CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

Buscai primeiro a Deus!

“Ouve, meu filho, os preceitos do mestre; inclina o ouvido do teu coração, e o conselho de teu piedoso pai, de bom grado o acolhe e põe em prática, para que voltes, pela obediência, Àquele de quem te afastaste pela desídia da desobediência” (Regra, pr.).

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
(Mt 10,34–11,1)

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Não penseis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer a paz, mas sim a espada. De fato, vim separar o filho de seu pai, a filha de sua mãe, a nora de sua sogra.

E os inimigos do homem serão os seus próprios familiares. Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim, não é digno de mim. Quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim, não é digno de mim. Quem não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim.

Quem procura conservar a sua vida vai perdê-la. E quem perde a sua vida por causa de mim vai encontrá-la. Quem vos recebe a mim recebe; e quem me recebe, recebe aquele que me enviou. Quem recebe um profeta, por ser profeta, receberá a recompensa de profeta. E quem recebe um justo, por ser justo, receberá a recompensa de justo. Quem der, ainda que seja apenas um copo de água fresca, a um desses pequeninos, por ser meu discípulo, em verdade vos digo: não perderá a sua recompensa”. Quando Jesus acabou de dar essas instruções aos doze discípulos, partiu daí, a fim de ensinar e pregar nas.

Celebramos hoje a memória de São Bento de Núrsia, pai do Ocidente, que, por meio de sua famosa Regra monástica [1], transformou para sempre a história da humanidade. No capítulo V da Regra, São Bento nos fala de uma das características essenciais da vida cristã: a obediência, primeiro grau da humildade e fundamento sobre o qual, juntamente com a virtude da fé, se ergue todo o nosso edifício espiritual. Primus humilitatis gradus est obœdientia sine mora, “O primeiro grau da humildade é uma obediência sem demora”, quer dizer, que não se perde em contemporizações nem cálculos.

Por isso a obediência e, por conseguinte, o princípio de uma santidade frutuosa só convém àqueles que nada estimam mais do que a Cristo: Hæc convenit his, qui nihil sibi a Christo carius existimant, isto é, aos que, desejando ser santos, quer por medo ao inferno (seu propter metum gehennæ), quer por amor à glória da vida eterna (vel propter gloriam vitæ æternæ), começam a alimentar o desejo de se unir ao Senhor, cuja vontade se dispõem a realizar o mais prontamente possível: Moram pati nesciant in faciendo.

Essa pressa em agradar a Cristo, para com Ele estar unido, não é mais do que um sinal da presença da virtude da esperança. Prova disso é que os obedientes e, portanto, os humildes e cheios de fé, apoderados do desejo de vida eterna, “lançam-se como de assalto ao caminho estreito do qual dissera o Senhor: ‘Estreito é o caminho que leva à vida’” (Jo 6,38): Ideo, angustam viam arripiunt, isto é, tomam com violência, sabendo dos percalços que terão pela frente, todos os meios conducentes à salvação, pois “o reino dos céus é arrebatado à força e são os violentos”, os decididos e determinados, “que o conquistam” (Mt 11,12).

Isso significa na prática que é absolutamente imprescindível que nos disponhamos com vontade firme e constante a pagar o preço de chegarmos santos ao Céu: a) separar um tempo para rezar todos os dias, segundo as possibilidades do estado de vida de cada um; b) determinar-se a amar a Deus com toda a intensidade possível no único momento que temos, que é o presente; c) organizar-se para receber, não só com mais frequência, mas com mais fruto e melhor preparo os sacramentos da Penitência e da Eucaristia. — De olhos fixos no Senhor, que nada nos distraia, nada nos desanime: lancemo-nos de assalto à vida espiritual, pois estreito é o caminho que leva ao reino dos céus, e são os violentos que o conquistam.

Notas

  1. Regula monasteriorum, em D. C. Butler (ed.), 3.ª ed., Friburgo na Brisgóvia: Herder, 1935, p. 25s.

O que achou desse conteúdo?

0
0
Mais recentes
Mais antigos
Texto do episódio
Comentários dos alunos