CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
(Mt 4,18-22)

Naquele tempo, quando Jesus andava à beira do mar da Galileia, viu dois irmãos: Simão, chamado Pedro, e seu irmão André. Estavam lançando a rede ao mar, pois eram pescadores. Jesus disse a eles: “Segui-me, e eu farei de vós pescadores de homens”. Eles imediatamente deixaram as redes e o seguiram. Caminhando um pouco mais, Jesus viu outros dois irmãos: Tiago, filho de Zebedeu, e seu irmão João. Estavam na barca com seu pai Zebedeu, consertando as redes. Jesus os chamou. Eles imediatamente deixaram a barca e o pai, e o seguiram.

Celebramos hoje a Festa de Santo André, Apóstolo, irmão de São Pedro.

Jesus Cristo, que escolheu doze discípulos dentre os seus vários seguidores, para que estivessem com Ele de mais perto (cf. Mc 3,14), ao longo de sua vida aqui na terra deu mostras de uma especial predileção por quatro Apóstolos: São João e São Tiago, filhos de Zebedeu, por um lado; Santo André e São Pedro, por outro. Esses dois pares de irmãos presenciaram os momentos mais importantes da vida do Senhor: a ressurreição da filha de Jairo, a Transfiguração e a agonia mortal no Horto das Oliveiras.

Ora, dado que Deus tem os seus prediletos, escolhidos a dedo para o bem dos outros, e nunca age sem uma razão conveniente, pode-se dizer que Jesus escolheu estes irmãos, propondo-os como modelo a ser imitado pelos outros fiéis, porque em cada um deles resplandecem as virtudes em que mais nos devemos exercitar.

São João, com efeito, é o Apóstolo da contemplação, da devoção filial à Virgem Maria, da perseverança aos pés da Cruz, da intimidade com o Coração Sagrado de Nosso Senhor. São Pedro, ao contrário, é o Apóstolo da ação, da fé operante, da evangelização sem fronteiras. Santo André, por sua vez, é o Apóstolo da cruz, da perfeita configuração com o Cristo que sofre: ele, unindo-se à Paixão do Mestre, foi crucificado em uma crux decussata, ou seja, em forma de xis.

Santo André participou, assim, na própria carne do mistério da Paixão redentora de Nosso Senhor e, desse modo, seguiu o único caminho, aberto por Ele, que todos nós devemos percorrer antes de entrarmos na glória da Ressurreição.

Que este santo Apóstolo interceda hoje por nós e nos alcance as graças necessárias para abraçarmos a cruz quando, como e onde o Senhor quiser.

O que achou desse conteúdo?

0
0
Mais recentes
Mais antigos
Texto do episódio
Comentários dos alunos