CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

Por que Jesus não se revelou a Herodes?

De pouco nos adiantaria ver Jesus com os olhos da carne se O não pudéssemos ver com os da fé. Viram-no as multidões, viram-no Pilatos e Herodes, mas só uns poucos tiveram os olhos abertos pela graça para ver quem de fato Ele era.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc 9, 7-9)

Naquele tempo, o tetrarca Herodes ouviu falar de tudo o que estava acontecendo, e ficou perplexo, porque alguns diziam que João Batista tinha ressuscitado dos mortos. Outros diziam que Elias tinha aparecido; outros ainda, que um dos antigos profetas tinha ressuscitado. Então Herodes disse: “Eu mandei degolar João. Quem é esse homem, sobre quem ouço falar essas coisas?” E procurava ver Jesus.

No Evangelho de hoje, Herodes quer ver Jesus. Essa atitude do rei pode iluminar, por uma espécie de contraste, a nossa vida espiritual, o nosso desejo de querer ver Jesus. Herodes, homem meio atormentado pelas suas paixões, mandou matar João Batista. Quando ele ouve falar que Jesus está pregando, a pregação de Jesus ecoa no coração de Herodes. Parecia ser a pregação de João Batista! Surgiu então o boato de que Jesus seria João Batista que voltou — João Batista redivivo —, então diz o Evangelho: “Eu mandei degolar João”, diz Herodes, “quem é este homem sobre quem ouço falar essas coisas?” E procurava ver Jesus.

Essa tentativa de Herodes de querer ver Jesus poderia ser aparentemente piedosa, mas vejam qual é a vontade de Herodes: Herodes quer ver Jesus por curiosidade, quer ver Jesus para satisfazer sua vontade de saber se é João Batista ou se não é, quer que Jesus lhe faça milagres. Tudo isso está no coração de Herodes, e é exatamente isso que o impede de ver verdadeiramente Jesus. Se nós quisermos ter vida espiritual, se nós quisermos ver Jesus de fato, com os olhos da fé, nós precisamos estar dispostos a mortificar um pouco as nossas vontades, as nossas paixões, os nossos caprichos, para deixar que Jesus se apresente tal qual Ele é, e então nós veremos Jesus.

Uma espécie de contraste com isso que Herodes está fazendo aqui, no capítulo 9 de São Lucas, é aquele pedido dos gregos lá no capítulo 12 do evangelho de São João. No evangelho de São João, os gregos chegam para André e Filipe dizendo: “Queremos ver Jesus”, e vemos claramente que aquilo brota de uma vontade autêntica de encontrar Jesus tal qual Ele queira se revelar. Queriam ver Jesus os gregos que tinham subido a Jerusalém para adorar durante a festa, e então, como resposta a esse pedido: “Queremos ver Jesus”, quando eles se apresentam diante de Jesus, o que Jesus responde? Jesus conta aquela pequena parábola, ou metáfora, do grão de trigo: “Se o grão de trigo não morrer, permanece sozinho; se ele morrer, dá muito fruto”.

Jesus quer se revelar a nós, mas Ele se revela nesta ação redentora que é o amor da Cruz, amor até a morte, e morte de Cruz, como um grão de trigo que se perde e dá muitos frutos. Nós nascemos disso, a nossa vida espiritual, nossa vida com Jesus, tem esse ponto. Então, se nós queremos ver Jesus, conhecer Jesus, nós não podemos aceitar um Jesus sem Cruz. Essa é uma grande dificuldade de muitos católicos hoje em dia, ou seja, há certa ideologia em que a curiosidade por Jesus, por conhecê-lo etc. não é uma verdadeira sede de conhecimento.

Deus quer se revelar a nós, mas nós não podemos ceder aos caprichos da nossa fantasia e das nossas curiosidades e fazer com que Jesus seja “aquele que vai me livrar dos meus complexos de culpa”, como Herodes, que se sentia culpado por matar João Batista; ou “das minhas curiosidades”, para saber se Jesus não é um ressuscitado, redivivo dentre os mortos; ou simplesmente “da minha vontade de circo”, como quem quer ver milagres de um Jesus taumaturgo.

No filme Paixão de Cristo, o diretor Mel Gibson retrata muito bem a cena de Jesus e de Herodes. Herodes entra com toda a curiosidade e ansiedade, querendo interrogar Jesus e vê-lo. Muito sabiamente, no filme se demonstra aquilo que nós temos no Evangelho: Jesus, que dialogou com o sumo sacerdote; Jesus, que dialogou com Pilatos, não dirige nem uma palavra a Herodes — nem uma sequer! — porque, vendo aquele coração disperso, superficial e vaidoso, que não procurava verdadeiramente a Verdade, Jesus não gasta palavras.

Como diz o nosso ditado popular, “pior cego é aquele que não quer ver”. Então não sejamos assim. Sejamos cegos que querem ver. Queiramos ver Jesus, mas tal qual Ele é, amorosamente crucificado por nós, nos convidando para a transformação interior, como semente que morre para dar grande fruto.

O que achou desse conteúdo?

0
0
Mais recentes
Mais antigos
Texto do episódio
Comentários dos alunos