CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

1241. Como criancinhas sob o olhar do Pai

Deus diz a todo homem: “Filho meu, dá-me o teu coração”. O problema é que nem lhe damos o nosso coração nem nos portamos como filhos, porque, apegados aos nossos critérios e às nossas forças, impedimos de ir a Cristo a criança que Ele espera que sejamos.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
(Mt 19, 13-15)

Naquele tempo, levaram crianças a Jesus, para que impusesse as mãos sobre elas e fizesse uma oração. Os discípulos, porém, as repreendiam. Então Jesus disse: “Deixai as crianças e não as proibais de vir a mim, porque delas é o Reino dos Céus”. E depois de impor as mãos sobre elas, Jesus partiu dali.

Diz-nos Jesus no Evangelho de hoje que é às criancinhas que pertence o Reino dos céus. Que quer dizer esta frase, tão conhecida e repetida? O contexto é claro. Algumas mães, querendo com certo alvoroço que Jesus lhes abençoasse os filhos, levam até Ele suas crianças, reunidas, é provável, em grande número; os discípulos, porém, julgando indigno de Cristo, ocupado até o momento com a instrução do povo, perder tempo com meninos mal chegados à idade da razão, tentam impedir as crianças de se aproximarem dele. O Senhor, no entanto, os repreende, dizendo: “Deixai as crianças e não as proibais de vir a mim, porque delas é o Reino dos céus”. O texto, tanto grego como latino, diz mais claramente que o Reino dos céus é daqueles que são como crianças, isto é, dos que a elas se assemelham. Assim lemos, com efeito, no texto de S. Lucas: “Porque o Reino de Deus é daqueles que se parecem com elas” (Lc 18, 16). Ora, isso implica que o Reino dos céus pertence aos que têm qualidades típicas de uma criança, como a humildade, a simplicidade, a inocência, a pureza de intenção etc.; mas a principal delas é a que o Senhor mesmo louva: “Não as proibais”, ou seja, a liberdade de espírito, o desapego de tudo o que não interessa, de tudo o que não diz respeito a Cristo. E a causa da nossa escravidão, do nosso apego, dos impedimentos que, numa palavra, nos proíbem de ir a Cristo, somos nós mesmos, como aqui o foram os discípulos: “Os discípulos, porém, as repreendiam”.

Temos, pois, dentro de nós uma criança à qual Deus deseja unir-se, mas nós a impedimos de inúmeras maneiras: a) pretendendo assumir o controle de nossa vida, como se fôramos nós, e não o nosso Pai celeste, quem soubesse o que mais nos convém; b) decidindo por conta própria em que vamos crer e a que mandamentos nos vamos submeter, como se Deus e a Igreja por Ele fundada não tivessem sobre nós nenhuma autoridade; c) negando ao Senhor a confiança a que Ele tem direito, só porque as coisas não sucedem ao sabor dos nossos desejos etc. É preciso fazer cair esse muro, que levantamos por não sermos capazes de compreender os caminhos de Deus e, por isso, dele duvidarmos. Para isso, temos de a Ele nos entregar confiadamente, ainda que o mundo pareça ruir, ainda que nada nos pareça dar certo: porque temos a certeza de possuir no céu um Pai que nos ama mais do que todas as mães aos seus filhinhos; um Pai que é nosso amigo e nos conduz por caminhos que nem sempre entendemos, mas que nos hão por certo de levar à salvação que Ele mesmo prometeu: “Deixai as crianças e não as proibais de vir a mim, porque delas é o Reino dos Céus”. 

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.