CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Homilia Dominical
2 Mar 2018 - 25:49

A Purificação do Templo

Estando próxima a Páscoa dos judeus, uma multidão subia até o Templo de Jerusalém para oferecer seus sacrifícios a Deus. Jesus também subiu uma vez e realizou um sinal profético: com um chicote de cordas, “expulsou todos do Templo, espalhou as moedas e derrubou as mesas dos cambistas”. Por que agiu dessa forma o Senhor, e o que queria nos ensinar com uma atitude tão enérgica, é o que Padre Paulo Ricardo explica nesta pregação.
00:00 / 00:00
Homilia Dominical - 2 Mar 2018 - 25:49

A Purificação do Templo

Estando próxima a Páscoa dos judeus, uma multidão subia até o Templo de Jerusalém para oferecer seus sacrifícios a Deus. Jesus também subiu uma vez e realizou um sinal profético: com um chicote de cordas, “expulsou todos do Templo, espalhou as moedas e derrubou as mesas dos cambistas”. Por que agiu dessa forma o Senhor, e o que queria nos ensinar com uma atitude tão enérgica, é o que Padre Paulo Ricardo explica nesta pregação.
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo 2, 13-25)

Estava próxima a Páscoa dos judeus e Jesus subiu a Jerusalém. No Templo, encontrou os vendedores de bois, ovelhas e pombas e os cambistas que estavam aí sentados. Fez então um chicote de cordas e expulsou todos do Templo, junto com as ovelhas e os bois; espalhou as moedas e derrubou as mesas dos cambistas. E disse aos que vendiam pombas: “Tirai isso daqui! Não façais da casa de meu Pai uma casa de comércio!” Seus discípulos lembraram-se, mais tarde, que a Escritura diz: “O zelo por tua casa me consumirá”.

Então os judeus perguntaram a Jesus: “Que sinal nos mostras para agir assim?” Ele respondeu: “Destruí este Templo, e em três dias eu o levantarei”. Os judeus disseram: “Quarenta e seis anos foram precisos para a construção deste santuário e tu o levantarás em três dias?” Mas Jesus estava falando do Templo do seu corpo. Quando Jesus ressuscitou, os discípulos lembraram-se do que ele tinha dito e acreditaram na Escritura e na palavra dele.

Jesus estava em Jerusalém durante a festa da Páscoa. Vendo os sinais que realizava, muitos creram no seu nome. Mas Jesus não lhes dava crédito, pois ele conhecia a todos; e não precisava do testemunho de ninguém acerca do ser humano, porque ele conhecia o homem por dentro.

O episódio da Purificação do Templo, que apresenta Jesus expulsando os vendilhões da casa de seu Pai, aparece nos quatro Evangelhos. Neste 3.º Domingo da Quaresma, a liturgia toma a versão de S. João para a meditação dos fiéis.

No Antigo Testamento, os judeus precisavam subir ao Templo de Jerusalém todos os anos, durante a celebração da Páscoa, para oferecerem sacrifícios por seus pecados. Eles vinham dos quatro cantos de Israel e, por isso, não podiam trazer os animais consigo. Os sacerdotes, então, começaram a comercializar animais no Templo, a fim de que os judeus pudessem cumprir o seu preceito religioso, conforme a lei mosaica. Aos poucos, porém, essa prática foi se corrompendo e tornando-se um verdadeiro comércio. Por isso vemos Jesus, cheio de ira e zelo pela casa do Senhor, expulsar aqueles cambistas e, em seguida, anunciar a proximidade do verdadeiro sacrifício redentor.

Mas, afinal, o que é um sacrifício?

A cultura atual não está acostumada a fazer sacrifícios nem conhece o significado e a importância desse ato. Ora, o sacrifício é uma forma de unirmo-nos a Deus e, no Antigo Testamento, esse ritual poderia ser praticado segundo três fórmulas simbólicas, como uma espécie de sistema sacramental.

Primeiro, havia o sacrifício expiatório, pelo que se sacrificava algum animal em reparação de nossos pecados. É desse sacrifício que surge a famosa expressão “bode expiatório”. Segundo, havia o sacrifício pacífico, que era o oferecimento de parte de um animal para o sacerdote e de outra para ser queimada. Os sacerdotes comiam a parte que lhes era oferecida como símbolo da união com a vítima. E, finalmente, havia o holocausto, que era um sacrifício completo, sacrifício de adoração, oferecimento de tudo.

O propósito do sacrifício era, em última análise, purificar o coração do homem de seus pecados e redimi-lo diante de Deus. Mas o próprio sistema de sacrifício acabou se corrompendo e tornando-se um “comércio”, como diz Jesus no auge de sua indignação. Ele pega o chicote justamente para dar uma lição: nós devemos nos aproximar de Deus com o coração puro, o sacrifício verdadeiro é oferecermo-nos totalmente a Deus. Jesus pega o chicote e chicoteia qualquer forma de “teologia da prosperidade”, de comércio em que, ao invés de servirmos a Deus, nós é que queremos nos servir dEle. Jesus não quer um comércio com o nosso egoísmo, Ele quer o nosso coração.

Mas Jesus não somente chicoteia, Ele mesmo se oferece como vítima em nosso lugar. Já que não damos conta de oferecermo-nos em sacrifício, Ele mesmo se oferece: “Destruí este Templo, e em três dias eu o levantarei”. E o seu sacrifício é a síntese e a perfeição de todos os sacrifícios do Antigo Testamento: Ele expia os nossos pecados, tomando sobre si mesmo todas as nossas misérias; Ele faz um sacrifício pacífico, intercedendo por nós diante do Pai; Ele vive o holocausto, entregando-se por inteiro na cruz, até a última gota de seu sangue, para nos dar uma nova vida.

Essa é, então, a graça do tempo quaresmal. Pelos méritos do sacrifício de Jesus, podemos vencer o nosso coração de pedra e, como Ele, entregarmo-nos por inteiro nas cruzes da nossa vida cotidiana. E, na Santa Missa, recebemos a força da Eucaristia, que é a atualização do mesmo sacrifício de dois mil anos atrás, para progredirmos na , na esperança e na caridade. Nesse caminho, o nosso coração vai, aos poucos, se convertendo no coração eucarístico de Jesus.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.