CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
(Mt 18, 21-35)

Naquele tempo, Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: “Senhor, quantas vezes devo perdoar, se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes?” Jesus respondeu: “Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete. Porque o Reino dos Céus é como um rei que resolveu acertar as contas com seus empregados. Quando começou o acerto, trouxeram-lhe um que lhe devia uma enorme fortuna. Como o empregado não tivesse com que pagar, o patrão mandou que fosse vendido como escravo, junto com a mulher e os filhos e tudo o que possuía, para que pagasse a dívida.

O empregado, porém, caiu aos pés do patrão, e, prostrado, suplicava: ‘Dá-me um prazo! E eu te pagarei tudo’. Diante disso, o patrão teve compaixão, soltou o empregado e perdoou-lhe a dívida.

Ao sair dali, aquele empregado encontrou um dos seus companheiros que lhe devia apenas cem moedas. Ele o agarrou e começou a sufocá-lo, dizendo: ‘Paga o que me deves’. O companheiro, caindo aos seus pés, suplicava: ‘Dá-me um prazo! E eu te pagarei’. Mas o empregado não quis saber disso. Saiu e mandou jogá-lo na prisão, até que pagasse o que devia.

Vendo o que havia acontecido, os outros empregados ficaram muito tristes, procuraram o patrão e lhe contaram tudo. Então o patrão mandou chamá-lo e lhe disse: ‘Empregado perverso, eu te perdoei toda a tua dívida, porque tu me suplicaste. Não devias tu também, ter compaixão do teu companheiro, como eu tive compaixão de ti?’ O patrão indignou-se e mandou entregar aquele empregado aos torturadores, até que pagasse toda a sua dívida. É assim que o meu Pai que está nos céus fará convosco, se cada um não perdoar de coração ao seu irmão”.

No Evangelho de hoje, S. Pedro pergunta a Jesus: “Quantas vezes devo perdoar, se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes?” Ao sugerir essa resposta, S. Pedro certamente pensava: “Estou sendo generoso: sete vezes! Imagine-se! A pessoa ofende-nos uma, duas, três, quatro… sete vezes; mas ainda assim lhe perdoamos”. Jesus, porém, lhe diz: “Não é isso. O perdão não tem limites”. Há que perdoar não sete vezes, mas até setenta vezes sete. Jesus, é claro, não está fazendo “contabilidade”, mas indicando que o perdão não tem limites. No entanto, o Senhor se refere menos à nossa atitude para perdoar aos outros que à de Deus para nos perdoar a nós. É por isso que, logo em seguida, Ele conta a parábola de um rei que decidira acertar dívidas com seus empregados. Vem um deles, que devia uma quantia enorme, suplica-lhe perdão e o alcança. Mas este mesmo empregado, após sair dali, vai cobrar uma ninharia a um seu colega, a quem lança na cadeia. Eis aí! Deus tem perdão infinito para conosco, e nós queremos ter perdão limitado para com o irmão. Deus nos perdoa setenta vezes sete vezes, e nós não queremos perdoar nem uma vez! É uma das coisas que se vê com muita frequência no confessionário. A pessoa vem ao confessionário reclamando de impaciência: “Mas também, padre, o senhor veja só, olhe a situação…”, e então começa a desfiar a injustiça de que se diz vítima. “Vê? É difícil não se magoar. Todos os dias ele fica repetindo isso, todos os dias faz aquilo… Que fazer?” Sim, é verdade, é difícil perdoar; mas é mais difícil ainda quando nos esquecemos que nós, antes de todos, somos objeto de perdão. Há aqui uma doença: a doença do esquecimento. Vejamos o servo da parábola do Evangelho: ele acabara de ser perdoado pelo rei, mas não tem gratidão nenhuma pelo perdão recebido, por isso começa a cobrar os outros. Assim somos nós muitas vezes. Alguém nos está irritando em casa, no trabalho, cometendo pequenas injustiças em sequência — aquela mania, aquele mau vezo, aquele negócio irritante. Vemos que a pessoa está errada, e ficamos alimentando uma panela de pressão dentro de nós, como se estivéssemos prestes a explodir. Mas por que explodimos? Por falta de memória. Se alguém nos está irritando, peçamos ao nosso anjo que nos recorde: “Jesus já me perdoou tantas vezes coisas piores! Senhor, por amor a vós, terei paciência; por amor a vós, vou perdoar”. Assim deve ser. Imaginemo-nos diante do trono de Deus: Jesus está sentado para julgar, e há uma longa fila de almas. A primeira delas é a pessoa que nos ofendia, e logo depois é nossa vez. Saibamos: Jesus irá tratar-nos como nós tivermos tratado aquela pessoa. E então? Que iremos pedir a Jesus? Que Ele aja com misericórdia ou que faça justiça? O que Jesus fizer com a pessoa que nos ofendeu, Ele o fará também conosco. Justiça ou misericórdia? É claro que pediremos misericórdia. “Com o mesmo peso com que medirdes, sereis medidos”! “Perdoai-nos as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido”! Ora, se queremos para nós perdão ilimitado, então demos perdão ilimitado para os outros, sejamos generosos no perdão, pacientes com os demais, porque Deus tem paciência conosco. Quantas vezes vamos ao confessionário, ajoelhamo-nos diante do padre para confessar o mesmo pecado que cometemos talvez desde a infância, e sempre encontramos Deus disposto a nos perdoar! Basta pedir perdão com sinceridade. Se vamos ao confessionário e pedimos perdão com sinceridade, com propósito de emenda e verdadeira contrição, Deus irá perdoar; Ele não tem limite, Deus tem paciência conosco. Suponhamos agora que um irmão que nos ofende não está arrependido nem nos pediu perdão, não tem propósito nenhum — “não está nem aí”. Mas nós podemos, em honra do perdão que Jesus nos deu, ter paciência com ele. Quem sairá ganhando? Nós! Porque, com isso, teremos o nosso coração configurado ao de Cristo, ao invés de ficarmos nos amargurando, a tomar o veneno da mágoa e do ressentimento. Aliás, a palavra “ressentimento”, em grego, é μνησικακία: é a memória do mal (κακός significa “mal”; o prefixo μνησι, “recordação”). Se nos fazem mal, e nos lembramos disso uma, duas, três… sete vezes, façamos também a recordação do bem, do perdão de Nosso Senhor: “Jesus, pode ser que algumas pessoas não mereçam meu perdão, mas vós o mereceis, porque me amastes. Em honra do perdão que me destes, eu as perdoarei”. “Perdoai-nos as nossas ofensas como nós perdoamos a quem nos tem ofendido”.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.