CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

E a nossa casa, ficará de pé?

“Quem ouve estas minhas palavras e as põe em prática, é como um homem prudente, que construiu sua casa sobre a rocha. Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos deram contra a casa, mas a casa não caiu, porque estava construída sobre a rocha”.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
(Mt 7, 21.24-27)

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos Céus, mas o que põe em prática a vontade de meu Pai que está nos céus. Portanto, quem ouve estas minhas palavras e as põe em prática, é como um homem prudente, que construiu sua casa sobre a rocha. Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos deram contra a casa, mas a casa não caiu, porque estava construída sobre a rocha. Por outro lado, quem ouve estas minhas palavras e não as põe em prática, é como um homem sem juízo, que construiu sua casa sobre a areia. Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos sopraram e deram contra a casa, e a casa caiu, e sua ruína foi completa!”

A nossa vida é a casa de que fala Jesus no Evangelho de hoje, e as chuvas, enchentes e ventos não são mais do que o juízo a que ela será submetida. Todos nós, com efeito, teremos de comparecer um dia diante do tribunal de Cristo, onde se há de aquilatar a qualidade desse grande projeto, o único importante, que é a nossa vida sobre a terra. Os que, quais homens prudentes, tiverem ouvido as palavras de Cristo e as posto em prática lhe apresentarão uma casa sólida, fundada sobre a rocha da verdade e da justiça; os que as tiverem ouvido sem, contudo, as pôr em prática têm a sua casa edificada sobre a areia: por isso, quando enfim chegar o dia do juízo, a sua ruína será completa. Não sabemos, é certo, se estaremos vivos quando o Senhor voltar em sua glória para julgar a vivos e mortos, mas podemos ter certeza de que, seja ainda neste mundo, seja depois da morte, a nossa casa será provada, a nossa vida será submetida a um crivo justíssimo. E para que a nossa fundação seja firme, para que a nossa casa possa subsistir contra toda provação, temos dois meios principais: o primeiro é ouvir de boa vontade a doutrina de Cristo, por mais incômodas e exigentes que sejam suas palavras, e o segundo é fazer todo o esforço possível por vivê-la integralmente: “Quem ouve estas minhas palavras”, afirma Ele referindo-se à totalidade do sermão da montanha, “e as põe em prática, é como um homem prudente, que construiu sua casa sobre a rocha”. São dois meios seguríssimos de estarmos prontos para o dia da borrasca, para as enchentes e ventanias que porão abaixo a obra dos insensatos, que preferem viver ou segundo seus próprios critérios ou segundo um “cristianismo” adaptado, sensaborão, envergonhado das verdades duras que o homem de hoje não quer, não digamos já suportar, mas nem sequer ouvir. Acolhamos neste Advento, tempo propício à revisão dos nossos atos e à conversão do nosso coração, as palavras com que Jesus, com santa e amorosa intransigência, nos fere os ouvidos e, confiantes no auxílio de sua graça, não deixemos para amanhã a construção de uma vida toda nova, cimentada na verdade do Evangelho e orientada ao nosso Sumo e único Bem.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.