CNP
Christo Nihil Praeponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

318. O segredo das boas obras

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc
6, 6-11)

Aconteceu num dia de sábado que Jesus entrou na sinagoga, e começou a ensinar. Aí havia um homem cuja mão direita era seca. Os mestres da Lei e os fariseus o observavam, para ver se Jesus iria curá-lo em dia de sábado, e assim encontrarem motivo para acusá-lo. Jesus, porém, conhecendo seus pensamentos, disse ao homem da mão seca: "Levanta-te, e fica aqui no meio". Ele se levantou, e ficou de pé. Disse-lhes Jesus: "Eu vos pergunto: O que é permitido fazer no sábado: o bem ou o mal, salvar uma vida ou deixar que se perca?"

Então Jesus olhou para todos os que estavam ao seu redor, e disse ao homem: "Estende a tua mão". O homem assim o fez e sua mão ficou curada. Eles ficaram com muita raiva, e começaram a discutir entre si sobre o que poderiam fazer contra Jesus.

A perícope que o Evangelho desta segunda-feira nos propõe é bastante reveladora. Além de nos recordar que as ações de Nosso Senhor, longe de se reduzirem à sua mera factualidade histórica, contêm um ensinamento espiritual dirigido às almas de todos os tempos e lugares, o episódio do homem de mão ressequida nos desperta para o fato de haver em todos nós uma profunda e radical impotência para fazer o bem. Foi que a Igreja nos ensinou ao condenar, no século V d.C., a heresia pelagiana. Contemporâneo de Santo Agostinho e espírito de dura ascese, um monge de nome Pelágio ousou ensinar que o ser humano, sendo por si só capaz de alcançar a eterna salvação, tem em Cristo apenas um modelo de como agir bem: para Pelágio, com efeito, Jesus seria tão-somente o caminho a seguir, mas não a vida que nos permite trilhá-lo. No entanto, é de fé ortodoxa que, depois da Queda, o homem tornou-se radicalmente incapaz de fazer o bem como convém à consecução da vida eterna, razão por que lhe é absolutamente necessário o auxílio da graça divina, representado na cura que hoje vimos Cristo operar: "Estende a tua mão", disse Ele. "O homem assim o fez e sua mão ficou curada", isto é, tornou-se hábil de novo para fazer o que lhe compete.

Ao realizar este prodígio em dia de sábado, o Senhor também nos ensina que, se não tivermos vida de oração — de verdadeira intimidade com Deus —, não receberemos dEle as graças de que tanto precisamos para amá-lO e servi-lO. Temos, pois, de rogar ao nosso amado Pai celeste, com súplicas incessantes, que se digne derramar sobre nossos pobres corações a graça de O podermos amar como Ele é digno de ser amado, de O podemos servir como Ele quer ser servido, de O podermos adorar como Ele tem direito de ser adorado, porque, sem Ele, nada podemos fazer (cf. Jo 15, 5).

Download do Material

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.