CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc
9, 7-9)

Naquele tempo, o tetrarca Herodes ouviu falar de tudo o que Jesus fazia e ficou perplexo. Uns diziam: "É João que ressurgiu dos mortos"; outros: "É Elias que apareceu"; e ainda outros: "É um dos antigos profetas que ressuscitou". Mas Herodes dizia: "Eu degolei a João. Quem é, pois, este, de quem ouço tantas coisas?" E procurava ocasião para vê-lo.

O Evangelho de hoje nos apresenta Herodes Antipas, que, embora procure ver Jesus, é incapaz de professar a fé. Para compreendermos esta passagem, façamos um paralelo com um outro episódio, o da confissão de São Pedro (cf. Lc 9, 18-20). Tanto o tetrarca quanto o chefe dos apóstolos têm as mesmas informações e sabem o que o povo diz a respeito de Cristo. Estão, de certa maneira, na mesma situação; mas a resposta de um e de outro ao Senhor é diversa: Herodes parece não conseguir penetrar o mistério daquele Nazareno de quem tanto ouve falar, ao passo que Pedro, inspirado, confessa que Jesus é o Cristo de Deus. Com efeito, o apóstolo Pedro, desde a sua vocação em Genesaré, mostra-se disposto a encontrar-se com Cristo. "Retirar-te de mim, Senhor", exclamara uns trechos antes, reconhecendo ser "um homem pecador" (Lc 5, 8).

Isto vale também para a nossa vida espiritual. Ao fechamento de Herodes contrapõe-se a disposição interior de Simão para reconhecer a própria indignidade e, portanto, para abrir-se à Palavra de Deus. São João Crisóstomo, ao comentar o Evangelho de hoje numa de suas homilias, diz que é típico do pecador ser atormentado pelos fantasmas dos próprios crimes. Com o coração endurecido, Herodes confessa, sem sombra de arrependimento: "Eu degolei a João", e os cochichos do povo tiram-lhe a paz diante da possibilidade de o espírito de João ter voltado para vingar-se. É este como que "ensimesmamento" que o impede de ver Nosso Senhor. Somente o reconhecimento de que somos miséria permite que nos encontremos com a misericórdia de Jesus.

Daqui se vê a diferença entre o arrependimento cristão e as neuras de um complexo de culpa, pois a verdadeira contrição é encontrar-se consigo mesmo sob o olhar de um Deus que nos ama, que deseja acercar-se de nós, apesar de nossas culpas e imperfeições. Herodes não quer ver a realidade sobre si, mas apenas certificar-se de que Jesus não é um vingador e apaziguar, assim, os seus fantasmas interiores. Muitas pessoas acabam vivendo a religião com essa mesma postura, à busca de rituais e sortilégios que tranquilizem sua má consciência. Mas o cristianismo não é isso; trata-se, antes, de despojar-nos das máscaras, fantasias e ilusões que criamos a nosso respeito e, caídos "nus" aos pés de Cristo, seguirmos Aquele "que perscruta os corações" (Rm 8, 27).

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.