CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

Aproveite a nossa maior promoção do ano!

Descontos regressivos:
quanto antes você assinar, maior o desconto. A partir de 45% na assinatura anual.

  • Descontos diminuem com o tempo;
  • Quanto antes você assinar, maior o desconto;
  • Mais de 40 cursos à sua disposição;
  • Acesso a transmissões exclusivas para alunos;
  • Participação nos sorteios de assinaturas vitalícias (de 14 a 21 de novembro);
Assine agora
  • 38
  • 39
  • 40
  • 41
  • 42
  • 43
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
(Mt 13, 31-35)

Naquele tempo, Jesus contou-lhes outra parábola: “O Reino dos Céus é como uma semente de mostarda que um homem pega e semeia no seu campo. Embora ela seja a menor de todas as sementes, quando cresce, fica maior do que as outras plantas. E torna-se uma árvore, de modo que os pássaros vêm e fazem ninhos em seus ramos”. Jesus contou-lhes ainda uma outra parábola: “O Reino dos Céus é como fermento que uma mulher pega e mistura com três porções de farinha, até que tudo fique fermentado”. Tudo isso Jesus falava em parábolas às multidões. Nada lhes falava sem usar parábolas, para se cumprir o que foi dito pelo profeta: “Abrirei a boca para falar em parábolas; vou proclamar coisas escondidas desde a criação do mundo”.

As parábolas que Jesus nos conta hoje no Evangelho, a do grão de mostarda e a do fermento no meio da massa, têm uma finalidade clara: mostrar a força e a dinâmica interior da Palavra de Deus, que, uma vez acolhida como convém, gera um efeito muito maior do que poderíamos esperar. É o que indica a relação de contraste entre a pequenez do grão de mostarda e a grandeza do arbusto já crescido, de um lado, e a porção quase irrisória de fermento misturada em três fartas porções de farinha, de outro. Essa imagens querem fazer-nos ver que o Evangelho, nas palavras de S. Paulo, “é uma força vinda de Deus para a salvação de todo o que crê” (Rm 1, 16), ou seja, é por pequenos e constantes atos de fé, repetidos a cada oração e comunhão eucarística, que vamos crescendo em santidade e nos transformando em Cristo, Nosso Senhor. A oração, ao menos a princípio, parece algo inócuo, inútil, sem resultados visíveis; mas se formos persistentes, rezando todos os dias, ainda que durante poucos minutos, veremos o quanto pode crescer em nós a semente da graça, o fermento do amor a Deus. Esse crescimento, porém, só acontecerá se tivermos de verdade: “Para salvação de todo o que crê”, lembremos as palavras do Apóstolo. Sem isso, a nossa oração será puro exercício mental e a nossa comunhão, um hábito estéril e sem sentido, pois quem “come e o bebe sem distinguir o corpo do Senhor, come e bebe a sua própria condenação” (1Cor 11, 29). Que Deus nos dê, pois, a fé necessária para rezarmos com proveito e comungarmos com toda devoção, de modo que, semeados e fermentados de graça divina, possamos crescer dia após dia, até chegarmos à estatura da maturidade de Cristo (cf. Ef 4, 13).

Material para Download
Texto do episódio
Material para download
Comentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.