CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc 7,11-17)

Naquele tempo, Jesus dirigiu-se a uma cidade chamada Naim. Com ele iam seus discípulos e uma grande multidão. Quando chegou à porta da cidade, eis que levavam um defunto, filho único; e sua mãe era viúva. Grande multidão da cidade a acompanhava. Ao vê-la, o Senhor sentiu compaixão para com ela e lhe disse: “Não chores!”

Aproximou-se, tocou o caixão, e os que o carregavam pararam. Então, Jesus disse: “Jovem, eu te ordeno, levanta-te!” O que estava morto sentou-se e começou a falar. E Jesus o entregou à sua mãe. Todos ficaram com muito medo e glorificavam a Deus, dizendo: “Um grande profeta apareceu entre nós e Deus veio visitar o seu povo”. E a notícia do fato espalhou-se pela Judéia inteira e por toda a redondeza.

A Igreja celebra hoje a memória de São João Crisóstomo, nascido em Antioquia, na Síria, na mesma época em que viveu outro grande Padre da Igreja, Santo Agostinho de Hipona. Órfão de pai ainda muito cedo, João recebeu da mãe, mulher de grande cultura, boa parte de sua educação e já em seus anos de escola tornou-se famoso entre os colegas por sua singular capacidade oratória; daí o nome com que passou a ser alcunhado: o epíteto grego “Crisóstomo” (Χρυσόστομος), com efeito, significa justamente “boca de ouro”, tal era a beleza com que ele ornava seus discursos.

Atraído pela verdade de Cristo, João fez-se batizar com cerca de dezoito anos. Apesar das recusas da mãe, que jamais contraiu segundas núpcias e lhe dedicara suas melhores forças, juntou-se a um grupo de monges que viviam nos arredores de Antioquia para dedicar-se à vida contemplativa e ao estudo das Sagradas Escrituras. Partiu depois para as montanhas, onde, num regime de vida eremítica, se entregou com tanto empenho à penitência — talvez num exagero de juventude — que acabou debilitando-se e, de certa forma, vendo-se obrigado a voltar à cidade.

De volta a Antioquia, foi ordenado diácono em 381 por São Melécio, bispo, que chegou a ocupar o patriarcado da cidade. Aos 39 anos, ordenou-se sacerdote e, do púlpito, pôde fazer seu talento de orador servir à sua missão de pregador: a exigência de suas exortações, ao mesmo tempo fortes e belas, foi um meio utilíssimo de que Deus se serviu para levar à perfeição fiéis nem sempre coerentes na vida com a fé que professavam com palavras. Por volta de 397, João, cuja fama já rompera havia muito as fronteiras de Antioquia, é chamado a Constantinopla (capital do Império Romano do Oriente, governado então por Flávio Arcádio); lá, é sagrado bispo e eleito sucessor de Nectário, ascendendo assim, como novo Patriarca, à principal sede oriental. Suas homilias, em que se denunciavam os vícios dos ricos e poderosos, valeram-lhe a antipatia das elites, que maquinaram contra ele toda sorte de ardis, a ponto de lograrem a sua deposição e exílio.

Com menos de sessenta anos, São João morre exilado e injustiçado, perseguido e maltratado por aqueles a quem entregara a própria vida, pelos quais tanto rezara, a fim de os converter, santificar e salvar. Vencido pela doce caridade de Cristo, ele a todos perdoou, partindo desta vida dando glória a Deus por todas as suas tribulações.

Texto do episódio
Comentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.