CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
(Mt
6, 7-15)

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:

"Quando orardes, não useis muitas palavras, como fazem os pagãos. Eles pensam que serão ouvidos por força das muitas palavras.

Não sejais como eles, pois vosso Pai sabe do que precisais, muito antes que vós o peçais. Vós deveis rezar assim: Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome; venha o teu Reino; seja feita a tua vontade, assim na terra como nos céus. O pão nosso de cada dia dá-nos hoje. Perdoa as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido, e não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal.

De fato, se vós perdoardes aos homens as faltas que eles cometeram, vosso Pai que está nos céus também vos perdoará. Mas, se vós não perdoardes aos homens, vosso Pai também não perdoará as faltas que vós cometestes".

O Evangelho da Missa de hoje nos apresenta a oração que o próprio Filho de Deus ensinou a seus discípulos e deixou como herança à sua Igreja: o "Pai-Nosso". O Senhor nos ajuda, assim, a praticar a primeira das três obras quaresmais, que já tivemos oportunidade de comentar em homilias anteriores. O "Pai-Nosso", com efeito, contém ao todo sete pedidos, dos quais os três primeiros, "mais teologias" (CIC, 2803), são também os mais importantes. Essa divina oração, colocando-nos na presença do Senhor, começa com uma profissão de fé: "Pai nosso, que estais nos céus". Logo em seguida, fazemos a primeira petição: "Santificado seja o vosso o nome". Desejamos aqui que Deus seja conhecido e glorificado por todos, a começar por nós mesmos; trata-se, noutras palavras, de reconhecermos em Jesus Cristo o verdadeiro Deus — o único que é perfeitamente santo — e de querermos dá-lo a conhecer a muitas outras almas.

A esse ato inicial de sucede um ato de esperança, expresso na segunda petição: "Venha a nós o vosso Reino". Pelo primeiro pedido manifestamos, pois, nossa fé em Deus; pelo segundo, o nosso desejo de participar da sua vida divina. Rogamos ao Pai que nos faça partícipes do seu Reino, que não é deste mundo (cf. Jo 18, 36) e cujas portas nos fazem entrar na eternidade. Cristo nos ensina, portanto, a necessidade de suplicarmos pela nossa salvação. Quando dizemos "Venha a nós o vosso Reino" também não deixamos de manifestar a nossa esperança escatológica pela "vinda final do Reinado de Deus mediante o retorno de Cristo" (CIC 2818); é, por assim dizer, o grito Marana Tha! que nós, membros da Esposa de Cristo, dirigimos todos os dias a Jesus, Esposo de nossas almas.

O terceiro pedido do "Pai-Nosso", por sua vez, traduz um profundo ato de caridade: o "Seja feita a vossa vontade..." deve exprimir a nossa disposição interior para tudo fazermos conforme o beneplácito do Pai. O nosso amor a Deus, de fato, deve levar-nos a pensar primeiro nAquele a quem amamos, a queremos fazer antes o que é do agrado do Pai. Pois amamos a Deus por meio do cumprimento dos seus Mandamentos e pela observância filial de tudo quanto Ele nos quis revelar. Vemos aqui com que sabedoria Cristo nos entregou essa oração; já nos três primeiros pedidos o Senhor nos dá a oportunidade de crescermos na fé, na esperança e na caridade — os três eixos de toda vida espiritual, sem os quais é impossível chegar à perfeição no amor e à santidade a que Deus nos destina.

Ciente porém de nossa radical indigência, Cristo também nos ensina a pedir o "pão nosso de cada dia". Estão aqui englobadas todas as graças de que precisamos para progredir nas três virtudes teologias. Nesse sentido, o "pão nosso" significa, sobretudo, o "pão espiritual" a que nossa alma aspira e de que tanto necessita em sua caminhada rumo ao Céu: o pão da Palavra, dos Dons do Espírito Santo, das virtudes infusas, bem como de cada uma das graças sacramentais, que fazem o amor de Deus circular em nosso organismo espiritual. Esse pedido, é claro, também se refere a tudo quanto é necessário ao nosso sustento, àqueles bens materiais que, sem nos afastar da meta em direção à qual temos de correr, são úteis à manutenção de nossa vida material. Libertando-nos das inquietações e preocupações desse mundo passageiro, o Senhor quer que nos confiemos à Providência de nosso Pai celestial, que sabe de antemão todas as coisas de que necessitamos (cf. Mt 6, 32).

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.