CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
(Mc 6, 34-44)

Naquele tempo, Jesus viu uma numerosa multidão e teve compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor. Começou, pois, a ensinar-lhes muitas coisas. Quando estava ficando tarde, os discípulos chegaram perto de Jesus e disseram: “Este lugar é deserto e já é tarde. Despede o povo para que possa ir aos campos e povoados vizinhos comprar alguma coisa para comer”. Mas Jesus respondeu: “Dai-lhes vós mesmos de comer”. Os discípulos perguntaram: “Queres que gastemos duzentos denários para comprar pão e dar-lhes de comer?” Jesus perguntou: “Quantos pães tendes? Ide ver”. Eles foram e responderam: “Cinco pães e dois peixes”. Então Jesus mandou que todos se sentassem na grama verde, formando grupos. E todos se sentaram, formando grupos de cem e de cinquenta pessoas. Depois Jesus pegou os cinco pães e os dois peixes, ergueu os olhos para o céu, pronunciou a bênção, partiu os pães e ia dando aos discípulos, para que os distribuíssem. Dividiu entre todos também os dois peixes. Todos comeram, ficaram satisfeitos, e recolheram doze cestos cheios de pedaços de pão e também dos peixes. O número dos que comeram os pães era de cinco mil homens.

No Evangelho de hoje, Jesus multiplica cinco pães e dois peixes e alimenta com esse pouco a cinco mil homens. O evangelista S. Marcos, como é do seu feitio, começa a narrativa desse episódio com a seguinte observação psicológica: “Jesus viu uma numerosa multidão e teve compaixão” (v. 34). O Evangelho nos abre, assim, para a dimensão compassiva do Coração de Cristo, que não se limita a ter pena dos homens, mas a fazer suas as necessidades deles. Ele se compadece, não só por saber o que nos faz falta, mas por ter-se disposto a sofrer conosco, a carecer do necessário, a passar fome e frio, a não ter onde repousar a cabeça (cf. Mt 8, 20). As entranhas de misericórdia que nos descreve hoje o evangelista apontam, pois, para a realidade da Encarnação do Verbo, que assumiu uma humanidade em tudo igual à nossa, exceto no pecado, pela qual Ele pôde vir ao mundo e viver a nossa vida, com todas as dificuldades que lhe são inerentes. Pensemos, por exemplo, nos trinta anos de vida oculta que Ele levou em Nazaré. Como todo trabalhador humilde, Jesus levantava-se ao cantar do galo, ainda extenuado dos trabalhos da jornada anterior; comia o pouco de pão que a Virgem Maria preparava com todo o cuidado; assistia S. José em seus afazeres na carpintaria; cumpria, enfim, seus deveres como um judeu piedoso, e foi por ter passado por tudo o que passamos que Ele podia, com o seu Coração de carne, ter compaixão de nós, que somos ovelhas sem pastor, pois precisamos de alimento e segurança: alimento não só para o corpo, mas para a alma, que está sempre faminta de verdade; segurança não só contra os perigos da vida, mas contra os ataques e as mentiras do demônio. Por isso, renovemos hoje a nossa fé naquelas palavras do autor da Epístola aos Hebreus: “Não temos nele”, em Jesus Cristo, “um pontífice incapaz de compadecer-se das nossas fraquezas. Ao contrário, passou pelas mesmas provações que nós, com exceção do pecado. Aproximemo-nos, pois, confiadamente do trono da graça”, ao nos alimentarmos hoje da S. Eucaristia, “a fim de alcançar misericórdia e achar a graça de um auxílio oportuno” (Hb 4, 15-16).

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.