CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo
5, 31-47)

Naquele tempo, disse Jesus aos judeus: "Se eu der testemunho de mim mesmo, meu testemunho não vale. Mas há um outro que dá testemunho de mim, e eu sei que o testemunho que ele dá de mim é verdadeiro.

Vós mandastes mensageiros a João, e ele deu testemunho da verdade. Eu, porém, não dependo do testemunho de um ser humano. Mas falo assim para a vossa salvação. João era uma lâmpada que estava acesa e a brilhar, e vós com prazer vos alegrastes por um tempo com a sua luz.

Mas eu tenho um testemunho maior que o de João; as obras que o Pai me concedeu realizar. As obras que eu faço dão testemunho de mim, mostrando que o Pai me enviou. E também o Pai que me enviou dá testemunho a meu favor. Vós nunca ouvistes sua voz, nem vistes sua face, e sua palavra não encontrou morada em vós, pois não acreditais naquele que ele enviou.

Vós examinais as Escrituras, pensando que nelas possuís a vida eterna. No entanto, as Escrituras dão testemunho de mim, mas não quereis vir a mim para ter a vida eterna! Eu não recebo a glória que vem dos homens. Mas eu sei que não tendes em vós o amor de Deus. Eu vim em nome do meu Pai, e vós não me recebeis. Mas, se um outro viesse em seu próprio nome, a este vós o receberíeis.

Como podereis acreditar, vós que recebeis glória uns dos outros e não buscais a glória que vem do único Deus? Não penseis que eu vos acusarei diante do Pai. Há alguém que vos acusa: Moisés, no qual colocais a vossa esperança.

Se acreditásseis em Moisés, também acreditaríeis em mim, pois foi a respeito de mim que ele escreveu. Mas se não acreditais nos seus escritos, como acreditareis então nas minhas palavras?"

O Evangelho de hoje dá continuidade à polêmica que se instalara entre Jesus e os fariseus por ocasião da cura de um paralítico. Neste longo e profundo discurso, com o qual Nosso Senhor se justifica magistralmente aos judeus hipócritas, um breve mas significativo trecho nos deve ferir os ouvidos: "Como podereis acreditar", diz Cristo, "vós que recebeis glória uns dos outros e não buscais a glória que vem do único Deus?" Vemos aqui com bastante clareza que a vanglória constitui um grande obstáculo à . Pois nada cega mais o coração e obscurece mais a inteligência do que preferir a glória, tola e vazia, que vem dos homens àquela que, verdadeira e sincera, vem de Deus (cf. Jo 12, 43). Para bem entendermos este passo do Evangelho, vejamos antes de mais de que tipo de "glória" estamos falando.

O termo "glória" refere-se a um certo resplendor ou brilho que brota de uma qualidade reconhecida como tal. Expliquemos por meio de um exemplo. Suponhamos que um determinado aluno, muito estudioso e dedicado, seja o primeiro da turma. Atento a seus méritos e dedicação, o professor sente nascer por ele uma espécie de admiração chamada reverência, que o leva a reconhecer a grandeza do menino. Para honrá-lo com justiça, o professor decide dar-lhe uma medalha, que manifesta visivelmente aos demais colegas o valor daquele aluno esforçado. Ao honrá-lo, pois, com um prêmio, o professar dá a conhecer exteriormente o valor e a grandeza interiores do seu discípulo. À manifestação visível deste valor chamamos "glória", que faz brilhar e resplandecer a olhos vistos as qualidades escondidas de um espírito virtuoso.

Esta glória, no entanto, se torna e inane quando aquele que a atesta é incapaz de aquilatar o real valor das coisas. Um interesseiro e bajulador, neste sentido, não pode dar verdadeira glória a ninguém; as suas apalavras elogiosas não passam, pois, de mentiras, de bajulices, de adulação mesquinha e aproveitadora. Este vício, ao espraiar-se pela sociedade e tomar conta do comum dos homens, acaba por fazer do nós um cordão de lisonjeadores — ficamos todos elogios, todos mesura, todos rasgando sedas uns para os outros… E, por fim, ficamos cegos, sem poder enxergar com acuidade a realidade tal como ela é, sem poder dimensionar o justo valor de cada coisa. Esta cegueira, como é óbvio, é uma barreira à luz da fé: "Como podereis acreditar", repete o Senhor, "vós que recebeis [vanglória] uns dos outros e não buscais a glória que vem do único Deus?"

Roguemos hoje a Jesus que, purificando-nos destas vaidades humanas, dê-nos o realismo e a sobriedade necessária aos que se dispõem a crer de todo coração. Que Maria Imaculada, Virgem Santíssima, nos ajude a abraçar o testemunho que o Pai dá do Filho, para que nEle acreditemos e nEle depositemos todo o nosso amor e todo o nosso afeto. Não busquemos o elogio dos homens; procuremos antes agradar apenas o nosso Deus, que tudo vê com clareza, que tudo dispõe com sabedoria e beleza.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.