CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Homilia Dominical
7 Set 2018 - 24:16

Cristãos que não convertem ninguém

O Evangelho deste domingo narra uma prática comum dos primeiros cristãos, que, por acreditarem no poder salvífico de Jesus Cristo, apresentavam-lhe toda sorte de doentes, do corpo e da alma, para que Ele os curasse. Para os cristãos de hoje, porém, essa já não é uma atitude tão óbvia. Nesta homilia, Padre Paulo Ricardo mostra como o indiferentismo religioso está ameaçando a Igreja e indica os remédios para o surgimento de uma evangelização verdadeiramente nova.
00:00 / 00:00
Homilia Dominical - 7 Set 2018 - 24:16

Cristãos que não convertem ninguém

O Evangelho deste domingo narra uma prática comum dos primeiros cristãos, que, por acreditarem no poder salvífico de Jesus Cristo, apresentavam-lhe toda sorte de doentes, do corpo e da alma, para que Ele os curasse. Para os cristãos de hoje, porém, essa já não é uma atitude tão óbvia. Nesta homilia, Padre Paulo Ricardo mostra como o indiferentismo religioso está ameaçando a Igreja e indica os remédios para o surgimento de uma evangelização verdadeiramente nova.
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
(Mc 7, 31-37)

Naquele tempo, Jesus saiu de novo da região de Tiro, passou por Sidônia e continuou até o mar da Galileia, atravessando a região da Decápole.

Trouxeram então um homem surdo, que falava com dificuldade, e pediram que Jesus lhe impusesse a mão. Jesus afastou-se com o homem, para fora da multidão; em seguida, colocou os dedos nos seus ouvidos, cuspiu e com a saliva tocou a língua dele. Olhando para o céu, suspirou e disse: “Efatá!”, que quer dizer: “Abre-te!”

Imediatamente seus ouvidos se abriram, sua língua se soltou e ele começou a falar sem dificuldade.

Jesus recomendou com insistência que não contassem a ninguém. Mas, quanto mais ele recomendava, mais eles divulgavam. Muito impressionados, diziam: “Ele tem feito bem todas as coisas: aos surdos faz ouvir e aos mudos falar”.

Meditação. — 1. O Evangelho da Missa deste domingo conta que “trouxeram um homem surdo, que falava com dificuldade, e pediram que Jesus lhe impusesse a mão”. Os contemporâneos de Cristo assistiam aos seus milagres e se convenciam cada vez mais do seu poder salvífico. Por isso, eles entendiam a necessidade de divulgar as suas obras, pois Jesus fazia bem todas as coisas: “Aos surdos faz ouvir e aos mudos falar”.

Apresentar pessoas para Jesus era uma prática comum entre os cristãos. Na verdade, a evangelização dos povos traduzia uma convicção sobrenatural de que Cristo é a cura para todas as enfermidades do corpo e da alma. Os grandes evangelizadores não pouparam esforços para tornar Jesus conhecido entre todos os povos e nações, a fim de libertá-los da surdez que impede de ouvir a verdade de Deus. Esses homens e mulheres eram, antes de tudo, pessoas de fé.

2. Nos últimos séculos, a evangelização parece ter se tornado algo politicamente incorreto, e os cristãos já não se importam tanto com a divulgação da Palavra de Deus. Os efeitos da Reforma Protestante de Lutero produziram a ideia de que religião é uma coisa privada, que não deve ser discutida nem apresentada a ninguém, pois a missionariedade poderia resultar em polêmicas e guerras. Esse pensamento gerou a doença dos tempos modernos: o indiferentismo religioso.

O Ocidente está caminhando para um novo paganismo justamente porque os cristãos não querem evangelizar, não estão interessados naquelas palavras de Jesus sobre o Batismo e o ensino de todas as nações: “Ide por todo o mundo, pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc 16, 15). E é exatamente por isso que as almas estão se perdendo, pois “o indiferentismo religioso gera a incoerência nos princípios, a ponto de fazer acreditar, falsamente, que é possível manter o nexo íntimo e vivo com a Igreja” e, ao mesmo tempo, “frequentar outros cultos e denominações religiosas”, inclusive aquelas que pregam doutrinas anticristãs (S. João Paulo II, Discurso em 5 set. 1995, n. 5).

3. Cristo prometeu que as portas do inferno jamais prevalecerão contra a Igreja (Mt 16, 18). Todavia, os cristãos não podem se acomodar. O amor de Cristo nos deve impelir a uma missionariedade ainda mais intensa que a dos primeiros cristãos, sobretudo agora que o mundo se encontra surdo para a verdade. Temos de trazê-lo para Jesus. Temos de romper com a linguagem pseudo tolerante e politicamente correta para converter os povos para a pessoa de Jesus, o mesmo Jesus dos Evangelhos, das Escrituras Sagradas, e não aquele das teologias modernas. A Palavra de Cristo deve sempre nos incomodar, produzir em nós uma metanoia, ou seja, a cura da nossa surdez.

É uma alegria saber que Jesus pode mudar o nosso coração, pois não estamos abandonados às nossas misérias. Ao contrário, Ele reza, olha para o céu, e com um gemido, um suspiro, mostra o quanto Ele quer a nossa conversão. De fato, Cristo intercede por nós, e não somente intercede, Ele tem o poder, Ele é Cristo, Rei do Universo, Ele é nosso Salvador e Senhor e ordena que a sua palavra transforme a nossa alma. Na Missa deste domingo, estejamos com os ouvidos bem atentos para as palavras de Cristo, que diz: “Efatá”, a fim de que também saiamos curados e capazes de divulgar as boas obras do Senhor.

Oração. Ó Senhor Jesus, apresento-me diante de vós como o surdo do Evangelho deste domingo, para que vossa santa Palavra cure a minha enfermidade e faça de mim um incansável divulgador das vossas boas obras.

Propósito. — Convidar algum amigo ou parente que está longe da religião para participar de algum retiro ou da Santa Missa.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.