CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

O culto ao próprio umbigo

Nada é mais pernicioso à vida cristã do que uma intenção torcida, que faz passar por devoção e zelo religioso o desejo, oculto e nem sempre confessado, de cultuar a própria imagem, fazendo de Deus um espectador da nossa “virtude” e um mordomo dos nossos caprichos.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc 6,6-11)

Aconteceu num dia de sábado que, Jesus entrou na sinagoga, e começou a ensinar. Aí havia um homem cuja mão direita era seca. Os mestres da Lei e os fariseus o observava, para ver se Jesus iria curá-lo em dia de sábado, e assim encontrarem motivo para acusá-lo. Jesus, porém, conhecendo seus pensamentos, disse ao homem da mão seca: “Levanta-te, e fica aqui no meio”. Ele se levantou, e ficou de pé. Disse-lhes Jesus: “Eu vos pergunto: O que é permitido fazer no sábado: o bem ou o mal, salvar uma vida ou deixar que se perca?” Então Jesus olhou para todos os que estavam ao seu redor, e disse ao homem: “Estende a tua mão”. O homem assim o fez e sua mão ficou curada. Eles ficaram com muita raiva, e começaram a discutir entre si sobre o que poderiam fazer contra Jesus.

No Evangelho de hoje, Jesus está num sábado na sinagoga, e “havia um homem cuja mão direita era seca”. Aqui está descrito o cenário visível. Mas existe algo nesse relato que só Jesus vê: o coração das pessoas. O Evangelho nos diz que “os mestres da Lei e os fariseus o observavam, para ver se Jesus iria curá-lo em dia de sábado, e assim encontrar motivo para acusá-lo”, ou seja, aqui há uma malícia dos mestres da Lei e dos fariseus.

Jesus, “conhecendo os seus pensamentos”, como que provocando os mestres da Lei e os fariseus, chama o homem da mão seca e o coloca no meio. Jesus, aqui, está desmascarando o pensamento dos corações maldosos e então faz o seu ensinamento: o ensinamento da realidade de que o amor, a caridade, é uma lei muito superior à observância do sábado. Na verdade, a observância do sábado é um instrumento para que nós amemos a Deus com amor de caridade e — é evidente — essa caridade transborde no amor aos irmãos. Aqui está a malícia desses corações que são, no fundo, corações assassinos, corações que rejeitam Jesus.

O Evangelho conclui assim: “Eles ficaram com muita raiva e começaram a discutir entre si sobre o que poderiam fazer contra Jesus”. Eis aí, descrito o Evangelho para que você enxergue verdadeiramente o que está lá. Apliquemos isso à nossa vida. Em primeiro lugar, você precisa considerar que nem sempre, quando estamos fazendo coisas boas, observando a Lei de Deus, a intenção do nosso coração é completamente reta.

Essa é uma das realidades mais importantes que nós podemos aprender com esse Evangelho. Os mestres da Lei e os fariseus estavam observando a Lei de Deus, e observando-a na sua literalidade: eles se reuniam na sinagoga, liam a Palavra de Deus, não trabalhavam no sábado; mas, apesar disso, apesar de estarem seguindo a literalidade da Lei, o coração deles estava muito afastado de Deus.

Isso é algo contra o qual nós devemos nos precaver, porque isso acontece de forma imperceptível. Ou seja, pode acontecer que, na observância da Lei que inicialmente até podia ser reta e bem intencionada, por amor a Deus, nós nos esqueçamos de Deus. Depois do esquecimento de Deus, passamos para o esquecimento cada vez mais radical da caridade e transformamos algo que Deus estabeleceu para nos unir a Ele num sistema idolátrico onde, na verdade, matamos Jesus, como os fariseus e os mestres da Lei no Evangelho de hoje.

Então, façamos o nosso exame de consciência. Como vai a nossa vida espiritual? Estamos focados no único necessário, que é a nossa união com Cristo, no amor por Ele. Estamos dispostos a renunciar a nós mesmos, para nos unir a Ele, ou estamos transformando a nossa vida espiritual de modo que o centro seja o nosso umbigo: “Seja feita a minha vontade, que Jesus esteja a meu serviço, que Deus satisfaça os meus caprichos, que o Espírito Santo seja escravo de minhas veleidades”?

Meus irmãos, é possível ter uma vida toda material e externamente boa, tranquila, religiosa, piedosa e, por dentro, viver em função de um sistema ímpio. “Jesus, porém, conhecendo seus pensamentos, disse ao homem da mão seca: ‘Levanta-te, e fica aqui no meio’”. Ao fazer isso, Cristo está colocando no meio — no centro — a nossa miséria, como quem diz: “Veja! Veja quem você é, deixe-me fazê-lo passar essa vergonha”, para entender que, piedosos e bondosos que somos na aparência, às vezes estamos nos afastando de Deus, porque estamos nos distanciando do único necessário, a união com Nosso Senhor que transborda no amor ao próximo.

Texto do episódio
Comentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.