CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

30. O amor de misericórdia

Jesus é o bom samaritano que, descendo de Jerusalém (isto é, do Céu), dirige-se a Jericó e depara no caminho com um homem surrado, espoliado, quase morto à beira da estrada; por outro, somos nós este pobre miserável, chagado pelo pecado.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc
10, 25-37)

Naquele tempo, um mestre da Lei se levantou e, querendo pôr Jesus em dificuldade, perguntou: "Mestre, que devo fazer para receber em herança a vida eterna?"

Jesus lhe disse: "Que está escrito na Lei? Como lês?" Ele então respondeu: "Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração e com toda a tua alma, com toda a tua força e com toda a tua inteligência; e a teu próximo como a ti mesmo!"

Jesus lhe disse: "Tu respondeste corretamente. Faze isso e viverás". Ele, porém, querendo justificar-se, disse a Jesus: "E quem é o meu próximo?"

Jesus respondeu: "Certo homem descia de Jerusalém para Jericó e caiu nas mãos de assaltantes. Estes arrancaram-lhe tudo, espancaram-no, e foram-se embora deixando-o quase morto.

Por acaso, um sacerdote estava descendo por aquele caminho. Quando viu o homem, seguiu adiante, pelo outro lado. O mesmo aconteceu com um levita: chegou ao lugar, viu o homem e seguiu adiante, pelo outro lado.

Mas um samaritano que estava viajando, chegou perto dele, viu e sentiu compaixão. Aproximou-se dele e fez curativos, derramando óleo e vinho nas feridas. Depois colocou o homem em seu próprio animal e levou-o a uma pensão, onde cuidou dele. No dia seguinte, pegou duas moedas de prata e entregou-as ao dono da pensão, recomendando: "Toma conta dele! Quando eu voltar, vou pagar o que tiveres gasto a mais".

E Jesus perguntou: "Na tua opinião, qual dos três foi o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes?" Ele respondeu: "Aquele que usou de misericórdia para com ele". Então Jesus lhe disse: "Vai e faze a mesma coisa".

O Evangelho de hoje, em harmonia com a memória de Santa Faustina Kowalska, apóstola da divina misericórdia, nos apresenta o episódio do bom samaritano. Esta parábola, embora no imaginário popular tenha adquiro um tom algo moralista, é interpretada por muitos Santos Padres em chave cristológica: por um lado, Jesus é o bom samaritano que, descendo de Jerusalém (isto é, do Céu), dirige-se a Jericó e depara no caminho com um homem surrado, espoliado, quase morto à beira da estrada; por outro, somos nós este pobre miserável, chagado pelo pecado. É Cristo, pois, quem em primeiro lugar vem ter conosco para nos limpar e curar.

Nesse sentido, o versículo 33 é bastante revelador: "Mas um samaritano que estava viajando, chegou perto dele, viu e sentiu compaixão." Trata-se da compaixão do próprio Jesus, do próprio Deus. Mas este mover-se de compaixão tem, no original grego, uma força expressiva bastante peculiar: o verbo ἐσπλαγχνίσθη (de 'σπλαγχνίζομαι') tem o sentido de mover-se desde as entranhas; é um amor por assim dizer visceral, que move no mais fundo do ser. Também o termo hebraico "rahamim" expressa de modo abstrato, mas não menos vivo, uma piedade que move as entranhas, que brota do útero ("rehem"). E este é o amor de Deus para com o seu povo: é um amor encarnado, um amor de verdadeira misericórdia.

Esse amor, com efeito, supõe um desnível entre o amante e o amado. O primeiro se rebaixa, se compadece entranhadamente do segundo e, por isso, se põe no lugar dele. É de fato um amor em si mesmo afetivo, que experimenta o que o amado sofre. Deus, que se fez carne e assumiu a nossa condição mortal, sabe perfeitamente quais são as nossas angústias, quais as nossas dores; Ele, melhor do que ninguém, pode compadecer-se realmente de nós. Este amor que Deus tem por nós não é, contudo, tão-somente afetivo; é também um amor efetivo e conforme à razão: pois Deus tem não apenas compaixão, mas uma atitude concreta de vir em nosso socorro para nos administrar o remédio de que precisamos. É o que faz o bom samaritano: ele, compadecido, leva consigo o pobre espoliado, acomoda-o numa pousada e toma para si todas as custas do seu cuidado.

Essa compaixão que Deus, com coração incansável, nos dispensa deve modelar o nosso amor pelos demais, especialmente por aqueles que mais necessitam de nossa ajuda, seja material, seja espiritual.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.