos demais evangelistas, ao menos não com a mesma clareza e destaque. A primeira delas refere-se ao fato de que os Apóstolos, ao verem Cristo de volta à vida, não podiam acreditar no que viam, “porque estavam muito alegres e surpresos”. A razão disso é que a esperança cristã, por ser uma virtude teologal, depende da ação de Deus, ao passo que a esperança meramente humana, fundada em expectativas naturais, é insuficiente para nos levar a crer nos bens prometidos por Ele. Existe uma desproporção entre o que somos capazes de esperar apenas com nossas forças e a grandeza, superior à nossa compreensão e racionalidade, das maravilhas do Senhor. É por isso que os Apóstolos, ao mesmo tempo que se alegram de ver o Ressuscitado, não conseguem fiar-se dos próprios olhos: a Ressurreição de Cristo, nesse sentido, é “boa demais para ser verdade”, superando em muito tudo o que a razão humana poderia intuir e o coração do homem poderia esperar. Ao aparecer hoje no meio dos Onze, Jesus quer tirá-los dos limites estreitos das esperanças naturais para, por sua ação divina, introduzi-los no mistério da verdadeira esperança cristã, fundada na fé sobrenatural, capaz de enxergar, sob a luz da sabedoria divina, que o Cristo tinha de padecer, morrer e ressuscitar ao terceiro dia, a fim de que no seu Nome santíssimo fossem anunciados o perdão dos pecados e a conversão de todos os povos. Que Ele toque hoje os nossos corações e nos faça dar esse passo da esperança humana àquele esperança que, segundo S. Paulo, prevalece sobre toda outra esperança (cf. Rm 4, 18): o Senhor ressuscitou verdadeiramente, como prometera, e unidos a Ele também nós hemos de ressuscitar!

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.