CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo 8,21-30)

Naquele tempo, disse Jesus aos fariseus: “Eu vou e vós me procurareis; entretanto morrereis no vosso pecado. Vós não podeis ir para onde eu vou”. Os judeus comentavam: “Será que ele quer se suicidar? Se não, como diz: ‘Vós não podeis ir para onde eu vou?’” E Jesus insistia: “Vós sois cá de baixo, eu sou lá do alto. Vós sois deste mundo, eu não sou deste mundo. Já vos disse: morrereis nos vossos pecados se não crerdes que Eu sou”. Interromperam-no: “Afinal, quem és tu?” Jesus continuou: “Desde o começo estou dizendo quem eu sou. Tenho muita coisa a dizer a respeito de vós e muito a condenar, mas aquele que me enviou é veraz e eu falo, no mundo, o que dele ouvi”. Não entenderam que era do Pai que ele lhes falava. Jesus afirmou: “Quando tiverdes levantado o Filho do homem, então sabereis que ‘Eu sou’, e nada faço por mim mesmo; mas falo assim como o Pai me ensinou. E quem me enviou está comigo, e não me deixou só, porque sempre faço o que lhe agrada”. Depois de ter falado isto, muitos creram nele.

No Evangelho de hoje, Jesus, que está prestes a ser crucificado, começa a narrar ao longo de sua subida a Jerusalém o gênero de morte que o espera. Muitos, sem nada compreender, pensam que Ele há de suicidar-se; o Senhor, porém, replica: “Quando tiverdes levantado o Filho do Homem, então sabereis que Eu sou”. As palavras de Cristo aludem aqui claramente à revelação do nome de Deus feita a Moisés (cf. Ex 3, 14). Recordemos primeiro os detalhes desse acontecimento vetero-testamentário. Encarregado de apascentar o rebanho de Jetro, seu sogro, Moisés acaba-o conduzindo certa feita para além do deserto; ali, na montanha de Horeb, havia uma sarça que ardia sem se consumir. Moisés então se aproxima, e dela sai uma voz: “Eu vi, eu vi a aflição do meu povo que está no Egito […]. Eu sou aquele que sou” (Ex 3, 7.14). Por iniciativa própria, Deus se revela como a plenitude do ser, como aquele que, estando em todos os lugares, está sempre presente ao homem: Ele é presença, e presença salvadora. Por isso, ao dizer: “Eu sou”, Jesus está afirmando ser presença salvífica; Ele é aquela mesma sarça ardente, consumida de um fogo abrasador de caridade — o Espírito Santo. A sua morte, em tudo verdadeira, matará a própria morte, como uma chama que faz arder tudo o que está em volta. Na oblação de Cristo, vítima voluntária, há vida, e vida em abundância. Também nós, durante este tempo de Quaresma, somos chamados a participar desse queimar sem se consumir. Como? Pela oração, pela esmola e pelo jejum, praticados com constância e, mais do que tudo, em estado de graça, lutando contra o pecado, causa de morte eterna. Que Jesus nos dê, portanto, a graça de vivermos em sua amizade esses últimos dias antes da Páscoa, na qual iremos nos associar à doação total de si que Ele fará no madeiro da cruz.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.