CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo
8, 31-42)

Naquele tempo, Jesus disse aos judeus que nele tinham acreditado: "Se permanecerdes na minha palavra, sereis verdadeiramente meus discípulos, e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará." Responderam eles: "Somos descendentes de Abraão, e nunca fomos escravos de ninguém. Como podes dizer: 'Vós vos tornareis livres'?" Jesus respondeu: "Em verdade, em verdade vos digo, todo aquele que comete pecado é escravo do pecado. O escravo não permanece para sempre numa família, mas o filho permanece nela para sempre. Se, pois, o Filho vos libertar, sereis verdadeiramente livres. Bem sei que sois descendentes de Abraão; no entanto, procurais matar-me, porque a minha palavra não é acolhida por vós. Eu falo o que vi junto do Pai; e vós fazeis o que ouvistes do vosso pai." Eles responderam então: "O nosso pai é Abraão."

Disse-lhes Jesus: "Se sois filhos de Abraão, praticai as obras de Abraão! Mas agora, vós procurais matar-me, a mim, que vos falei a verdade que ouvi de Deus. Isto, Abraão não o fez. Vós fazeis as obras do vosso pai." Disseram-lhe, então: "Nós não nascemos do adultério, temos um só pai: Deus."

Respondeu-lhes Jesus: "Se Deus fosse vosso Pai, vós certamente me amaríeis, porque de Deus é que eu saí, e vim. Não vim por mim mesmo, mas foi ele que me enviou".

"Conhecereis a verdade", diz hoje o Senhor, "e a verdade vos libertará." Mas o que significa, em termos precisos, esse "conhecereis a verdade"? Lembremo-nos, em primeiro lugar, de que Jesus, pouco antes da Paixão, se identifica com a própria verdade: "Eu sou o caminho, a verdade e a vida" (Jo 14, 6), responde a Tomé. Enquanto homem, é caminho para o Pai; enquanto Deus, é verdade e vida para os homens. Verdade essa, porém, à qual o nosso espírito se deve abrir e abrir-se por meio da . Ora, a dificuldade que temos em nos descerrar à verdade, que é Cristo, reside antes e primariamente na nossa soberba. Devido às más inclinações e a um orgulho inchado, todos nós experimentamos uma certa tendência a, sobretudo no campo moral e religioso, persuadir-nos de que seja falso ou ao menos duvidoso aquilo que não desejamos reconhecer que seja verdadeiro (cf. Pio XII, Humani Generis, n. 2).

Isso porque a verdade tem a peculiar capacidade de humilhar-nos, de fazer caírem as escamas dos nossos olhos, de nos revelar quem de fato somos. Por isso, as nossas mais imediatas reações diante duma verdade sobre nós mesmos é a fuga, a negação, a mentira. É o que vemos tão bem ilustrado nos judeus deste Evangelho. Que lhes diz o Senhor, afinal? "A verdade vos libertará". E que respondem os ouvintes? "Somos descendentes de Abraão, e nunca fomos escravos de ninguém." Eis, escancarada, a primeira mentira. Ah! sois filhos de Abraão? Então como dizeis que não sois escravos? Não foi a descendência do vosso pai dominada pelos egípcios, pelos assírios, pelos babilônios e pelos gregos? Ora, não é o jugo romano que agora a oprime e sufoca? Como então dizeis: "Nunca fomos escravos"? Abri as crônicas do vosso povo e vereis o quanto se engana a vossa soberba, o quanto vos cega a sobranceria da vossa raça!

Cristo é, pois, essa verdade que humilha e fere, que mostra a serviço de quem pusemos o nosso coração. "Em verdade, em verdade vos digo, todo aquele que comete pecado é escravo do pecado". Caprichos e paixões, veleidades e fantasias, preconceitos e mentiras, — eis aí os senhores aos quais servimos, eis aí as obras que o pai e príncipe deste mundo nos incita a fazer. Aproveitemos estes últimos dias da Quaresma para, em ossa oração mental, pedirmos mais fé e mais humildade a Nosso Senhor. Em nossas comunhões, não deixemos também de implorar a Jesus Sacramentado que instale em nosso coração soberbo o seu reinado definitivo, no qual nem o orgulho nem o amor-próprio desordenado podem ter lugar. Que a Virgem Santíssima, Refúgio dos pecadores, nos alcance a graça de sermos configurados à mansidão e à humildade de seu Filho, cuja verdade, devolvendo-nos a visão e o realismo, nos faz livres para amar a Deus com desprendimento e leveza.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.