CNP
Christo Nihil Praeponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

267. Embaixadores de Cristo

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
(Mt
10, 7-15)

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: "Em vosso caminho, anunciai: 'O Reino dos Céus está próximo'. Curai os doentes, ressuscitai os mortos, purificai os leprosos, expulsai os demônios. De graça recebestes, de graça deveis dar!

Não leveis ouro nem prata nem dinheiro nos vossos cintos; nem sacola para o caminho, nem duas túnicas nem sandálias nem bastão, porque o operário tem direito a seu sustento. Em qualquer cidade ou povoado onde entrardes, informai-vos para saber quem ali seja digno. Hospedai-vos com ele até a vossa partida.

Ao entrardes numa casa, saudai-a. Se a casa for digna, desça sobre ela a vossa paz. Se alguém não vos receber, nem escutar vossa palavra, saí daquela casa ou daquela cidade, e sacudi a poeira dos vossos pés. Em verdade vos digo, as cidades de Sodoma e Gomorra serão tratadas com menos dureza do que aquela cidade, no dia do juízo.

Ao enviar seus Apóstolos para pregar a Boa-nova do Reino, Jesus não se limita a confiar-lhes um encargo, uma função como outra qualquer; pede-lhes, antes de tudo, um estilo de vida condizente com o apostolado cristão. Como já meditamos noutra ocasião, os discípulos de Cristo — e, de forma bastante especial, os sacerdotes — têm de viver abandonados aos cuidados da Providência divina: "Não leveis ouro nem prata nem dinheiro nos vossos cintos". Esta entrega filial aos braços de Deus significa, em primeiro lugar, que a riqueza do apóstolo deve ser a sua pobreza: pobreza essa não somente material, mas sobretudo espiritual.

Com efeito, a própria palavra "apóstolo" (ἀπόστολος) — ou seja, "embaixador" (cf. 2 Cor 5, 20) — já é sinal dessa realidade: o apóstolo é aquele que, fazendo as vezes do seu emissário, tem a obrigação de comunicar uma mensagem que não é sua, mas daquele que o enviou. Ele nada tem de seu, nada considera como próprio, vive para ser a voz e o guardião dos interesses de seu rei e senhor. Assim também os bispos e os padres nada devem ter de seu: nem ouro nem prata nem nenhuma riqueza pessoal; são, como se costuma dizer, meros servos e ministros: celebram o sacrifício da Missa, que não é propriedade nem invenção sua; administram sacramentos, que não são seus; pregam, enfim, um Evangelho, que não é obra de homens.

É justamente nessa pobreza que reside a autoridade e o poder, vindos do alto, de curar os doentes, que sentem palpitar dentro de si a inclinação para o pecado; ressuscitar os mortos, que se deixaram sepultar pela iniquidade; purificar os leprosos, que, com sua vida pouco honesta, são escândalo e ocasião de pecado para os demais; e expulsar os demônios, ou seja, libertar os que já fizeram da maldade um estilo de vida. Peçamos, pois, a Deus que envie à sua messe trabalhadores com tais disposições, desapegados de si mesmos e das coisas do mundo. Que o Senhor, pela intercessão da Bem-aventurada e sempre virgem Maria, se digne dar à sua Igreja sacerdotes que vivam humildemente à altura de ser embaixadores em nome de Cristo.

Download do Material

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.