CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo
6, 16-21)

Ao cair da tarde, os discípulos desceram ao mar. Entraram na barca e foram em direção a Cafarnaum, do outro lado do mar. Já estava escuro, e Jesus ainda não tinha vindo ao encontro deles.

Soprava um vento forte e o mar estava agitado. Os discípulos tinham remado mais ou menos cinco quilômetros, quando enxergaram Jesus, andando sobre as águas e aproximando-se da barca. E ficaram com medo.

Mas Jesus disse: "Sou eu. Não tenhais medo". Quiseram, então, recolher Jesus na barca, mas imediatamente a barca chegou à margem para onde estavam indo.

Após multiplicar os pães pela primeira vez, Jesus atravessa o Mar da Galiléia de maneira mais do que inusitada (cf. Mt 14, 24-27; Mc 6, 47-50). Estando já em alto mar, os discípulos divisaram ao longe o que parecia ser um "fantasma", mas era, na verdade, o próprio Senhor a caminhar sobre as águas. Tomados de pavor, os Apóstolos reconhecem a Cristo e são por Ele confortados: "Sou eu", diz. "Não tenhais medo". Trata-se aqui de um verdadeiro acontecimento, de mais uma manifestação histórica e concreta do poder de Deus através da qual Ele, senhor do tempo e da história, quer transmitir-nos um ensinamento. Deste ponto de vista, a aparição de Cristo sobre as águas agitadas do Mar da Galiléia pode remitir-nos àquelas duas atitudes, ilustradas na reação das turbas antes e depois do sermão eucarístico (cf. Jo 6, 22-72), que às vezes tomamos diante dEle. Com efeito, se O buscamos por interesses meramente temporais, como "mercenários" esfomeados à procura de pão, Ele se afasta de nós; abandonados, assim, à nossa falta de fé, não temos as disposições para aceitar integralmente a sua Palavra, às vezes tão dura de ouvir (cf. Jo 6, 60), e acabamos por abandoná-lO. Mas se, vencendo a nossa desconfiança e temor mundano, deixamos que Ele venha a nós e nos mostre o seu rosto amigo — como não reconhecê-lO! —, experimentaremos a paz dos que, fiéis até aos seus mais exigentes ensinamentos, se dispõem a viver o Evangelho em toda a sua santa radicalidade. Por isso, peçamos hoje a Nosso Senhor que nos encha de espírito de fé e confiança, a fim de podermos reconhecê-lO sempre presente e reconfortante em meios às agitações de um mundo que, infelizmente, já não crê mais.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.