CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
(Mt 5, 43-48)

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Vós ouvistes o que foi dito: ‘Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo!’ Eu, porém, vos digo: Amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem!

Assim, vos tornareis filhos do vosso Pai que está nos céus, porque ele faz nascer o sol sobre maus e bons, e faz cair a chuva sobre justos e injustos. Porque, se amais somente aqueles que vos amam, que recompensa tereis? Os cobradores de impostos não fazem a mesma coisa?

E se saudais somente os vossos irmãos, o que fazeis de extraordinário? Os pagãos não fazem a mesma coisa? Portanto, sede perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito”.

Se Deus não pede impossíveis e o Evangelho é, por definição, uma boa-nova, como é possível que o Senhor nos dê hoje uma tão má notícia como o dever de amarmos a quem nos odeia e fazermos bem aos que nos maltratam? “Eu, porém, vos digo”, prescreve Ele como novo Moisés: “Amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem”. Mas se às vezes é tão difícil amar como devemos a quem nos ama, como pode o Senhor, que assegura ter um fardo leve, impor-nos agora o jugo de devermos amar a quem não nos quer bem? A razão, dizia Chesterton, é porque os amigos, a quem não parece custoso amar, e os inimigos, que parecem merecer o nosso ódio, são quase sempre a mesma pessoa. De fato, não há ninguém que não se ame a si mesmo e, por necessidade natural, busque o próprio bem; mas quantas vezes nos declaramos guerra a nós mesmos, amando-nos com tal desordem que mais parece que nos queremos destruir! Não há ninguém que não ame os próprios pais; mas com que frequência, por pequenos desentendimentos, chegamos a tratá-los como não trataríamos um desconhecido. Não há ninguém que, no fundo da alma, não anseie por Deus como ao seu último fim; mas quantos são os que, mesmo conscientes deste desejo tão natural e próprio de qualquer criatura, o rejeitam como ao seu pior inimigo! Quando nos manda, logo, amar aos que nos odeiam e perseguem, Jesus não está ajuntando ao de amar o próximo um novo mandamento, mas esclarecendo sob que condição o nosso amor há de chegar a esses impossíveis de amar a todos. Se nos amarmos a nós, querendo-nos a virtude e a graça; se amarmos aos mais próximos, tratando-os com a paciência que tantas vezes exigem as flutuações do ânimo e a inconstância das simpatias; se amarmos a Deus de todo coração, obedecendo à sua Lei e sujeitando-nos às suas provações, então o nosso amor, tendo superado estas três inimizades, será capaz de superar com a graça todas as outras. Ninguém se amou tão retamente, ninguém amou com tanta ordem a pais e irmãos, ninguém amou a Deus com melhor amor do que Cristo, e é por esta perfeição de sua caridade que Ele nos amou a nós quando ainda éramos inimigos seus, não só nos perdoando a culpa e as ofensas, mas defendendo-nos diante do Pai com repetidas súplicas: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” (Lc 23, 24). Cristo, é verdade, não precisou superar inimizades, porque teve sempre um Coração retíssimo e impecável, mas quis ser causa exemplar, eficiente e meritória do amor com que nós, sim, necessitamos superá-las, a fim de chegarmos a amar, como Ele, aos que nos odeiam como nós mesmos chegamos um dia a odiá-lo. Para isso, peçamos-lhe insistemente a graça de amarmos com amor cristão, o único que pode vencer todos os ódios e inimizades, porque é o único capaz de abraçar, sob o olhar de um Pai comum, a todos os homens como a verdadeiros irmãos: “Assim vos tornareis filhos do vosso Pai que está nos céus”.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.