CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

1266. A família à luz da razão e da fé

“Senhor, não te incomodes, pois não sou digno de que entres em minha casa. Nem mesmo me achei digno de ir pessoalmente a teu encontro. Mas ordena com a tua palavra, e o meu empregado ficará curado”.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc 7, 1-10)

Naquele tempo, quando acabou de falar ao povo que o escutava, Jesus entrou em Cafarnaum. Havia lá um oficial romano que tinha um empregado a quem estimava muito, e que estava doente, à beira da morte. O oficial ouviu falar de Jesus e enviou alguns anciãos dos judeus, para pedirem que Jesus viesse salvar seu empregado. Chegando onde Jesus estava, pediram-lhe com insistência: “O oficial merece que lhe faças este favor, porque ele estima o nosso povo. Ele até nos construiu uma sinagoga”.

Então Jesus pôs-se a caminho com eles. Porém, quando já estava perto da casa, o oficial mandou alguns amigos dizerem a Jesus: “Senhor, não te incomodes, pois não sou digno de que entres em minha casa. Nem mesmo me achei digno de ir pessoalmente a teu encontro. Mas ordena com a tua palavra, e o meu empregado ficará curado. Eu também estou debaixo de autoridade, mas tenho soldados que obedecem às minhas ordens. Se ordeno a um: ‘Vai!’, ele vai; e a outro: ‘Vem!’, ele vem; e ao meu empregado ‘Faze isto!’, e ele o faz’”.

Ouvindo isso, Jesus ficou admirado. Virou-se para a multidão que o seguia, e disse: “Eu vos declaro que nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé”. Os mensageiros voltaram para a casa do oficial e encontraram o empregado em perfeita saúde.

O Evangelho de hoje nos narra o conhecido episódio do centurião de Cafarnaum. Há nesta cena, porém, um detalhe chamativo, mas que costuma ser deixado de lado: comparando as versões de Lucas e Mateus, vê-se que esse rapaz por cuja saúde intercede o centurião é chamado ora de empregado, ora de filho, duas expressões que traduzem a palavra grega δοῦλος e, na Vulgata, são vertidas por famulus e puer. Essa aparente ambiguidade semântica se deve a que, ainda na época de Cristo, os servos ou escravos eram considerados membros da família e, apesar de serem, ao menos juridicamente, reduzidos à condição de propriedade do senhor, eram muita vez tratados com grande apreço e delicadeza. É desse trato familiar, carinhoso e preocupado, que nos dá hoje prova o centurião romano, testemunhando assim que, mesmo sem a revelação cristã, pode a inteligência humana chegar, com o seu próprio lume natural, ao conhecimento dos deveres morais que fazem da família uma comunidade de amor e respeito, e não um “sistema” opressor e degradante, como blateram hoje diversas ideologias. Mas, embora seja certo que a família está naturalmente ordenada ao bem integral da pessoa, não deixa de ser verdade que essa bela instituição, tão conculcada pela nossa cultura, necessita da graça divina para que o amor que nela se vive, convertido em caridade, se transforme em fonte de santificação diária e salvação para todos. Eis por que, depois de testemunhar seu amor humano ao empregado, o centurião implora, não já a presença, mas a simples atenção de Cristo: “Senhor, não te incomodes, pois não sou digno de que entres em minha casa […]. Mas ordena com a tua palavra, e o meu empregado ficará curado”. Que saibamos, a exemplo dele, atrair para dentro de nossas casas o amor de Cristo, que há de converter em caridade o carinho que temos aos nossos familiares e transformar em ocasião de salvação as dificuldades e dores que porventura estivermos sofrendo. Para isso, prestemos-lhe o preito da nossa fé, reconhecendo nele o nosso Deus e Senhor: “Ordena com a tua palavra, e o meu empregado ficará curado”.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.