CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

Por que o jejum?

São dias de penitência todas as sextas-feiras do ano e, de modo especial, as do tempo da Quaresma, em que somos chamados a aumentar os rigores da nossa mortificação, para que, senhores de nós mesmos, nos submetamos docilmente ao império de Cristo, Nosso Senhor.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
(Mt 9, 14-15)

Naquele tempo, os discípulos de João aproximaram-se de Jesus e perguntaram: “Por que razão nós e os fariseus praticamos jejuns, mas os teus discípulos não?”

Disse-lhes Jesus: “Por acaso, os amigos do noivo podem estar de luto enquanto o noivo está com eles? Dias virão em que o noivo será tirado do meio deles. Então, sim, eles jejuarão”.

Em memória do jejum que durante quarenta dias guardou Cristo no deserto, e como forma de nos associar às privações e sofrimentos que Ele suportou pela nossa salvação, a Igreja nos chama a fazer desta, que é a primeira, e de todas as sextas-feiras da Quaresma dias de especial mortificação. Como sabemos, os fiéis adultos estamos obrigados por lei canônica à abstinência de carne todas as sextas-feiras do ano. Não é este o lugar de explicar o sentido e o alcance desta norma. Quem quiser conhecer a atual legislação referente ao quarto mandamento da Igreja pode assistir à Resposta Católica n. 257. O que importa sublinhar aqui é a conveniência de acrescentarmos à penitência das sextas, à qual já estamos obrigados ao longo do ano, alguma outra prática de mortificação. Embora a Igreja não tenha prescrito de que natureza deve ser ela, é muito salutar recuperar o costume, normativo até 1983, de juntar à abstinência de carne a prática do jejum, que nada mais é do que tomar uma única refeição completa até a saciedade e outras duas extremamente moderadas, a ponto de, juntas, não somarem uma refeição completa. Não se trata, repita-se, de um norma, mas de um detalhe de generosidade que agrada muito o Coração de Cristo e ajuda a tomarmos as rédeas do nosso corpo, sempre tão rebelde, submetendo-o ao domínio da alma, a fim de submetermos esta ao de Deus. Levemos a sério o dever de penitência que semanalmente nos obriga, e peçamos ao Senhor a graça de o cumprirmos nesta Quaresma, não só no essencial e necessário, mas com generosidade e super-rogação, oferecendo-lhe pela abstinência e pelo jejum os nossos apetites e, por uma oração mais fervente, a completa sujeição do nosso ser.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.