CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
(Mt
8, 18-22)

Naquele tempo, vendo uma multidão ao seu redor, Jesus mandou passar para a outra margem do lago. Então um mestre da Lei aproximou-se e disse: "Mestre, eu te seguirei aonde quer que tu vás".

Jesus lhe respondeu: "As raposas têm suas tocas e as aves dos céus têm seus ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça". Um outro dos discípulos disse a Jesus: "Senhor, permite-me que primeiro eu vá sepultar meu pai". Mas Jesus lhe respondeu: "Segue-me, e deixa que os mortos sepultem os seus mortos".

No Evangelho de hoje, Jesus é interpelado por duas personagens que O desejam seguir. A primeira, um escriba, aproxima-se dEle e diz: "Mestre, eu te seguirei aonde quer que tu vás". Cristo, lendo-lhe o íntimo do coração, não o rejeita de pronto; antes, mostra-lhe quais disposições devem ter os seus seguidores: "As raposas têm suas tocas e as aves dos céus têm seus ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça", ou seja: para segui-lO, é preciso estar disposto a não ter sequer como cuidar do corpo; nossa entrega, portanto, deve ser total. A segunda personagem, já pertencente ao grupo dos discípulos, achega-se a Ele para pedir: "Senhor, permite-me que primeiro eu vá sepultar meu pai". Cristo, no entanto, diz-lhe que nenhum cuidado temporal, nem mesmo a piedade paterna, deve desviar aquele que é chamado a pregar o Evangelho. Por isto, diz em seguida: "Segue-me, e deixa que os mortos sepultem os seus mortos"; São Lucas é ainda mais específico: "Deixa que os mortos enterrem seus mortos; tu, porém, vai e anuncia o Reino de Deus" (Lc 9, 60).

Para irmos um pouco além do sentido literal, vejamos a interpretação moral que São Gregório Magno faz desta passagem (cf. Moralia, XIX, 1). Ao responder ao mestre da Lei, Jesus se serve de uma analogia: as raposas têm suas tocas; as aves do céu, seus ninhos; o Filho do Homem, contudo, não tem onde descansar. As raposas, por um lado, são animais astutos: vivem, sorrateiras, em covas ou buracos, não andam com passo reto, preferindo os caminhos tortos e sinuosos; as aves, por outro, sobem até ao alto do céu e olham para quem está cá na terra com ar sobranceiro e emproado. As raposas representam a fraude, o engano; as aves, a soberba, o orgulho. Assim, todos estes vícios encontram maneira de se instalar em nosso coração: ali fazem suas tocas e seus ninhos; Jesus, porém, não podendo achar descanso numa alma soberba, "não tem onde reclinar a cabeça". Esta leitura de São Gregório deve levar-nos a refletir: acaso o meu coração tem sido toca e abrigo de "raposas" e de "aves", de vícios como a mentira, o orgulho, a astúcia etc.? Há em mim lugar para Cristo repousar e vir, com o Pai, fazer a sua morada (cf. Jo 14, 23)?

Coloquemo-nos hoje na presença do Senhor sacramentado e, de alma aberta, peçamos a Ele que nos mostre quais têm sido os nossos apegos, com quais pecados e imperfeições temos sido coniventes, em que pontos podemos lutar com mais empenho. Imploremos também o auxílio de nossa Mãe e Senhora, para que Ela nos ajude a abrir cada vez mais espaço em nosso coração para o seu Filho amado, o único que deve reinar, soberano, em nossa vida: "Regnare Christum volumus! Queremos que Cristo reine" (São Josemaria Escrivá, Forja, n. 639).

Material para Download
Texto do episódio
Material para download
Comentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.