CNP
Christo Nihil Praeponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

551. Como podem os nossos pecados ofender a Deus?

É tempo para repararmos as ofensas que com nossas faltas irrogamos aos dois Corações que mais nos amam e, por sua união com Deus, sentem mais profundamente o horror do pecado: os Corações de Jesus e de Maria.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo
21, 20-25)

Naquele tempo, Pedro virou-se e viu atrás de si aquele outro discípulo que Jesus amava, o mesmo que se reclinara sobre o peito de Jesus durante a ceia e lhe perguntara: "Senhor, quem é que te vai entregar?" Quando Pedro viu aquele discípulo, perguntou a Jesus: "Senhor, o que vai ser deste?"

Jesus respondeu: "Se eu quero que ele permaneça até que eu venha, que te importa isso? Tu, segue-me!" Então, correu entre os discípulos a notícia de que aquele discípulo não morreria. Jesus não disse que ele não morreria, mas apenas: "Se eu quero que ele permaneça até que eu venha, que te importa?"

Este é o discípulo que dá testemunho dessas coisas e que as escreveu; e sabemos que o seu testemunho é verdadeiro. Jesus fez ainda muitas outras coisas, mas, se fossem escritas todas, penso que não caberiam no mundo os livros que deveriam ser escritos.

Pôr-se em atitude de reparação neste primeiro sábado de junho significa reconhecer, em primeiro lugar, o quanto ofendem a Cristo e ao Coração puríssimo de sua Mãe os nossos pecados e indiferenças. Aqui vale a pena lembrar uma distinção que muitas vezes nos escapa, embora seja de grande importância para a vida espiritual: uma coisa é arrepender-se pela dor sincera de haver ofendido a Deus, outra, muito diferente, é alimentar certo remorso das faltas cometidas ou lamentá-las por simples temor à condenação eterna. Nesse último caso, embora já possa dar-se a contrição necessária para salvar-nos, o que há na verdade é um amor ainda imperfeito, como o do jovem rico de que nos fala o Evangelho (cf. Mc 10, 17-30; Mt 19, 16-22; Lc 18, 18-30). Mas o que a Virgem de Fátima quer de nós, por meio da devoção dos primeiros sábados de cada mês, é que demos um passo a mais e progridamos na caridade, não só evitando o pecado, mas ainda reparando os males que com ele causamos a nós e aos demais. Estes sábados têm de levar-nos a compreender, pois, como desgostamos a Cristo com a nossa frieza, amargando-lhe o Coração Sacratíssimo, transpassado pela lança que encharcamos no fel do desprezo ao seu divino amor. Que possamos hoje, com a ajuda da Virgem Maria, olhar para o Senhor desfigurado sob o peso dos nossos pecados e entender, com gemidos de dor e arrependimento, o que verdadeiramente significa aos olhos de Deus transgredir-Lhe os mandamentos e cuspir-Lhe na caridade benigníssima com que desde sempre nos quis e amou, ao ponto de não poupar sequer o próprio Filho (Rm 8, 32; cf. Jo 3, 16s).

Download do Material
Texto do episódioDownload do áudio e textoComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.