CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
(Mc 12,1-12)

Naquele tempo, Jesus começou a falar aos sumos sacerdotes, mestres da Lei e anciãos, usando parábolas: “Um homem plantou uma vinha, cercou-a, fez um lagar e construiu uma torre de guarda. Depois arrendou a vinha a alguns agricultores, e viajou para longe. Na época da colheita, ele mandou um empregado aos agricultores para receber a sua parte dos frutos da vinha.
Mas os agricultores pegaram no empregado, bateram nele, e o mandaram de volta sem nada. Então o dono da vinha mandou de novo mais um empregado. Os agricultores bateram na cabeça dele e o insultaram. Então o dono mandou ainda mais outro, e eles o mataram. Trataram da mesma maneira muitos outros, batendo em uns e matando outros. Restava-lhe ainda alguém: seu filho querido. Por último, ele mandou o filho até aos agricultores, pensando: ‘Eles respeitarão meu filho’. Mas aqueles agricultores disseram uns aos outros: ‘Esse é o herdeiro. Vamos matá-lo, e a herança será nossa. Então agarraram o filho, o mataram, e o jogaram fora da vinha. Que fará o dono da vinha? Ele virá, destruirá os agricultores, e entregará a vinha a outros. Por acaso, não lestes na Escritura: ‘A pedra que os construtores deixaram de lado, tornou-se a pedra mais importante; isso foi feito pelo Senhor e é admirável aos nossos olhos’?”
Então os chefes dos judeus procuraram prender Jesus, pois compreenderam que havia contado a parábola para eles. Porém, ficaram com medo da multidão e, por isso, deixaram Jesus e foram-se embora.

No Evangelho de hoje, Jesus conta a parábola dos vinhateiros assassinos, e os líderes do povo judeu entendem que a parábola fala deles. O problema é que, quando nós lemos a parábola, achamos que ela não fala de nós. Na verdade, ela se dirige também a nós, porque também nós matamos Jesus. Sim, porque Ele, ao morrer na Cruz, tomou sobre si os nossos pecados. Ele morreu em nosso favor, “propter nos”, e por causa de nós.

Em cada pecado que realizamos, lançamos sobre os ombros de Jesus as dores e os flagelos que Ele sofreu dois mil anos atrás ao morrer na Cruz por nós. Essa é uma realidade mística que precisamos compreender. Precisamos compreender que, com os nossos pecados, não estamos somente, quais algozes, fazendo Cristo ser verdadeiramente torturado e sofrer na Cruz por ter visto os nossos pecados, senão que, além disso, com os nossos pecados, estamos matando a Cristo em nós.

São duas realidades que se resumem numa só. É uma realidade histórica: de fato, os meus pecados hoje, misteriosamente, estão envolvidos naquela que foi a condenação do maior inocente dois mil anos atrás; portanto, podemos dizer que matamos Jesus. A segunda coisa é que, hoje, Cristo está sendo formado em nós, e essa realidade em que nos conformamos a Cristo Senhor é destruída quando pecamos. Ou seja: em realidade, matamos a Jesus também atualmente, de alguma forma.

Tentemos enxergar as duas realidades bem concretamente. Primeiro, a de dois mil anos atrás. Há dois mil anos, Jesus morreu pelos nossos pecados, e morreu exatamente para nos livrar deles. Ao fazer isso, Deus deu ao homem Jesus — sim, porque Jesus é Deus que se fez homem — a capacidade de contemplar em sua alma toda a história pecaminosa da humanidade e receber sobre si todas as dores. É isso o que está suposto quando, por exemplo, se diz na devoção ao Sagrado Coração de Jesus que precisamos “desagravar”, ou seja, consolar o Coração de Jesus. Sim, Jesus, no Céu, não precisa de consolação, porque já não sofre; mas quando fazemos obras boas, quando amamos a Deus, estamos consolando bem concretamente o Coração de Jesus na Paixão, estamos enxugando-lhe o suor de sangue, estamos aliviando-lhe as dores, porque, na Cruz, Ele viu não somente os meus pecados, mas também o meu amor.

Segundo ponto: é o fato de estarmos tão intimamente ligados a Jesus por meio do Batismo, como membros do seu Corpo, que, quando rezamos e fazemos obras boas, crescemos espiritualmente, e Cristo vai sendo formado em nós, até chegarmos à estatura dele, ou seja, à plenitude do homem espiritual que vemos nos santos.

Sempre que pecamos gravemente, levamos novamente para o chão o santo que está sendo construído, a santidade que está sendo realizada dentro de nós. Se, ao ouvirem a parábola dos vinhateiros assassinos, os chefes dos judeus entenderam que era deles que se falava, não vamos entender que nela se fala também de nós?

Texto do episódio
Comentários dos alunos
Comentários 0
Mais recentes
Mais antigos