Memória do Coração Eucarístico de Jesus
CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

Memória do Coração Eucarístico de Jesus

O Coração Eucarístico de Jesus é o símbolo do amor supremo pelo qual Nosso Senhor, deixando à Igreja o dom mais precioso de sua caridade, instituiu o sacramento da Eucaristia, a fim de permanecer sempre conosco.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas

(Lc 22, 14-20)

Quando chegou a hora, Jesus se pôs à mesa com os apóstolos e disse: “Desejei ardentemente comer convosco esta ceia pascal, antes de sofrer. Pois eu vos digo que nunca mais a comerei, até que ela se realize no Reino de Deus”. Então Jesus tomou um cálice, deu graças e disse: “Tomai este cálice e reparti entre vós; pois eu vos digo que, de agora em diante, não mais beberei do fruto da videira, até que venha o Reino de Deus”. A seguir, Jesus tomou um pão, deu graças, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo: “Isto é o meu corpo, que é dado por vós. Fazei isto em memória de mim”. Depois da ceia, Jesus fez o mesmo com o cálice, dizendo: “Este cálice é a nova aliança em meu sangue, que é derramado por vós”.

Nós celebramos hoje uma memória devocional que não está no calendário universal da Igreja, mas que é muito querida e estimada: trata-se da memória do Coração Eucarístico de Jesus. Na sexta-feira passada, nós celebramos o Coração de Jesus, que consiste no amor de Jesus por nós. Santa Margarida Maria de Alacoque, quando recebeu a revelação do Sagrado Coração de Jesus, estava diante do Santíssimo, numa noite de quinta-feira, exatamente o dia em que Jesus instituiu a Eucaristia — este sacramento no qual Jesus recebe as maiores das ofensas.

Jesus, Deus Santíssimo, fez-se homem para nos amar e, tendo amado os seus, amou-os até o fim e entregou-se completamente no sacramento da Eucaristia. Quando, na Última Ceia, São João se reclinou no peito de Jesus, ele estava reclinando-se sobre o Coração de Jesus, o Coração Eucarístico de Jesus que, querendo entregar-se a nós, disse aos Apóstolos: “Tomai, isto é o meu corpo. Bebei, isto é meu sangue”.

São João d’Ávila, Doutor da Igreja, recorda-nos que a forma mais fácil de mover as pessoas é movê-las por amor. Claro, você pode mover uma criancinha dando a ela um bombom. Ela vem contente e alegre, porque ela quer o bombom. E, então, Deus querendo mover o nosso coração, nos dá seus benefícios e suas graças. Porém, São João d’Ávila diz que o que mais move o coração humano não é quando se dá a ele um benefício ou um presente, por pequeno ou grande que seja; o que mais move as pessoas é quando alguém dá a si mesmo. Esse é o maior ato de amor, o amor que move o universo. 

Deus, que nos ama, não nos quer dar somente os seus benefícios; Ele quer dar a si mesmo, Ele quer se doar a nós porque sabe que disso depende a nossa felicidade, que consiste em acolhermos esse amor bendito de Deus que se doa e se entrega. E isso nós encontramos plenamente no sacramento da Eucaristia. Nela, o Coração de Jesus palpita de amor por nós, doando-se e entregando-se. É o próprio Deus que se faz dom e entrega-se a nós, porque sabe que, desse modo, Ele irá mover o nosso coração para amá-lo de volta, e só com isso seremos felizes.

Meus queridos, Deus quer a nossa felicidade no céu. Mas, para que a alcancemos, precisamos reconhecer esse dom de amor, Deus que se doa. Jesus mostrou isso de forma extraordinária na Cruz. Na Cruz nós vemos Jesus que dá o seu Corpo e Sangue: “Isto é o meu corpo que é dado. Este é o cálice do meu sangue derramado por vós”. Nela, encontra-se a mais completa prova de amor de Deus. E, para perpetuar essa doação, para que nós tivéssemos sempre acesso a essa bondade, Jesus, na ceia anterior à sua morte na Cruz, instituiu o sacramento da Eucaristia, numa quinta-feira como hoje.

Que amor, que amor enorme fez com que Ele instituísse a Eucaristia! Um pouco desse amor deve ter experimentado São João quando se reclinou no peito de Jesus. Que palpitações de amor daquele que, em pouco tempo, estaria subindo o Getsêmani para suar sangue por nós; estaria sendo acorrentado, julgado, flagelado, coroado de espinhos, escarnecido, crucificado, transpassado e morto. Que amor grandioso levou Nosso Senhor a fazer tudo isso!

No Coração Eucarístico de Cristo havia amor suficiente para suportar a Paixão. Jesus ficou pregado na Cruz somente três horas, mas havia amor suficiente para que Ele ficasse pregado até o fim dos séculos. Jesus morreu uma vez por todos os seres humanos, pelos bilhões e bilhões de seres humanos que viriam a existir, mas ali havia amor suficiente para morrer por cada um individualmente, quantos bilhões de vezes fossem necessários!

Esse amor que Jesus tinha em seu Coração, nós o podemos experimentar a cada vez que comungamos. Celebrar o Coração Eucarístico de Jesus é celebrar esse amor com que Jesus nos amou no Calvário, mas também com que nos ama ainda no sacrário. Aqueles que se devotam à adoração eucarística fazem muito bem porque estão, com esse ato, retribuindo o amor dado por Jesus a nós. No sacrário, Ele está dizendo: “Eis o meu Corpo que é dado. Eu vos amo”. Diante disso, como não reagir amorosamente a esse amor tão grande? Não iremos amar de volta esse Coração Eucarístico transbordante de amor?

É isso que nós fazemos essa comemoração devocional do Coração Eucarístico de Nosso Senhor Jesus Cristo. Se você gostaria que ela fosse celebrada na sua paróquia, ou se você é padre e gostaria de celebrá-la, temos em nosso site um formulário da Missa do Coração Eucarístico de Jesus, tanto na Forma Ordinária quanto na Forma Extraordinária do Rito Romano.

Texto do episódioComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.