CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

1133. A última palavra do Antigo Testamento

Pela boca de Caifás, último sumo sacerdote da Lei, pronunciará o Antigo Testamento as suas últimas palavras, antes de ser selado no sangue do Cordeiro a Nova e eterna Aliança: “É melhor um só morrer pelo povo do que perecer a nação inteira”, a fim de que sejam reunidos os filhos de Deus dispersos pelo mundo.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo 11, 45-56)

Naquele tempo, muitos dos judeus que tinham ido à casa de Maria e viram o que Jesus fizera, creram nele. Alguns, porém, foram ter com os fariseus e contaram o que Jesus tinha feito. Então os sumos sacerdotes e os fariseus reuniram o Conselho e disseram: “Que faremos? Este homem realiza muitos sinais. Se deixamos que ele continue assim, todos vão acreditar nele, e virão os romanos e destruirão o nosso Lugar Santo e a nossa nação”.

Um deles, chamado Caifás, sumo sacerdote em função naquele ano, disse: “Vós não entendeis nada. Não percebeis que é melhor um só morrer pelo povo do que perecer a nação inteira?” Caifás não falou isso por si mesmo. Sendo sumo sacerdote em função naquele ano, profetizou que Jesus iria morrer pela nação. E não só pela nação, mas também para reunir os filhos de Deus dispersos. A partir desse dia, as autoridades judaicas tomaram a decisão de matar Jesus.

Por isso, Jesus não andava mais em público no meio dos judeus. Retirou-se para uma região perto do deserto, para a cidade chamada Efraim. Ali permaneceu com os seus discípulos. A Páscoa dos judeus estava próxima. Muita gente do campo tinha subido a Jerusalém para se purificar antes da Páscoa. Procuravam Jesus e, ao reunirem-se no Templo, comentavam entre si: “Que vos parece? Será que ele não vem para a festa?”

Às portas da Semana Santa, o Evangelho de hoje termina com uma interrogação que revela o clima de perseguição e antagonismo dos chefes do povo contra Jesus: “Que vos parece? Será que ele não vem para a festa?”, pois já se sentia no ar o que os grandes de Israel maquinavam às escondidas: “A partir desse dia, as autoridades judaicas tomaram a decisão de matar Jesus”. Para introduzir-nos na Semana Santa, em que fazemos memória dos dias que precederam a nossa Redenção, a leitura de hoje nos apresenta também o que podemos chamar a última profecia e a última palavra do Antigo Testamento: “É melhor um só morrer pelo povo do que perecer a nação inteira”, diz Caifás, sumo sacerdote em exercício, que sem  o querer nem disto se dar conta, profetiza o que sucederá com Cristo e anuncia como se dará a nossa salvação. De fato, “Caifás não falou isso por si mesmo. Sendo sumo sacerdote em função naquele ano, profetizou que Jesus iria morrer pela nação. E não só pela nação, mas também para reunir os filhos de Deus dispersos”. Aqui, é interessante notar dois paralelos e dois contrastes entre a Antiga e a Nova Aliança. Nas duas, temos duas pedras: Caifás, com quem se encerra o antigo sacerdócio, e Cefas, com quem se inicia o novo pontificado; e nas duas temos duas profissões de fé: a de Cefas, que iluminado pelo Pai confessou a Cristo como Filho do Deus vivo, e a de Caifás, que mesmo em sua incredulidade foi levado a reconhecer, inconscientemente, que Cristo morreria no lugar da nação. Em Caifás, o Antigo Testamento fala pela última vez, proclamando pela boca de um incréu, e à revelia dele, que em Jesus se haviam de finalmente cumprir as profecias acerca do Servo sofredor: “Ele próprio”, homem das dores experimentado nos sofrimentos, “deu sua vida e deixou-se colocar entre os criminosos, tomando sobre si os pecados de muitos homens, e intercedendo pelos culpados” (Is 53, 12). Com isso, tem fim a época dos prenúncios, porque em Cristo, Verbo encarnado, eles hão-de tornar-se realidade: os sofrimentos preditos serão para Ele sofrimentos sentidos, e as dores previstas cairão sobre Ele como dores sofridas, para que, pela morte de um só, todos recebamos o dom da vida. “É melhor um só morrer pelo povo do que perecer a nação inteira”. — Preparemo-nos para esta Semana Santa, intensificando nossa oração e mortificação, de sorte que possamos apresentar ao Redentor, nas festividades pascais, um coração renovado e cheio de amor.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.