CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

142. Sexta-feira, dia de abstinência de carne

Ao contrário do que pensam muitos católicos, não é apenas na Quarta-feira de Cinzas e na Sexta-feira Santa que devemos nos abster de comer carne. Todas as sextas-feiras do ano são penitenciais e em todas elas devemos unir-nos à Paixão de Cristo, fazendo algum sacrifício por amor a Deus.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
(Mt
9, 14-15)

Naquele tempo, os discípulos de João aproximaram-se de Jesus e perguntaram: "Por que razão nós e os fariseus praticamos jejuns, mas os teus discípulos não?"

Disse-lhes Jesus: "Por acaso, os amigos do noivo podem estar de luto enquanto o noivo está com eles? Dias virão em que o noivo será tirado do meio deles. Então, sim, eles jejuarão".

O Evangelho da Missa fala hoje de um assunto bastante pertinente a estes quarenta dias de preparação para a Páscoa do Senhor: o jejum. Aproveitemos essa leitura para refrescar um pouco a memória a respeito do quarto mandamento da Igreja: "Jejuar a abster-se de carne, conforme manda a Santa Mãe Igreja" (CIC, 2043). Todos os cristãos, com efeito, são obrigados por lei divina (ex lege divina) a fazer penitência; por isso, a Igreja, a fim de ajudar seus filhos a bem cumprir a vontade de Deus, prescreve alguns dias e tempos especiais em que os fieis, unidos nalguma "observância comum de penitência" (CDC, cân. 1249), possam observar com fidelidade as obrigações que o próprio Senhor lhes impõe, além de participar de modo mais concreto do Mistério Pascal de Cristo Jesus.

Nesse sentido, o Código de Direito canônico determina que, exceptuadas as que porventura coincidirem com alguma solenidade (o Natal, por exemplo), todas as sextas-feiras do ano são dias penitenciais na Igreja universal (cf. CDC, cân. 1250). A Constituição Apostólica Paenitemini, assinada no dia 17 de fevereiro de 1966 pelo Papa Paulo VI, também obriga os fieis a se absterem de carne todas as sextas-feiras do ano, a não ser que nelas se celebre alguma festa de preceito (cf. II, § 3.º).

É preciso ter em mente, além disso, que a observância dessa norma é de natureza grave, ou seja: o seu descumprimento constitui um pecado mortal. A própria Constituição Paenitemini faz questão de o ressaltar (cf. II, § 2.º): "a sua observância substancial [isto é, dos dias de penitência] obriga gravemente" (eorum substantialis observantia graviter tenet). Trata-se, portanto, de um mandamento da Igreja que nos obriga sub gravi, isto é, sob pena de pecado mortal. Por isso, é de muito bom conselho que todos os que (seja por ignorância ou falta de deliberação plena) não têm observado o preceito de abstinência às sextas-feiras recorram o quanto antes ao tribunal da Confissão e se conformem, de agora em diante, às salutares leis da Santa Madre Igreja.

O Decreto Christus Dominus (cf. n. 38, 4), no entanto, bem como o atual Código de Direito Canônico, deu às Conferências Episcopais a possibilidade de comutar, total ou parcialmente, a abstinência de carne por "obras de caridade e exercícios de piedade" (cân. 1253). Sendo assim, a CNBB permitiu que, em todas as sextas-feiras do ano, os fieis comutem a abstinência de carne por outras práticas penitenciais ou exercícios piedosos: "A abstinência pode ser substituída pelos próprios fiéis por outra prática de penitência, caridade ou piedade, particularmente pela participação nesses dias na Sagrada Liturgia". Porém, lembramos que permanece a obrigação do jejum na Sexta-feira Santa. É importante salientar também que se trata aqui de obras a mais, quer dizer, que não constituam nossas orações habituais (por exemplo, o Terço diário, o Angelus, entre outras) e que façam da 6.ª-feira um dia de destaque, no qual possamos, com amor e generosidade, nos associar à Paixão de Cristo, às dores e sofrimentos pelos quais o Verbo humanado trouxe vida a este mundo corroído pelo pecado.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.