CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

1144. Jesus está mais perto do que nunca

O Corpo glorioso do Ressuscitado está no céu, mas nem por isso é inalcançável: nós o tocamos na Comunhão, lhe fazemos companhia diante do sacrário e recebemos a força que dele emana ao exercitarmos a fé que nele temos. Ainda hoje podemos dizer o que disse outrora o discípulo amado: “É o Senhor!”.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo 21, 1-14)

Naquele tempo, Jesus apareceu de novo aos discípulos, à beira do mar de Tiberíades. A aparição foi assim: Estavam juntos Simão Pedro, Tomé, chamado Dídimo, Natanael de Caná da Galileia, os filhos de Zebedeu e outros dois discípulos de Jesus.

Simão Pedro disse a eles: “Eu vou pescar”. Eles disseram: “Também vamos contigo”. Saíram e entraram na barca, mas não pescaram nada naquela noite. Já tinha amanhecido, e Jesus estava de pé na margem. Mas os discípulos não sabiam que era Jesus. Então Jesus disse: “Moços, tendes alguma coisa para comer?” Responderam: “Não”.

Jesus disse-lhes: “Lançai a rede à direita da barca, e achareis”. Lançaram pois a rede e não conseguiam puxá-la para fora, por causa da quantidade de peixes. Então, o discípulo a quem Jesus amava disse a Pedro: “É o Senhor!” Simão Pedro, ouvindo dizer que era o Senhor, vestiu sua roupa, pois estava nu, e atirou-se ao mar. Os outros discípulos vieram com a barca, arrastando a rede com os peixes. Na verdade, não estavam longe da terra, mas somente a cerca de cem metros. Logo que pisaram a terra, viram brasas acesas, com peixe em cima, e pão. Jesus disse-lhes: “Trazei alguns dos peixes que apanhastes”.

Então Simão Pedro subiu ao barco e arrastou a rede para a terra. Estava cheia de cento e cinquenta e três grandes peixes; e, apesar de tantos peixes, a rede não se rompeu. Jesus disse-lhes: “Vinde comer”. Nenhum dos discípulos se atrevia a perguntar quem era ele, pois sabiam que era o Senhor. Jesus aproximou-se, tomou o pão e distribuiu-o por eles. E fez a mesma coisa com o peixe. Esta foi a terceira vez que Jesus, ressuscitado dos mortos, apareceu aos discípulos.

O Evangelho de hoje leva-nos às margens do mar de Tiberíades, onde encontramos, dedicados novamente à pesca, alguns dos discípulos do Senhor, à frente dos quais — como de costume — está Simão Pedro. Pedro encontra-se aqui, depois dos acontecimentos da Semana Santa, no ponto inicial do seu apostolado; foi neste mesmo mar, com efeito, que há cerca de três anos ele fora chamado a seguir Jesus. Desta vez, porém, o Senhor não está com ele na barca, mas de pé, às margens do lago. Como se costuma destacar sempre que se comenta esta passagem, o sentido místico da distância entre a barca de Pedro, em pleno mar, e Jesus ressuscitado, de pé em terra firme, é que nós estamos no mar deste mundo, com suas incertezas e dificuldades, enquanto Cristo está na glória e segurança do céu. E no entanto, apesar dessa distância aparentemente intransponível entre o Corpo e a Cabeça, Cristo pode, com uma só palavra, governar os rumos da Igreja, e não só governá-la, mas ainda estar em contato muito íntimo e muito verdadeiro com cada um dos seus membros. De fato, foi com uma curta frase: “Lançai a rede à direita da barca, e achareis” que Ele tornou possível a pesca milagrosa, e foi com um simples convite: “Vinde comer” que Ele achegou a si os seus amigos. E se o pôde fazer então, antes de partir deste mundo, o pode fazer ainda uma vez, agora e enquanto durar a história. Ele, ainda que tenha ascendido ao céu, não abandonou os que resgatou por seu Sangue, senão que continua perto deles, dando-se-lhes de comer na Eucaristia, tocando com sua graça todos os que levantam o coração a Ele com fé e esperança. Sim, o Corpo glorioso do Ressuscitado está no céu, mas nem por isso se tornou inalcançável: tocamo-lo ao comungarmos, fazemos-lhe companhia diante do sacrário e recebemos a virtude santificadora que dele emana ao exercitarmos a fé que nele temos. Por esta razão, podemos com toda justiça dizer todos os dias, ao recebermos a Comunhão e sermos tocados pela graça do Espírito Santo, o que diz hoje o discípulo amado: “É o Senhor!”.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.