80. A Penitência Quaresmal

Versão áudio

Por que falar de mortificação se o Deus cristão é o Deus da vida? Não é a penitência um conceito medieval e ultrapassado? Não existe algo de patológico na valorização da dor? Impor sacrifícios ao corpo não é uma influência indevida do dualismo platônico dentro do cristianismo? Quem pratica a ascese não vai se tornando gradualmente uma pessoa pessimista, alienada, acomodada e sem energia para a transformação da realidade?

Às portas da Quaresma, Padre Paulo Ricardo reflete sobre a penitência e a necessária "purificação ativa" que deve caracterizar o nosso caminho de santificação.


Por que falar de mortificação se o Deus cristão é o Deus da vida? Não é a penitência um conceito medieval e ultrapassado? Não existe algo de patológico na valorização da dor? Impor sacrifícios ao corpo não é uma influência indevida do dualismo platônico dentro do cristianismo? Quem pratica a ascese não vai se tornando gradualmente uma pessoa pessimista, alienada, acomodada e sem energia para a transformação da realidade? Todas essas perguntas, resultado da atmosfera laxista da modernidade, são bastante pertinentes. É importante explicar às pessoas as razões pelas quais os cristãos fazem - ou devem fazer – penitência.

Urge, antes de explicar a doutrina católica sobre essa questão, lembrar as duas correntes que se chocavam, no início do século XX, sobre a questão da penitência. A primeira, o naturalismo, propalada pelo modernismo e, hoje, pela teologia da libertação, é influenciada pelo "mito do bom selvagem", do filósofo Jean-Jacques Rousseau, segundo o qual o homem, no "estado de natureza", é bom e é a sociedade o que o corrompe. Percebe-se, pelo discurso das pessoas, que é essa a visão que geralmente prevalece no ambiente educacional. Os educadores tendem a achar que seus alunos serão educados pela simples "conscientização", pela mera apreensão do que lhes é passado, como na gnose, em que as pessoas são salvas pelo conhecimento, dispensando o auxílio de um salvador.

A outra corrente, o jansenismo, perdeu a sua força. Mas era um excesso bastante atraente na passagem do século XIX para o século XX. A essa visão rigorista, com uma visão negativa do homem, aproximando-se da visão antropológica de Martinho Lutero, opôs-se a majestade espiritual de Santa Teresinha do Menino Jesus, que, com sua vida, assinou uma resposta de Deus à humanidade sobre essa questão.

Ainda hoje, a Igreja repete o chamado de Jesus à penitência. Mas, afinal, por que o faz? Será porque o corpo foi criado por um deus mau, como dizem os maniqueístas? Ou porque a nossa alma está aprisionada na matéria, como creem os platônicos? Definitivamente, não. A razão básica pela qual a Igreja fala de penitência está no amor. E, já que o homem está marcado pelo pecado original, só é possível que ele cresça no amor crucificando, pela vida ascética, o seu "homem velho", a fim de dar à luz o "homem novo" em Cristo. Está aqui a didática por trás da Quaresma e da Páscoa e a razão pelo qual esses dois tempos litúrgicos estão no centro da vida da Igreja. Essa purificação não se trata de um luxo de uma casta superior, como queriam os jansenistas, nem de um "dolorismo" masoquista, como querem os naturalistas, mas do caminho pelo qual necessariamente vem a santificação dos membros do Corpo Místico de Cristo.

"Garanto-vos: se o grão de trigo não cai na terra e não morre, fica sozinho. Mas, se morre, produz muito fruto. Quem tem apego à sua vida vai perdê-la; quem despreza a sua vida neste mundo vai conservá-la para a vida eterna"[1].
"Em seguida, dirigiu-se a todos: Se alguém quer vir após mim, renegue-se a si mesmo, tome cada dia a sua cruz e siga-me. Porque, quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas quem sacrificar a sua vida por amor de mim, salvá-la-á. Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se vem a perder-se a si mesmo e se causa a sua própria ruína?"[2].

Não foi, afinal, o próprio Cristo quem pronunciou as palavras acima? Então, como é possível que muitos passem por cima de suas palavras, negando a importância ou mesmo a necessidade de penitenciar-se e portando-se, no fim das contas, "como inimigos da cruz de Cristo"[3]?

Então, confirmada pelo próprio divino fundador da Igreja a necessidade da mortificação, valem as preciosas considerações do padre Reginald Garrigou-Lagrange, retiradas de seu livro Les Trois Ages de la Vie Interieure ["As Três Idades da Vida Interior"][4]. Ele explica, nessa obra, as quatro razões por que é essencial fazer penitência.

A primeira é por causa das consequências do pecado original. Hoje, infelizmente, muitos teólogos aderiram à moda de negar a existência do pecado original, reputando-o como uma invenção de Santo Agostinho. Sabe-se, no entanto, que os fundamentos dessa doutrina estão nas próprias palavras de São Paulo: "No meu íntimo, eu amo a lei de Deus; mas vejo nos meus membros outra lei que luta contra a lei da minha razão e que me torna escravo da lei do pecado que está nos meus membros"[5]. Ora, de que fala o Apóstolo, ao se referir à "lei do pecado que está nos meus membros", senão ao pecado original?

Por conta do pecado original, São Tomás de Aquino diz haver no homem quatro vulnera ("lesões", "feridas"), como ele mesmo explica:

"Pela justiça original, a razão continha perfeitamente as potências inferiores da alma, sendo ela mesma aperfeiçoada por Deus, a quem estava sujeita. Ora, essa justiça original perdeu-se pelo pecado do primeiro pai, como já dissemos (q. 81, a. 2). Por isso, todas as potências da alma ficaram, de certo modo, destituídas da ordem própria, pela qual naturalmente se orientavam para a virtude. E a essa destituição mesma se chama lesão da natureza."
"Ora, são quatro as potências da alma capazes de serem sujeitos das virtudes, como já se disse (q. 61, a. 2), e são as seguintes. A razão, sujeito da prudência; a vontade, da justiça; o irascível, da fortaleza; a concupiscência, da temperança. Por onde, a lesão da ignorância consiste em a razão ter ficado privada de ordenar-se para a verdade. A da malícia, em a vontade ter ficado privada de ordenar-se, para o bem. A da fraqueza em o ter o irascível ficado privado de ordenar-se para o árduo. E enfim, a da concupiscência em o ter a concupiscência ficado privada de ordenar-se ao prazer moderado pela razão."
"Por onde, são essas quatro as lesões infligidas a toda a natureza humana pelo pecado do primeiro pai."[6]

Então, as quatro potências que são sujeitos das virtudes cardeais ficaram, após o pecado original, enfraquecidas: a razão, pela vulnus ignorantiae ("lesão da ignorância"), que põe o homem sob o perigo de enganar-se a si mesmo; a vontade, pela vulnus malitiae ("lesão da malícia"), que é uma tendência mais ou menos acentuada para a maldade; o apetite irascível, pela vulnus infirmitatis ("lesão da fraqueza"), que transfere a "energia interior" que se deveria usar na luta pelo árduo para a raiva e para a cólera; e o apetite concupiscível, pela vulnus concupiscentiae ("lesão da concupiscência"), que faz o homem trocar o deleite honesto nas coisas divinas pelos prazeres indecentes da carne.

Para vencer essas tendências, é preciso exercitar as quatro virtudes cardeais, a saber, a prudência, a justiça, a fortaleza e a temperança. O livro "Um Olhar que Cura"[7] é uma tentativa de analisar e remediar essas tendências presentes no homem após a queda.

É importante destacar que o ensinamento da Igreja não é o que o pecado original tenha corrompido totalmente a natureza humana. Essa é uma tendência dos protestantes e dos jansenistas, que acham que do ser humano nada pode sair de bom. A doutrina católica, explicitada pelo Concílio de Trento, é que, "sendo ela [a concupiscência] deixada para o combate, não pode prejudicar os que não lhe dão consentimento e que a ela se opõem virilmente resistência com a graça de Jesus Cristo"[8].

A segunda razão para a penitência são as consequências de nossos pecados pessoais. O próprio Aquinate lembra que "a nossa inclinação para o bem da virtude fica diminuída pelo pecado atual"[9], ou seja, por "aquele que o homem, chegado ao uso da razão, comete por sua livre vontade"[10]. Uma pessoa que, antes de converter-se, viveu na devassidão, terá, evidentemente, mais dificuldades para viver a vida de virtude que uma que foi preservada disso. Por isso, precisa penitenciar-se, para não deixar que a "lei do pecado" nos seus membros o servilize, tornando-o novamente escravo da "fornicação, impureza, libertinagem, idolatria, feitiçaria, ódio, discórdia, ciúme, ira, rivalidade, divisão, sectarismo, inveja, bebedeira, orgias e outras coisas semelhantes". Diz São Paulo que "os que fazem tais coisas não herdarão o Reino de Deus"[11]. O combate contra o pecado é algo que jamais se pode negligenciar.

A terceira razão é a grandeza de nosso fim sobrenatural. A penitência é importante por conta da altíssima vocação dos cristãos, chamados a serem filhos de Deus. "Vós estais mortos, e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus", diz São Paulo: esse é o princípio básico da mortificação. O próprio Batismo trata-se de uma morte: entra-se na pia batismal como alguém que é sepultado e cuja vida, a partir de então, está no Céu. Para aspirar às coisas do alto e viver de modo digno a vocação recebida no Batismo, porém, é preciso desapegar-se das coisas deste mundo: "Fazei morrer aquilo que em vós pertence à terra: fornicação, impureza, paixão, desejos maus e a cobiça de possuir, que é uma idolatria"[12].

São João da Cruz, ao falar, na sua "Subida ao Monte Carmelo", de pequenas imperfeições que nos impedem de progredir na vida espiritual, escreve que "pouco importa estar o pássaro amarrado por um fio grosso ou fino; desde que não se liberte, tão preso estará por um como por outro"[13]. Daqui a necessidade da penitência. Só por esse caminho é possível corresponder à nossa vocação à santidade, exercitando a virtude da magnanimidade, da qual se falou no último Programa Ao Vivo[14].

O quarto motivo para a mortificação é porque devemos imitar e seguir Nosso Senhor crucificado. Como escreve São Paulo, à comunidade de Corinto:

"Todavia, esse tesouro trazemo-lo em vasos de barro, para que todos reconheçam que esse incomparável poder pertence a Deus e não é propriedade nossa. Somos atribulados por todos os lados, mas não desanimamos; somos postos em extrema dificuldade, mas não somos vencidos por nenhum obstáculo; somos perseguidos, mas não abandonados; prostrados por terra, mas não aniquilados. Sem cessar e por toda a parte levamos no nosso corpo a morte de Jesus, a fim que também a vida de Jesus se manifeste no nosso corpo"[15].

Por fim, é válido recordar que todas essas recomendações são importantes não apenas para o tempo da Quaresma, que se avizinha, como para toda a nossa vida. É incompreensível que queiramos ser santos, progredindo no amor, sem sofrimento e sem mortificações. Se olharmos para a vida dos grandes santos, veremos que todos fizeram grandes penitências e, justamente por isso, se tornaram mestres do amor. "Dá-nos muito ânimo – diz Santa Teresa de Ávila – vermos praticado por outros, com tanta suavidade, sacrifícios que nos parecem impossíveis de abraçar. Vendo seus altos voos, nós nos atrevemos a voar também. Como os filhotes das aves, quando o aprendem. Embora não se arrisquem logo a dar grandes voos, pouco a pouco imitam seus pais"[16].

Para vencer o nosso amor-próprio desordenado (filáucia), raiz de nossos pecados, só existe um caminho: penitência e oração. Não é uma questão de "dolorismo", de massacrar-se, mas de amar. Não nos tornaremos pessoas verdadeiramente amantes de Deus se continuarmos seguindo a lei de nossa carne, que é fugir da dor e buscar o prazer. Não sem razão Jesus diz que "o Reino dos Céus é arrebatado à força e são os violentos que o conquistam"[17].

Quando, porém, os homens se recusam a oferecer-se a Deus em sacrifício, a própria vida nesta terra transforma-se em um inferno. O egoísmo e a perversidade que imperam hoje são frutos da "cultura do analgésico", que, recusando o patrimônio da pedagogia cristã, lança fora a necessidade da luta e da penitência para a autêntica elevação do homem. Este, influenciado pelo naturalismo, degrada-se cada vez mais. É que quando essa criatura, criada à imagem e semelhança de Deus, não é fiel à sua altíssima vocação, acaba por rebaixar-se mais que os próprios animais.

Corruptio optimi pessima est: de fato, nenhuma matilha de cachorros é tão desordenada e violenta quanto um bando de pessoas que abandona a Deus, assim como nenhum animal no cio é tão devasso quanto um homem afundado nos vícios. É assim porque o ser humano foi chamado às alturas. Nenhuma espécie se destrói por excesso de comida, bebida, sexo, vanglória ou presunção, senão a espécie humana. Olhando para a terrível situação de decadência do homem, torna-se palpável isto: "Quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á".

Por outro lado, "quem perder a sua vida por amor vai salvá-la". Penitenciemo-nos nesta Quaresma, mas jamais descuidemos da mortificação, pois o demônio e o pecado não tiram férias.

Material

Referências bibliográficas

  1. Jo 12, 24-25
  2. Lc 9, 23
  3. Fl 3, 18
  4. A edição utilizada pelo Padre Paulo Ricardo é italiana, disponível para aquisição no site Amazon. Também é possível ler a obra na íntegra, em inglês, na Internet.
  5. Rm 7, 22-23
  6. Suma Teológica, I-II, q. 85, a. 3
  7. O livro "Um Olhar que Cura" está disponível para aquisição na loja virtual da Canção Nova. Há tambémo curso sobre doenças espirituais, no site, com o mesmo nome.
  8. Concílio de Trento, 5ª sessão, 17 de junho de 1546: Decreto sobre o pecado original. Cf. Denzinger-Hünermann, n. 1515
  9. Suma Teológica, I-II, q. 85, a. 3
  10. Catecismo de São Pio X, n. 946
  11. Gl 5, 19-21
  12. Cl 3, 3.5
  13. Subida ao Monte Carmelo, livro I, capítulo XI, n. 4. In Obras Completas, volume I, p. 29
  14. Programa Ao Vivo n. 79 – Oração: porta da santidade
  15. 2 Cor 4, 7-10
  16. Santa Teresa de Jesus. Castelo Interior ou Moradas. Terceiras Moradas, capítulo 2, n. 12. In São Paulo: Paulus, 2014. p. 67
  17. Mt 11, 12

Atenção: Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do site padrepauloricardo.org. Reservamo-nos o direito de excluir qualquer comentário que julgarmos inoportuno ou que não esteja de acordo com a política do site.

EpisódioTítuloDuraçãoData
184A Quaresma de São Miguel e o Apocalipse--:--Agosto 14, 2017
183Pai, seja homem!01:08:52Agosto 07, 2017
182Santo Inácio: o desentortador de vidas51:57Julho 31, 2017
181O Segredo do Rosário48:32Julho 24, 2017
180Nascemos do sangue dos mártires47:15Julho 17, 2017
179O inferno está vazio?46:48Julho 10, 2017
178Somos todos Charlie Gard58:09Julho 02, 2017
177O Coração Eucarístico de Jesus48:59Junho 26, 2017
176Maria depois de Pentecostes01:02:35Junho 05, 2017
175Uma conversa sobre Matrimônio53:19Maio 27, 2017
174O Imaculado Coração triunfará!47:56Maio 15, 2017
173O milagre dos Pastorinhos20:18Maio 11, 2017
172As santas crianças de Nossa Senhora de Fátima48:01Maio 08, 2017
171Moleque ignorante!39:22Abril 24, 2017
170A tríplice vitória de Cristo51:04Abril 17, 2017
169A Paixão de Cristo e a Compaixão da Virgem41:41Abril 03, 2017
168Será que eu tenho uma alma?01:07:17Março 26, 2017
167Qual é a missão de um pai?41:15Março 20, 2017
166O Abortoduto47:33Março 06, 2017
165Um novo Cavalo de Troia50:46Fevereiro 17, 2017
164Como lidar com o sofrimento?50:48Fevereiro 13, 2017
163A Igreja e os anticoncepcionais01:02:38Janeiro 16, 2017
162O aborto e a falácia dos números51:13Dezembro 19, 2016
161Ministro do Supremo admite: “Não devemos satisfação a ninguém”27:26Dezembro 12, 2016
160A “suprema” das injustiças43:51Dezembro 05, 2016
159O Ano da Virgem Maria48:22Novembro 27, 2016
158“Moda” não, mudança de vida!56:07Novembro 18, 2016
157Politizando a Bíblia59:42Novembro 11, 2016
156As deploráveis Terceiras Moradas50:59Novembro 04, 2016
155Aprenda a rezar o Terço01:10:30Outubro 28, 2016
154Diálogo com os namorados01:01:10Outubro 20, 2016
153A conversão de Santa Teresa d'Ávila57:40Outubro 16, 2016
152Santa Elisabete da Trindade01:02:19Outubro 10, 2016
151Projeto Terceira Morada58:54Outubro 03, 2016
150Direção espiritual às famílias58:15Setembro 09, 2016
149Como Ser Família53:24Agosto 26, 2016
148Maria e a nossa vida de oração47:10Agosto 21, 2016
147Aprenda a rezar rezando, com Padre Paulo Ricardo57:47Agosto 08, 2016
146A Oração, de Santo Afonso de Ligório01:06:06Agosto 01, 2016
145São Luís Martin54:19Julho 11, 2016
144Santa Zélia Martin58:13Julho 04, 2016
143A vida de São Luís Gonzaga58:31Junho 20, 2016
14210 Anos de Apostolado57:50Maio 16, 2016
141Senhor, ensina-nos a orar!49:01Abril 18, 2016
139Páscoa: misericórdia ou justiça?01:05:32Março 28, 2016
138Projeto Segunda Morada58:14Janeiro 03, 2016
137O Natal da Misericórdia52:10Dezembro 20, 2015
136A vida de São João da Cruz01:15:13Dezembro 13, 2015
135Beato Miguel Pro, sacerdote e mártir58:42Novembro 22, 2015
134A Medalha Milagrosa55:07Novembro 15, 2015
133A vida de nossas mulheres e crianças em nossas mãos!56:10Outubro 18, 2015
132Sínodo sobre as Famílias: o que podemos esperar?01:03:43Outubro 04, 2015
131Santa Teresinha: Doutora de Vida01:00:11Setembro 27, 2015
130A paixão do Padre Pio de Pietrelcina59:39Setembro 20, 2015
129Sínodo: o que os Bispos precisariam saber...01:08:41Setembro 13, 2015
128A vida de São Felipe Neri01:03:39Julho 19, 2015
127Redução da maioridade penal01:00:10Julho 12, 2015
126Crise econômica e vida espiritual55:04Julho 05, 2015
125Apostólico ou mundano?01:00:22Junho 28, 2015
124A ideologia de gênero e o Estado totalitário57:12Junho 21, 2015
123As Escrituras e a vida espiritual01:03:20Junho 07, 2015
122A Ideologia de Gênero nos Planos Municipais de Educação01:02:25Maio 31, 2015
12150 anos do Concílio Vaticano II: vocação universal à santidade01:01:05Maio 26, 2015
120Ano Santo da Misericórdia01:02:10Maio 20, 2015
119O líder cristão01:08:41Maio 07, 2015
118Padres podem caçar?48:06Abril 14, 2015
117A vida de Santa Teresa d'Ávila01:09:57Março 31, 2015
116O glorioso São José01:11:20Março 18, 2015
115O Reino dos Céus é dos violentos!01:00:47Março 16, 2015
114Família: escola de santidade59:24Março 04, 2015
113A vida consagrada01:11:04Fevereiro 09, 2015
112Igreja paralela? Seita?48:44Janeiro 09, 2015
111Conversa com os alunos sobre as doenças espirituais01:06:28Dezembro 16, 2014
110O Fim está próximo?01:01:53Dezembro 05, 2014
109Música Litúrgica01:08:28Novembro 27, 2014
108E o capitalismo?58:15Novembro 19, 2014
107Guerra cultural: como vencer o projeto marxista de poder52:03Novembro 11, 2014
106O papel da Igreja no mundo político55:18Novembro 05, 2014
105Mais 4 anos de PT...52:43Outubro 29, 2014
104Igreja em crise?01:03:06Outubro 16, 2014
103Sínodo sobre a Família01:00:07Outubro 09, 2014
102Na presença dos anjos!52:31Outubro 02, 2014
101Por que não sou protestante?01:15:33Setembro 30, 2014
100Conversa com os alunos01:06:38Setembro 18, 2014
99A oração da “Ave Maria”58:25Setembro 11, 2014
98As Sagradas Escrituras e a nossa vida espiritual01:05:24Setembro 07, 2014
97Conversa com os alunos01:01:33Setembro 03, 2014
96Ordenar homens casados: solução ou problema?01:07:07Agosto 12, 2014
95O santo sacerdócio de João Maria Vianney 01:02:34Agosto 12, 2014
94Terapia das Doenças Espirituais01:07:29Agosto 02, 2014
93A vida extraordinária de São Charbel Makhluf01:03:04Julho 22, 2014
92Idolatria e sexo desordenado01:17:02Julho 15, 2014
91A Espiritualidade Carmelitana e a Virgem Maria59:03Julho 08, 2014
90Papista!01:04:35Julho 06, 2014
89Herodes e Pilatos ficaram amigos!53:46Junho 17, 2014
88Sou católico e estou na universidade! E agora? 01:04:17Junho 16, 2014
87A Docilidade ao Espírito Santo45:02Junho 09, 2014
86A Mãe do Salvador e a Nossa Vida Interior01:08:17Maio 08, 2014
85A Divina Misericórdia50:57Abril 28, 2014
84São José de Anchieta53:07Abril 09, 2014
83O drama dos casais em segunda união01:01:23Abril 03, 2014
82A respeito da recepção da Comunhão Eucarística por fiéis divorciados novamente casados01:02:11Março 26, 2014
81O Espiritismo é cristão?59:37Março 16, 2014
80A Penitência Quaresmal58:57Fevereiro 27, 2014
79Oração: a porta da santidade52:32Fevereiro 19, 2014
78A impressionante história de Nossa Senhora de Lourdes56:41Fevereiro 17, 2014
77Madre Mariana, amiga e confidente de Nossa Senhora do Bom Sucesso59:15Fevereiro 10, 2014
76Dom Bosco e as três alvuras da fé católica 53:07Janeiro 26, 2014
75Educação sexual das crianças e adolescentes57:16Janeiro 20, 2014
74A história de uma alma56:09Janeiro 13, 2014
73A defesa da família no Congresso Nacional 50:43Dezembro 16, 2013
72Dies Iræ: uma meditação sobre o fim dos tempos59:11Dezembro 02, 2013
71PLC 122: o projeto de destruição da família54:53Novembro 21, 2013
70Maria e o Vaticano II55:18Novembro 13, 2013
69A última Confissão54:52Novembro 07, 2013
68A Resposta Católica53:02Outubro 31, 2013
67As finalidades e os efeitos da Santa Missa 01:02:51Outubro 24, 2013
66Sexo ou gênero?53:41Outubro 06, 2013
65O Senhor dos Anéis01:06:04Setembro 25, 2013
64O novo Código Penal e as ameaças à vida e à família49:47Setembro 17, 2013
63O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota57:24Setembro 11, 2013
62Satanás e os seus demônios55:23Setembro 04, 2013
61O Missal de Paulo VI e a hermenêutica da continuidade 41:39Agosto 27, 2013
60O missal de Paulo VI e a reforma da reforma litúrgica de Bento XVI01:11:15Agosto 22, 2013
59A Quaresma de São Miguel e o auxílio dos anjos40:36Agosto 14, 2013
58Fora da Igreja existe salvação?56:48Agosto 06, 2013
57A Jornada Mundial da Juventude e as palavras de Francisco42:38Julho 30, 2013
56Papa Francisco no Brasil e a Jornada Mundial da Juventude57:29Julho 24, 2013
55Os perigos do veto parcial do PLC 03/2013 39:27Julho 18, 2013
54O perigo das falsas conversões30:51Julho 01, 2013
53O quadro político do Brasil59:31Julho 01, 2013
52As manifestações no Brasil55:54Junho 19, 2013
5145 anos da Humanae Vitae55:15Maio 30, 2013
50Modéstia: Como as mulheres devem se portar (II)18:43Maio 20, 2013
49Modéstia: Como as mulheres devem se portar (I)37:16Maio 20, 2013
48Virgindade e Espiritualidade34:04Maio 08, 2013
47Maternidade50:44Abril 24, 2013
46Feminilidade: o que está acontecendo com as mulheres?58:21Abril 16, 2013
45A dignidade da mulher58:39Abril 10, 2013
44A Santíssima Eucaristia59:14Abril 01, 2013
43Preparação para Páscoa "Victimae Paschali Laudes"55:37Março 26, 2013
42Papa Francisco e a Liturgia de Bento XVI (II)30:54Março 20, 2013
41Papa Francisco e a liturgia de Bento XVI (I)39:33Março 19, 2013
40O Conclave54:04Março 13, 2013
39Como ainda crer na santidade da Igreja?58:30Março 05, 2013
38Os últimos dias de Bento XVI 01:01:32Fevereiro 28, 2013
37A renúncia do Santo Padre e próximo conclave51:42Fevereiro 19, 2013
36A Infância de Jesus28:30Dezembro 18, 2012
35O ódio ao feminino49:15Novembro 27, 2012
34Masculinidade: o que está acontecendo com os homens de Deus?58:01Novembro 20, 2012
33Masculinidade: o que está acontecendo com os homens?59:44Novembro 13, 2012
32Doenças espirituais: o que são e como combatê-las52:58Novembro 06, 2012
31O Ano da Fé59:18Outubro 24, 2012
30Os Mártires de Hoje47:44Outubro 08, 2012
29Estudo do documento "Nova Estratégia Mundial do Aborto" (VI)38:59Outubro 01, 2012
28Estudo do documento "Nova Estratégia Mundial do Aborto" (V)46:55Setembro 24, 2012
27Estudo do documento "Nova Estratégia Mundial do Aborto" (IV)43:23Setembro 17, 2012
26Estudo do documento "Nova Estratégia Mundial do Aborto" (III)55:59Setembro 10, 2012
25Estudo do documento "Nova Estratégia Mundial do Aborto" (II)01:01:07Setembro 03, 2012
24A Nova Estratégia Mundial do Aborto (I)48:14Agosto 27, 2012
23Nova Ordem Mundial: a maior ameaça ao Cristianismo57:51Agosto 20, 2012
22Nova Ordem Mundial26:19Agosto 13, 2012
21Lançamento do DVD "Antropologia e Escatologia"58:11Agosto 05, 2012
20São Felipe Neri: "Prefiro o paraíso"41:07Julho 30, 2012
19A vida em risco49:09Julho 16, 2012
18Dom Eugênio Sales, uma escola de fidelidade47:56Julho 09, 2012
17O preço da fidelidade40:47Julho 02, 2012
16A presença de São Pedro em Roma36:10Junho 25, 2012
15O Gnosticismo em nosso meio01:03:27Junho 18, 2012
14Exame de consciência: 20 anos de sacerdócio49:47Junho 11, 2012
13Crise na Igreja01:08:16Junho 04, 2012
12Marxismo Cultural e o Comunismo01:13:28Fevereiro 07, 2012
11Ó admirável intercâmbio!26:03Dezembro 22, 2011
10Ó Emanuel!01:22:52Dezembro 16, 2011
9PL122 - A lei da mordaça gay01:20:04Dezembro 05, 2011
8Teologia e espiritualidade do Advento e do Natal38:50Novembro 28, 2011
7Conversão e a luta contra o pecado01:01:15Novembro 24, 2011
6Presença real de Jesus na Eucaristia01:06:48Novembro 17, 2011
5O Inferno01:07:31Novembro 10, 2011
4E agora, para onde vamos?01:06:20Novembro 02, 2011
3A vida de São Pio de Pietrelcina01:05:55Setembro 20, 2011
2O protestantismo01:05:55Setembro 12, 2011